Biopolítica, direitos humanos e resistências: uma análise comparativa das políticas públicas de Saúde para a população LGBT em Florianópolis-SC

Autores

Palavras-chave:

Biopolítica. HIV/Aids. População LGBT.

Resumo

Este trabalho tem por objetivo analisar os discursos das políticas públicas de saúde para a população LGBT de Florianópolis, Santa Catarina. Para tanto, parte das discussões sobre a governamentalização, a biopolítica e sobre a cisão entre as modalidades de subjetividade, relacionando o dispositivo crônico da aids aos enunciados materializados no I Plano Municipal de Políticas Públicas e Direitos Humanos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros (PMLGBT I), publicado em 2012, e no II Plano Municipal de Políticas Públicas e Direitos Humanos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (PMLGBT II),  publicado em 2017. Observa-se que, entre os discursos, há importantes deslocamentos históricos em funcionamento, seja da perspectiva da positivação das sexualidades não-heteronormativas, seja segundo a ordem das resistências e da luta pelos direitos da população LGBT, que redundam em enunciados menos estigmatizantes quanto às práticas afetivas e sexuais e sua relação com os enunciados do risco e do perigo. Conclui-se, a partir das análises, que no interior de uma biopolítica menor, as políticas públicas de Florianópolis para a população LGBT têm se marcado pela problematização dos direitos humanos e pela assunção de corporalidades e subjetividades dissidentes no interior das estratégias de cidadania e de cuidado, não obstante os limites com que opera o biopoder na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Atilio Butturi Junior, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Linguística (UFSC). Docente da UFSC. Realizou estágio pós-doutoral no IEL-UNICAMP (2014-2015) e atualmente realiza pesquisa de pós-doutoramento, com bolsa CAPES-Brasil, na Universidade Nova de Lisboa, sob supervisão do professor DR. José Luís da Câmara Leme. Professor do Programa de Pós-Graduação em Linguísitica da UFSC e do Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas da UFFS. Editor-chefe da Fórum Linguístico.

Camila de Almeida Lara, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestra e Doutoranda em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSC.

Referências

ABIA. (2018). Matéria ‘A Outra Pílula Azul’ da revista Época é preconceituosa e peca na fundamentação. Disponível em: < http://abiaids.org.br/31417/31417>. Acesso em: 21 abr. 2018.

AGAMBEN, G. (2010a) Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. 2.ed. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

AGAMBEN, G. (2010b). Une biopolitique mineure – entretien avec Giorgio Agamben. Vacarme, n.º10. Disponível em: < http://www.vacarme.org/article255.html>. Acesso em: 6 fev. 2014.

AGAMBEN, G. (2009). O amigo. O que é um dispositivo. Trad. Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos.

BUTTURI JUNIOR, A. (2016). As formas de subjetividade e o dispositivo da aids no Brasil contemporâneo: disciplinas, biopolítica e phármakon. In: QUINO, V. C.; CRESTANI, L. M.; DIAS, L. F.; DIEDRICHM M. S. Língua, literatura, cultura e identidade: entrelaçando conceitos. Passo Fundo: Editora da Universidade de Passo Fundo, 2016a. p.59-78.

BERNARDES, A.G (2011). Indigenous health and public policies: alterity and state of exception. Interface - Comunic. Saude. Educ., v.15, nº 36, pp.153-64, jan./mar.

BIEHL, J. (2004). The Activist State – Global pharmaceutical, AIDS, and citizenship in Brazil. Social Text 80, Durham, v. 22, nº 3, pp. 105-132.

BUTLER, J. (2016). Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. 2.ed. Trad. Sérgio Lamarão e Arnaldo Marque da Cunha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

BUTLER, J. (2014). O clamor de Antígona: parentesco entre a vida e a morte. Florianópolis: Editora da UFSC.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE (2017). Profilaxia pré-exposição (PrEP). Disponível em:< http://www.aids.gov.br/pt-br/publico-geral/prevencao-combinada/profilaxia-pre-exposicao-prep>. Acesso em: 22 abr. 2018.

CAMARGO JUNIOR, K. R. de. (1994). As ciências da AIDS e a AIDS das ciências: discurso médico e a construção da AIDS. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, ABIA, IMS, UERJ.

CAPONI, S. (2004). A biopolítica da população e a experimentação com seres humanos. Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, nº 2, pp.445-455.

DANIEL, H. (1989). Vida antes da morte. Rio de Janeiro: Jaboti.

DANIEL, H.; PARKER, R. (1991). AIDS, a terceira epidemia: ensaios e tentativas. São Paulo: Iglu.

DARDOT, P; LAVAL, C. (2016). A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. Trad. Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo.

FASSIN, D. (2006). La biopolitique n’est pas une politique de la vie. Sociologie et sociétés, v. 38, nº. 2, pp. 35-48.

FLORIANÓPOLIS. (2017). II Plano Municipal de Políticas Públicas e Direitos Humanos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais – LGBT. Disponível em: <http://www.pmf.sc.gov.br/entidades/cmdlgbt/index.php?cms=instrumentos+normativos+e+documentos+de+referencia&menu=0>. Acesso em: 10 dez. 2017.

FLORIANÓPOLIS. (2016). Lei 10.018 de 13 de março de 2016 – Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais de Florianópolis (CMDLGBT) e dá outras providências. Prefeitura de Florianópolis. Disponível em: < http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/10_08_2017_19.00.10.45f6330d2fd0e066dd87ac72cfcc2e7a.pdf>. Acesso em: 20 set. 2017.

FLORIANÓPOLIS. (2012). I Plano Municipal de Políticas Públicas e Direitos Humanos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros – LGBT. Disponível em: < http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/29_04_2014_17.30.01.4274f16b46ed57c9fe500e14f875d815.pdf> Acesso em: 6 out. 2017.

FLORIANÓPOLIS. (2010). I Plano Municipal de Políticas para as Mulheres. Disponível em:< http://www.spm.gov.br/arquivos-diversos/opm/plano-mulher-florianopolis> Acesso em: 06 jan. 2018.

FOUCAULT, M. (2008a). Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, M. (2008b). O nascimento da biopolítica. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel. (2008c). A arqueologia do saber. Tradução: Luiz Felipe Baeta Neves 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

FOUCAULT, M. (2009). História da sexualidade I: a vontade de saber. 19.ed. Trad. Maria Thereza Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal.

FOUCAULT, M. (2010a). Em defesa da sociedade - curso no Collège de France, 1975-1976. Trad. Maria Ermantina Galvão. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, M. (2010b). Crise da medicina ou crise da antimedicina. Verve, nº18, p.167-194. Disponível em:< https://revistas.pucsp.br/index.php/verve/article/view/8646>. Acesso em: 10 abr. 2016.

FOUCAULT, M. (2013). O corpo utópico, as heterotopias. Trad. Salma Tannus Muchail. São Paulo: n-1 Edições.

FERREIRA, A. J. (Org.). (2014). Relações étnico-raciais, de gênero e sexualidade: perspectivas contemporâneas. Ponta Grossa: Editora UEPG.

FERRAZ, D.; KRAICZYK, J. (2017). Gênero e políticas públicas de saúde –construindo respostas para o enfrentamento das desigualdades no âmbito do SUS. Revista de Psicologia da UNESP, v. 9, n. 1, p. 70-82.

HARDT, M.; NEGRI, A. Império. 3.ed. Rio de Janeiro; Record, 2001.

LANZARINI, R.; RIAL, C. (2010). Turismo gay na Ilha de Santa Catarina: homossociabilidades e perspectiva. In: FAZENDO GÊNERO, 9, 2010, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC.

ORTEGA, F. (2004). Biopolíticas da saúde: reflexões a partir de Michel Foucault, Agnes Heller e Hannah Arendt. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v.8, nº14, pp.9-20.

PARKER, R. (2015). O fim da AIDS? Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids.

PENNYCOOK, A. (2006). Uma lingüística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma lingüística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola.

POLLAK, M. (1990). Os homossexuais e a AIDS: sociologia de uma epidemia. São Paulo: Estação Liberdade.

PELÚCIO, L.; MISKOLCI, R. (2009). A prevenção do desvio: o dispositivo da aids e a repatologização das sexualidades dissidentes. Sexualidad, Salud y Sociedad, Revista Latinoamericana, nº 1, pp. 125-157.

PERLONGHER, N. (1987). O que é AIDS. 2.ed. São Paulo: Brasiliense.

PREPWATCH. Country updates. 2018. Disponível em: <https://www.prepwatch.org/country-updates>. Acesso em: 20 mar. 2018.>

SAMPAIO, J. V.; GERMANO, I. M. P. (2014). Políticas públicas e crítica queer: algumas questões sobre identidade LGBT. Revista Psicologia & Sociedade, v. 26, nº 2, pp.290-300.

SANTA CATARINA. (2017). HIV entre adultos jovens cresce 43% em Santa Catarina nos últimos três anos, alerta Secretaria da Saúde. Disponível em: <http://www.sc.gov.br/index.php/noticias/temas/saude/hiv-entre-adultos-jovens-cresce-43-em-santa-catarina-nos-ultimos-tres-anos>. Acesso em: 5 jan. 2018.

SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Saúde. (2017). Nota informativa nº 02/2017/CRT-PE-DST/AIDS/SES-SP. Disponível em: <http://www.saude.sp.gov.br/centro-de-referencia-e-treinamento-dstaids-sp/homepage/destaques/coordenacao-estadual-dstaids-sp-lanca-nota-tecnica-indetectavel-intransmissivel.>. Acesso em: 10 dez. 2017.

SEFFNER, F.; PARKER, R. (2016). A neoliberação da prevenção do hiv e a resposta brasileira à aids. Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids, Mito vs Realidade: Sobre a resposta brasileira à epidemia de HIV e AIDS em 2016, pp. 22-32.

SONTAG, S. (2007). A doença como metáfora. Aids e suas metáforas. Trad. Rubens Figueiredo e Paulo Henrique Britto. São Paulo: Companhia das Letras.

TAYLOR, C. (1984). Foucault on freedom and truth. Political Theory, v. 12, nº 2. pp. 152-183.

VERNAZZA, P. et al. (2008). Les personnes séropositives ne souffrant d’aucune autre MST et suivant un traitment antirétroviral efficace ne transmettent pas le VIH par voie sexuelle. Bulletin des Médecins Suisses, v.89, nº 5, pp.165-169.

THOMAZ, D. A outra pílula azul. Época, 2 abr. 2018.

ŽIŽEK, S. (2010). Contra os direitos humanos. Mediações, Londrina, v. 15, nº1, pp. 11-29. jan./jun. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/6541/5947>. Acesso em: 20 jul. 2017.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

BUTTURI JUNIOR, A.; LARA, C. de A. Biopolítica, direitos humanos e resistências: uma análise comparativa das políticas públicas de Saúde para a população LGBT em Florianópolis-SC. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 645–674, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651640. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossier Research practices in literacies across languages and social domains