Banner Portal
O mal-estar na comunicação: a violação da opinião pública pelo sistema midiático
PDF

Palavras-chave

Mídium. Mundo da Vida. Opinião Pública

Como Citar

SALGADO, Luciana Salazar; OLIVA, Jaime Tadeu. O mal-estar na comunicação: a violação da opinião pública pelo sistema midiático. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 894–921, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651931. Acesso em: 25 maio. 2024.

Resumo

Este artigo, de orientação fundamentalmente teórica, documenta discussões interdisciplinares sobre mídia que põem a comunicação no centro do debate sobre as democracias contemporâneas. Partindo de um quadro de estudos que define o discurso como encontro da língua com as instituições, aqui especificado pela perspectiva mediológica, convocamos as noções de sistema e de mundo da vida para expor a tensão condicionante das funções atribuídas e das funções assumidas pelo que costuma ser referido por “mídia” no atual período, em especial na sua relação com a política. Isso implica noções fundamentais para as ciências humanas e sociais como intersubjetividade, vontade política e opinião pública. Propomos, portanto, uma reflexão sobre os imaginários relativos à mídia, sobre as práticas que lhes dão sustentação e, finalmente, sobre o deslizamento que se estabelece nas atuais condições de produção das “trocas” comunicacionais, as quais supostamente estão na base dos direitos humanos, supostamente garantidores das democracias, definidores de seus cidadãos. Aspectos da atual conjuntura brasileira são postos em foco.
PDF

Referências

BERTRAND, C-J. (1997) A deontologia das mídias, trad. Maria Leonor Loureiro. Bauru: EDUSC, 1999.

DEBRAY, R. (1996) Transmitir, trad. Guilherme Freitas Teixeira. Petrópolis: Vozes, 2000a.

DEBRAY, R. (1999) Introduction à la médiologie. Paris: PUF, 2000b.

FERRY, J-M. (1991) Les puissances de l’experience. 2. Les ordres de la reconnaissance. Paris: Les Éditions du Cerf.

FERRY, J-M. (1998) Culture et médias dans l’espace européen. Pour une Charte européenne de l’Audiovisuel. In Dumont; Strowel. (dir.). Politique culturelle et droit de la radio-télévision. Bruxelles: Facultés Universitaires Saint-Louis, p. 43-64.

FERRY, J-M. (2005) Histoire de la Pensee Politique. Syllabus 2004-2005, s/p. Disponível em: http://users.skynet.be/jean.marc.ferry/cours.html Acesso em: 12 mar. 2018.

GENRO, T. A sentença de Moro: “xeque mate” e cheque sem fundos. In: Proner; Cittadino; Ricobom; Dornelles (orgs.). Comentários de uma sentença anunciada. Bauru: Canal 6, 2017, p. 449.

HABERMAS, J. (1981) Teoria do Agir Comunicativo. Vol. 2 Sobre a crítica da razão funcionalista, trad. Flávio Beno Siebeneichler. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

GELLNER, E. (1983) Naciones y nacionalismo. Madrid: Alianza Editorial, 2001.

HAN, B-C. (2014) Psicopolitica: Neoliberalismo Y Nuevas Técnicas de Poder, trad. Alfredo Bérges. Barcelona: Herder.

JENKINS, H.; GREEN, J.; FORD, S. (2013) Cultura da Conexão – valor e significado por meio da mídia propagável, trad. Patricia Arnaud. São Paulo: Aleph, 2014.

RINGOOT, R. (2014) Analyser les discours de presse. Paris: Armand Colin.

SANTOS, M. (2000) Por uma outra globalização. Do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2004.

SOUZA, J. (2016) A Radiografia do Golpe. Entenda como e por que você foi enganado. Rio de Janeiro: Leya, Casa da Palavra.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.