Banner Portal
Seleção e ingresso de estudantes refugiados no ensino superior brasileiro: a inserção linguística como condição de hospitalidade
PDF

Palavras-chave

Refugiados. Universidade. Hospitalidade.

Como Citar

DA ROSA, Marluza. Seleção e ingresso de estudantes refugiados no ensino superior brasileiro: a inserção linguística como condição de hospitalidade. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 3, p. 1534–1551, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651687. Acesso em: 19 jun. 2024.

Resumo

Este estudo problematiza as relações de saber-poder em que se inscrevem as políticas de hospitalidade direcionadas ao acesso de estudantes refugiados às universidades públicas brasileiras nos últimos anos. A análise dedica-se à abordagem da materialidade linguística de documentos institucionais que regulamentam esse ingresso, buscando compreender, pelo diálogo entre os estudos da psicanálise, da desconstrução e do discurso, os efeitos de sentido decorrentes do discurso institucional. Os recortes discutidos apontam para o caráter normativo e prescritivo desse discurso e permitem a reflexão sobre o papel exercido pela língua portuguesa como principal condicionante que, ao mesmo tempo, possibilita e impossibilita o acesso de pessoas em situação de refúgio à universidade brasileira.
PDF

Referências

BRASIL. (1997). Lei n. 9474, de 22 de jul. de 1997. Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951 e determina outras providências. Brasília, DF, jul. 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9474.htm. Acesso em: 29 jul. 2016.

CORACINI, M. J. (2010). Transdisciplinaridade e análise de discurso: migrantes em situação de rua. Cadernos de Linguagem e Sociedade, 11 (1), pp. 91-112, 2010. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/les/article/view/1181/844. Acesso em: 07 jun. 2015.

DA ROSA, M. (2018). O funcionamento argumentativo em torno da designação “refugiados” no discurso universitário brasileiro. EID&A - Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação. n. 15, jan-jun 2018, pp. 162-174. Disponível em: http://periodicos.uesc.br/index.php/eidea/article/view/1961/1536. Acesso em: 18 set. 2018.

DELEUZE, G. (1990). Conversações. Trad. Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1992.

DERRIDA, J.; DUFOURMANTELLE, A. (1997). Anne Dufourmantelle convida Jacques Derrida a falar Da Hospitalidade. Trad. Antonio Romane. São Paulo: Escuta, 2003.

DERRIDA, J. (2001). A universidade sem condição. Trad. Evando Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 2003.

DERRIDA, J. (2000). Hostipitality. Angelaki: Journal of the theoretical humanities. v. 5, n. 3, dez. 2000, pp. 3-18.

FÉDIDA, P. (1995). O sítio do estrangeiro. Trad. Eliana Leite, Martha Gambini e Monica Seincman. São Paulo: Escuta, 1996.

FOUCAULT, M. (1979). Microfísica do Poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2010.

FREUD, S. (1913). Totem e tabu. In: FREUD, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas. Trad. J. Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1980, pp. 20-191.

FREUD, S. (1924). A dissolução do complexo de Édipo. In: FREUD, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas. Trad. J. Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1980, pp. 215-226.

GLISSANT, E. (1995). Introdução a uma poética da diversidade. Trad. Enilce Albergaria Rocha. Juiz de Fora: EdUFJF, 2005.

KRIEG-PLANQUE, A.; OGER, C. (2010). Discours institutionnels. Perspectives pour les sciences de la communication. Mots. Les langages du politique n. 94, nov. 2010, pp. 91-96.

KRISTEVA, J. (1988). Estrangeiros para nós mesmos. Trad. Maria Carlota Gomes. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

NATAHI, O. (2007). Dinâmica do aberto e problemática do estrangeiro. Ágora. Rio de Janeiro. v. X n. 2 jul-dez 2007, pp. 159-170. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-14982007000200001. Acesso em: 30 ago. 2017.

OGER, C.; OLLIVIER-YANIV, C. (2003) Analyse du discours institutionnel et sociologie compréhensive : vers une anthropologie des discours institutionnels. Mots: les langages du politique. Mondialisation(S), n° 71, mar 2003, pp. 125-145.

ROBIN, R. (2003). Le deuil de l’origine. Paris: Éditions Kimé, 2003.

SARGENTINI, V. M. (2017). Mutações do discurso político: segmentação, docilização e estetização. In: SARGENTINI, V. M. (Org.). Mutações do discurso político no Brasil: espetáculo, poder e tecnologias de comunicação. Campinas: Mercado de Letras, 2017, pp. 85-106.

SILVA, M. B.; CREMASCO, M. V. (2015). Migração e refúgio, contribuições da Psicologia. Secretaria da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos; Departamento de Direitos Humanos e Cidadania. (texto não paginado). Disponível em: http://www.dedihc.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=130. Acesso em 31 ago. 2017.

UNESCO. (2009). Relatório Mundial da UNESCO: Investir na

diversidade cultural e no diálogo intercultural. 2009. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001847/184755por.pdf. Acesso em: 01 mai. 2015.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.