Direitos humanos para quem? Políticas públicas e representação da gestão espacial da pobreza urbana em o globo

Autores

  • Viviane de Melo Resende Universidade de Brasília

Palavras-chave:

análise de discurso crítica. Situação de rua. Políticas públicas.

Resumo

O objetivo geral do projeto “Representação midiática da violação de direitos e da violência contra pessoas em situação de rua no jornalismo on-line” (CNPq 304075/2014-0) é mapear e analisar representações da situação de rua na produção discursiva dos portais de notícias online de três jornais de circulação nacional – Folha de S. Paulo, O Globo e Correio Braziliense. Para tanto, foi realizado um mapeamento abrangente dessas publicações, com coleta de todos os textos publicados no período considerado para a pesquisa – de 2011 a 2013 – que resultaram das buscas por palavras-chave, levando a cerca de 750 textos. Este artigo toma um foco parcial dos dados do projeto, situando formas como o jornal O Globo representa a população em situação de rua em notícias que tematizam políticas públicas. Os textos foram analisados em seus aspectos verbais e visuais, com ferramentas da análise de discurso crítica e da gramática do design visual. Os resultados analíticos apontam a ênfase das notícias na ocupação do espaço público, tanto nas imagens como nos textos verbais. A naturalização da distribuição desigual de recursos, da separação entre classes e da escassez ao lado do privilégio dá o tom das notícias, pelas relações locativas que se desenham. Há espaços de privilégio que são impenetráveis para segmentos populacionais que não disponham dos recursos condizentes. A desigualdade é normalizada, inclusive pelo recurso da ironia, no caso dos textos verbais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Viviane de Melo Resende, Universidade de Brasília

Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas

Referências

ÁVILLA, H.; MOLINA, L. (2017). A situação de rua como problemática social estrutural nas cidades. In: Resende, V. M.; Silva, R. B. (orgs.), Diálogos sobre resistência: organização coletiva e a produção do conhecimento engajado. Campinas: Pontes. pp. 59-86.

BALLESTRIN, L. (2013). América Latina e o giro decolonial. Rev. Bras. Ciênc. Polít. [online].11, pp. 89-117.

BENEDITO, D. (2017). Palestra no Seminário Direito em Debate. Auditório da Fiocruz, em 13 de março de 2017. Brasília: Universidade de Brasília.

BERNARDINO-COSTA, J.; GROSFOGUEL, R. (2016). Decolonialidade e perspectiva negra. Soc. estado.[online]. vol.31, n.1, pp.15-24.

BIASI-RODRIGUES, B; NOBRE, K.C. (2010). Sobre a função das representações conceituais simbólicas na gramática do design visual: encaixamento ou subjacência. Linguagem em (Dis)curso. 10(1), pp. 91-109.

BUTLER, J. (2015). Quadros de guerra – quando a vida é passível de luto? Trad. S. Lamarão, A. M. Cunha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CHOULIARAKI, L.; FAIRCLOUGH, N. (1999). Discourse in late modernity. Edinburgh: University Press.

FAIRCLOUGH, N. (2003). Analysing discourse: textual analysis for social research. London: Routledge.

FANON, F. (2015). Pele negra márcaras brancas. Tradução Renato da Silveira. Salvador: UFBA.

FOUCAULT, M. (1984). What is Enlightenment? In: P. Rabinow (org.). The Foucault Reader. New York: Pantheon Books, pp. 32-50.

FREITAS, U. F. C; FEITOSA, M. (2017). Políticas públicas e luta pela garantia de direitos da população em situação de rua no Distrito Federal. In: Resende, V. M.; Silva, R. B. (orgs.), Diálogos sobre resistência: organização coletiva e a produção do conhecimento engajado. Campinas: Pontes. pp. 119-152.

GROSFOGUEL, R. (2016). A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Soc. estado. [online]. vol.31, n.1, pp.25-4.

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. (1996). Reading images: the grammar of visual design. London; New York: Routledge.

MALDONADO-TORRES, N. (2007). On the coloniality of being: contributions to the development of a concept. Cultural Studies. 21, pp. 240-70.

MARCHESE, M. C. (2014). Estado de excepción y políticas de emergencia: su impacto sobre la construcción simbólica del espacio habitacional. Cadernos de Linguagem e Sociedade. 15(1), pp. 117-40.

MBEMBE, A. (2016). Necropolítica. Arte & Ensaios. v. 32, pp. 123-51.

PARDO, M. L. (2011). Teoria y metodologia de la investigación lingüística: método sincrónico-diacrónico de análisis lingüísitco de textos. Buenos Aires: Tersites.

RESENDE, V. M. (2015). A violação de direitos da população em situação de rua e a violência simbólica: representação discursiva no jornalismo on-line. Revista Latinoamericana de Estudios del Discurso. v. 15, pp. 71-92.

RESENDE, V. M. (2016). Representação de pessoas em situação de rua no jornalismo on-line: quais são as vozes convocadas para falar sobre a situação de rua? Revista de Estudos da Linguagem. 26(3), pp. 955-988.

RESENDE, V. M. (2017a). Reflexões teóricas e epistemológicas quase excessivas de uma analista obstinada. In: Resende, V. M.; Regis, J. F. S. (orgs.), Outras perspectivas em análise de discurso crítica. Campinas: Pontes. pp. 11-52.

RESENDE, V. M. (2017b). Decolonizar os estudos críticos do discurso: por perspectivas latino-americanas. Conferência proferida no XII Congresso Internacional da Associação Latino-Americana de Estudos do Discurso – ALED. Aula Magna, Centro de Extensão, em 18 de outubro de 2017. Santiago: Universidad Católica de Chile.

RESENDE, V. M. (2017c). Gestão policial da pobreza: vulnerabilidade de pessoas em situação de rua aos rigores da ordem pública. Trabalho apresentado na Conferencia Internacional Marginalidad Urbana y Efectos Institucionales. Auditorio FADEU, em 10 de outubro de 2017. Santiago: Universidad Católica de Chile.

SANTOS, G. (2017). A voz da situação de rua na agenda de mudança social no Brasil: um estudo discursivo crítico sobre o Movimento Nacional da População de Rua (MNPR). Tese (Doutorado em Linguística). Brasília: Universidade de Brasília.

SOUZA, L. et al. (2017). A criminalização de Rafael Braga Vieira: notas sobre a seletividade racializada e a cidade revanchista In: Resende, V. M.; Silva, R. B. (orgs.), Diálogos sobre resistência: organização coletiva e a produção do conhecimento engajado. Campinas: Pontes. pp. 31-58.

VAN LEEUWEN, T. (2005). Introducing social semiotics. London: Routledge.

VIEIRA, V. C.; RESENDE, V. M. (2016). Análise de discurso (para a) crítica: o texto como material de pesquisa. 2 ed. Campinas: Pontes.

ZAFFARONI, E. R. (2017). Derecho penal humano y poder en el siglo XXI. Vídeo Aula do Curso Internacional Estudios Críticos de Derecho y Sociedad. Buenos Aires: CLACSO.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

RESENDE, V. de M. Direitos humanos para quem? Políticas públicas e representação da gestão espacial da pobreza urbana em o globo. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 616–644, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651864. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossier Research practices in literacies across languages and social domains

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)