Reflexividade metapragmática sobre o cinema de Almodóvar numa interação online: indexicalidade, escalas e entextualização

Autores

  • Clarissa Gonzalez Universidade Federal do Rio de Janeiro (Pesquisa) Universidade Federal Fluminense (Professora substituta)
  • Luiz Paulo da Moita Lopes Universidade Federal do Rio de Janeiro (Pesquisa)

Palavras-chave:

indexicalidade, escalas, entextualização

Resumo

Este artigo analisa uma postagem publicada no site espanhol Dos Manzanas, que predica Pedro Almodóvar como “pedagogo da realidade LGBT”, e alguns dos comentários que esta suscita. Interessa-nos estudar a reflexividade metapragmática que essa pedagogia produz numa discussão online que avalia se a cinematografia almodovariana projeta uma fachada (GOFFMAN, [1967] 2011) favorável para o coletivo em questão. Para tal, focamos em processos de indexicalidade, de entextualização e escalares na construção de significados. O que se observa é que os textos fílmicos, ao serem entextualizados no referido site de notícias LGBT, mobilizam escalas, que inspiram posicionamentos das/dos participantes. Se, por um lado, tais posicionamentos questionam privilégios heteronormativos (BUTLER, 1990), por outro resvalam em essencialismos nada estratégicos (SPIVAK, 1988; BUTLER, 1990).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clarissa Gonzalez, Universidade Federal do Rio de Janeiro (Pesquisa) Universidade Federal Fluminense (Professora substituta)

Professora substituta do Departamento de Comunicação da UFF. Bolsista de pós-doutorado (PNPD/CAPES). Doutora em Artes (menção Cum Laude) pela Universidade Complutense de Madrid. Mestre em Linguística Aplicada Interdisciplinar pela UFRJ. Especialista/MBA em Marketing pela Estácio. Tem duas graduações: Jornalismo e Cinema, ambas cursadas na UFF. Possui mestrado profissional em Web Design (Euroinnova, Granada, Espanha) e especialização em Arte Emergente no IART: Instituto Superior de Arte

Luiz Paulo da Moita Lopes, Universidade Federal do Rio de Janeiro (Pesquisa)

Professor Titular do Programa Interdisciplinar de Lingüística Aplicada da UFRJ e Pesquisador do CNPq. É PhD em Lingüística Aplicada pela Universidade de Londres. Foi presidente da Associação de Lingüística Aplicada do Brasil, atuou como representante da área de Letras e Lingüística no Conselho de Assessores do CNPq e como conselheiro da Associação de Pós-Graduação em Letras e Lingüística (ANPOLL). Já publicou oito livros no Brasil (Oficina de Lingüística Aplicada, Identidades Fragmentadas, Discursos de Identidades, Identidades - Recortes Multi- e Interdisciplinares, Por uma Linguística Aplicada INdisciplinar, Performances, Para além da identidade: fluxos, movimentos e trânsitos e Estudos de identidade: entre saberes e práticas) e artigos em revistas científicas e capítulos de livros no Brasil, México, Estados Unidos, Holanda e Inglaterra. Atua na área de lingüística aplicada, especificamente no campo das relações entre o discurso e as práticas sociais, com ênfase em estudos sobre letramentos escolares (língua estrangeira e materna) e não-escolares (midiáticos) e os processos de construção das identidades sociais (gênero, sexualidade e raça).

Referências

ARNALTE, A. (2003). Redada de violetas: La represión a homosexuales durante el franquismo. Madri: La esfera de los libros.

BAUMAN, Z. (2001). Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

BAUMAN, R.; BRIGGS, C. (1990). Poetics and performance as critical perspectives on language and social life. In: COUPLAND, N; JAWORSKI (Eds.). The new sociolinguistics reader. New York: Palgrave Macmillan, 2009.

BAUMAN, R. & BRIGGS, C. (2003). Voices of modernity: Language ideologies and the politics of inequality. Cambridge: CUP.

BERGMAN, J.R. (1998). Introduction: Morality in Discourse. Research on Language and Social Interaction, 31: 3-4, p. 279-294.

BIONDO, F.P.; SIGNORINI, I. (2015). (Re)definições e (des)construções identitárias em comunidades ativistas do Facebook: contribuições das epistemologias pós-feminista e queer. DELTA, v. 31, p. 6-s/n.

BLOMMAERT, J. (2005). Discourse: a critical introduction. Cambridge: CUP.

BLOMMAERT, J. (2010). The sociolinguistics of globalization. Cambridge: CUP.

BLOMMAERT, J. & RAMPTON, B. (2011). Language and Superdiversity. Diversities, 13(2), p. 1-21.

BORBA, R. (2015). Linguística queer: uma perspectiva pós-identitária para os estudos da linguagem. Revista Entrelinhas, Vol. 9, n. 1 (jan./jun.), p. 91-107.

BUCHOLTZ, M. & HALL, K. (2004). Theorizing identity in language and sexuality research. Language in Society, 33: p. 469-515.

BUTLER, J. (1990) Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity. London: Routledge.

BUTLER, J. (1999). “Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do ‘sexo’”. In: LOURO, G.L. (Org.), O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, p. 151-172.

BUTLER, J. (2004). Undoing gender. New York: Routledge.

BUTLER, J. (2005). Relatar-se a si mesmo: Crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

CAMERON, D. & KULICK, D. (2003). Language and sexuality. Cambridge: CUP.

CARR, E.S.; LEMPERT, M. (2016) Scale: discourse and dimensions of social life. Oakland: University of California Press.

FELLIPE, R.F. (2004). Silêncio e (meta)linguagem em “Fale com ela”. Cadernos Pagu, (23), p. 399-411.

FOUCAULT, M. (1969). A Arqueologia do Saber [7. ed.] Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, M. (1976). História da sexualidade: a vontade de saber vol. I. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

FOUCAULT, M. (1984). História da sexualidade: os usos do prazer vol. II. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

FOUCAULT, M. (1972) Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

FOUCAULT, M. (2010). O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. & RABINOW, P. (Eds.), Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

GEE, J.P. (1990). Social linguistics and Literacies. Ideology in discourses. London: Falmer Press.

GEE, J.P. (2004). Situated Language Learning: A Critique of Traditional Schooling. New York: Routledge.

GIDDENS, A.; BECK, U. & LASH, S. (1997). Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Unesp.

GOFFMAN, E. (1967). Ritual de interação: Ensaios sobre o comportamento face a face. Petrópolis: Editora Vozes, 2011.

GOFFMAN, E. (1979). Footing. In: RIBEIRO, B.T. & GARCEZ, P.M. (Orgs.), Sociolinguística interacional. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

AUTOR. & AUTOR. (2015).

AUTOR. & AUTOR. (2016).

HALL, K. (2013). “It’s a hijra!”: queer linguistics revisited. Discourse & society, 24 (5), p. 634-642.

JACQUEMET, M. (2005). Transidiomatic practices: Language and power in the age of globalization. Language & Communication, 25, p. 257-277.

JENKINS, H. (2008). Cultura da convergência. São Paulo: Aleph.

MELERO SALVADOR, A. (2010). Placeres ocultos: Gays y lesbianas en el cine español de la transición. Madrid: Notorious.

MELO & AUTOR (2014).

MISKOLCI, R. (2011). Não somos, queremos – Reflexões queer sobre a política sexual brasileira contemporânea. In: COLLING, L. (Org.), Stonewall 40 + o que no Brasil. Salvador: EDUFBA.

AUTOR ([2006] 2016).

AUTOR. (2013a).

AUTOR. (2013b).

AUTOR. (2015).

OSTERMANN, A.C. (2003). Communities of practice at work: gender, facework and the power of habitus at an aff-female police station and a feminist crisis intervention center in Brazil. Discourse & Society, 14 (4), p. 474-505.

PENNYCOOK, A. (2007). Global Englishes and Transcultural Flows. New York: Routledge.

PINTO, J.P. (2013). AUTOR.

PRECIADO, P. (2003). Multidões queer: nota para uma política dos ‘anormais’. Estudos Feministas, Florianópolis, 19(1), 2011/janeiro-abril, p. 11-20.

RAJAGOPALAN, K. Da arrogância cartesiana à “nova pragmática” (Prefácio). In: SILVA, D.; FERREIRA, D. & ALENCAR, C. (Orgs.), Nova pragmática: Modos de fazer. São Paulo: Cortez, 2014.

SEDGWICK, E. (1990). A epistemologia do armário. Cadernos Pagu, 28, 2007, p. 19-54.

SILVA, D.; FERREIRA, D.; ALENCAR, C. (2014). Nova pragmática: Modos de fazer. São Paulo: Cortez.

SILVERSTEIN, M. (2003). Indexical order and the dialectics of sociolinguistic life. Language & Communication, 23, p. 193–229.

SILVERSTEIN, M. & URBAN, G. (1996). Natural histories of discourse. Chicago: The University of Chicago Press.

SPIVAK, G.C. (1988). Subaltern Studies: Deconstructing Historiography. In: GUHA, R. & SPIVAK, G.C. (Eds.), Selected Subaltern Studies. Oxford: OUP.

VELOSO, M.T. (2012). O sujeito do desejo na trama do discurso. Frederico Westphalen: URI-Frederico Westph.

VERTOVEC, S. (2007). Superdiversity and its implications. Ethnic and Racial Studies, Vol. 30, No. 6, p. 1024-1054.

WILCHINS, R. (2004). Queer theory, gender theory. Los Angeles: Alysson Books.

WORTHAM, S. (2005). Socialization beyond the speech event. Journal of Linguistic Anthropology, v. 15, nº1, p. 95-112.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

GONZALEZ, C.; DA MOITA LOPES, L. P. Reflexividade metapragmática sobre o cinema de Almodóvar numa interação online: indexicalidade, escalas e entextualização. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 1102–1136, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651046. Acesso em: 7 dez. 2022.