A mediação diante do cárcere: os casos de sobrevivente André du Rap e Cela forte mulher

Autores

  • Lua Gill da Cruz Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Testemunho. Autoria. Prisão.

Resumo

A produção artística e crítica contemporâneas têm colocado em questão a necessidade de observar perspectivas histórias antes silenciadas, de forma a opor-se e resistir ao apagamento de experiências e vivências de grupos, raças, etnias e cores diversas. Em um país como o Brasil, entretanto, caracterizado por desigualdades sociais gritantes, tal tentativa foi e é marcada pela disjunção e pela mediação. Esta mediação frequentemente é marcada por produções em que o intelectual, branco e da elite, organiza e edita a obra de alguém que testemunha outra vivência, o subalternizado, negro e pobre. Se por um lado a figura do intelectual é central para desvelar e inscrever tais histórias, por outro, a mediação não é imparcial, mas marcada por relações de poder. A proposta deste trabalho é introduzir questões relativas ao conceito de literatura de testemunho, literatura sobre o/do cárcere e analisar dois exemplos de tal literatura, os textos Sobrevivente André du Rap (2002) e Cela forte mulher (2003), de maneira a discutir como os textos se estruturam e problematizam a mediação radical da alteridade entre intelectuais e detentos, os seus impasses éticos e textuais, bem como refletir sobre a dificuldade em estabelecer uma (ou muitas) autoria(s) diante de uma certa apropriação autoral da voz do outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lua Gill da Cruz, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda de Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisado Estado de São Paulo (FAPESP) e mestre pelo mesmo programa.

Referências

AGAMBEN, G. (2008). O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. Tradução de Selvino J. Assman. São Paulo: Boitempo.

ARAUJO, J. A. de. (2002). Sobrevivente Andre du Rap: (do massacre do carandiru). Coautoria de Bruno Zeni. São Paulo, SP: Labortexto.

ARANTES (2010). O ano que não terminou. In: TELES, Edson; SAFATLE, Vladimir (Orgs.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo.

BHABHA, H. (1998). A outra questão. O estereótipo, a discriminação e o discurso do colonialismo. In: BHABHA, Homi K. O local da cultura. Trad. Myriam Avila, ELiana Lourenço de Lima Reis, Glácia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

BURGOS, E. (1993). Meu nome é Rigoberta Menchú: e assim nasceu minha consciência. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

BUTLER, J. (2004). Precarious life: the powers of mourning and violence. London: Verso.

BUTLER, J. (2015). Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Tradução de Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão e Arnaldo Marques de Cunha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CORONEL, L. P. (2015). A terceira margem de Carolina Maria de Jesus. In: FARIA, A.; PENNA, J. C.; PATROCINIO, P. R. T.. Modos da margem: figurações da marginalidade na literatura brasileira. Rio de Janeiro: Aeroplano.

DALCASTAGNÈ, R. (2005). “Isso não é literatura (sobre Carolina Maria de Jesus e Paulo Lins)”. In: DALCASTAGNÈ, Regina. Entre fronteiras e cercado de armadilhas: problemas da representação na narrativa brasileira contemporânea. Brasília: Editora Universidade de Brasileira: Finatec.

DALCASTAGNÈ, R. (2002). Uma voz ao sol: representação e legitimidade na narrativa brasileira contemporânea. In: Estudos de literatura brasileira contemporânea, n. 20, p. 33-70. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view /221 4. Acesso em: maio de 2017.

FELMAN, S. (2014). O inconsciente jurídico: julgamentos e traumas no século XX. Tradução de Ariani Bueno Sudatti. São Paulo: EDIPRO.

FOSTER, H. (2014). O artista como etnógrafo. In: FOSTER, Hal. O retorno do real: a vanguarda no final do século XX. Trad. de Célia Euvaldo. São Paulo: Cosac Naify.

FOUCAULT, M. (2009). O que é um autor?. In: FOUCAULT, Michel. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Organização Manoel Barros da Motta; Tradução Inês Autran Dourado Barbosa, 2 ed.. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

HOOKS, b. (1992). Eating the Other: Desire and Resistance. In: Black Looks: race and representation. p. 21-39. Boston: South End Pres.

JESUS, C. de. (2014). Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Ática.

KLINGER, D. (2007). Escritas de si, escritas do outro: o retorno do autor e a virada etnográfica: Bernardo Carvalho, Fernando Vallejo, Washington Cucurto, João Gilberto Noll, César Aira, Silviano Santiago. Rio de Janeiro: 7Letras.

MARCO, V. de. (2004). A literatura de testemunho e a violência de Estado. Lua Nova, São Paulo, n. 62, p. 45-68. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo .php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452004000200004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: novembro de 2017.

PALMEIRA, M. R. S. Soares. (2009). Cada história, uma sentença: narrativas contemporâneas do cárcere brasileiro. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8149/tde-06092011-142127/pt-br.php. Acesso em: outubro de 2017.

PENNA, J. C. (2003). Este corpo, esta dor, esta fome: notas sobre o testemunho hispano-americano. In: SELIGMANN-Silva, Márcio (org.). História, memória, literatura: o testemunho na Era das Catástrofes. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

PERPÉTUA, E. D. (2014). A vida escrita de Carolina Maria de Jesus. Belo Horizonte: Nandyala.

PERPÉTUA, E. D. (2002). Produção e recepção de Quarto de despejo de Carolina Maria de Jesus: relações publicitárias, contextuais e editoriais. In: Em tese. Belo Horizonte, v.5, p.33-42, dez. 2002.

PINHEIRO, P. S. (1991) Autoritarismo e transição. In: Revista USP. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo. Disponível em: http://www.revistas.usp. br/revusp/article/view/25547/27292. Acesso em: agosto de 2016.

PRADO, A. C. (2003). Cela forte mulher. São Paulo: Labortexto Editoria.

SELIGMANN-SILVA, M. (2006). Novos escritos dos cárceres: uma análise de caso. Luiz Alberto Mendes, Memórias de um sobrevivente. In: Estudos de literatura brasileira contemporânea. Brasília. n. 27, pp. 35-58.

SELIGMANN-SILVA, M. (2010). O local do testemunho. Tempo e argumento. Florianópolis: UDESC, v.2, n.1, p.3-20, junho de 2010.

SPIVAK, G. C. (2010). Pode o subalterno falar?. Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG.

WACQUANT, L. (2011). As prisões da miséria. Tradução de André Teles. Rio de Janeiro: Zahar.

ZENI, B.; TIMERMAN, N. (2017). A escrita e a prisão: potências e dilemas. Anais da ABRALIC. Rio de Janeiro: UERJ, pp. 305-314.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

CRUZ, L. G. da. A mediação diante do cárcere: os casos de sobrevivente André du Rap e Cela forte mulher. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 821–847, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651205. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossier Research practices in literacies across languages and social domains