Letramentos de sobrevivência em redes digitais: caminhos possíveis na luta por direitos humanos

Autores

Palavras-chave:

Letramentos. Sobrevivência. Redes digitais. Direitos humanos.

Resumo

O presente trabalho propõe um percurso analítico sobre como letramentos de sobrevivência questionam, desestabilizam e, em algumas situações, rompem a hegemonia instaurada a partir de escritas produzidas por setores poderosos da sociedade brasileira, como é o caso das grandes corporações de mídias e de seus enunciados que visam a criminalizar os moradores de favela da cidade carioca. Nesse sentido, conduzo a discussão até apresentar o conceito de letramentos de sobrevivência para, com base nele, refletir sobre a maneira como Mariluce Mariá e Cléber Santos, moradores do Complexo do Alemão/RJ envolvidos em ações de participação cidadã pertinentes ao território em que vivem, usam suas redes digitais para postarem enunciados capazes de ampliar seu poder de ação na luta por direitos humanos. Faço isso, sobretudo, com base em dois eventos específicos: na entrevista concedida pelo casal no curso “Sobreviver, sobrevivências”, oferecido no curso de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional em 2015, e no tuitaço #SOSComplexodoAlemão, de cuja organização Mariluce e Cléber participaram. Por meio deles, pretendo denotar como os moradores de favela conseguem usar suas redes digitais para produzir textos que se contrapõem às narrativas hegemônicas que entendem a favela como um entrave à dinâmica urbana. Minhas interpretações são pautadas no trabalho de campo que realizo no mencionado conjunto de favelas desde 2013, classificado em trabalhos anteriores como uma etnografia de fronteira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Junot de Oliveira Maia, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas, Brasil (2017).
Professor EBTT do Instituto Federal de São Paulo, Brasil.

Referências

ANISTIA INTERNACIONAL. (2015) Você matou meu filho – Homicídios cometidos pela Polícia Militar na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Anistia Internacional.

AUSTIN, J. L. (1962) How to do things with words. 2nd. Edition. Oxford: The Clarendon Press, 1975.

BAUMAN, R.; BRIGGS, C. (1990) Poetics and performance as critical perspectives on language and social life. In: Annual Review of Anthropology, v. 19. Palo Alto: Annual Reviews, pp. 59-88.

BENJAMIN, W. (1985) Sobre o conceito de história. In: _______. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. 8a ed. revista, Obras Escolhidas v.1. São Paulo: Brasiliense, 2012, pp. 241-252.

BHABHA, H. K. (1994) O local da cultura. Tradução de Miriam Ávila et. al. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2013.

BLOMMAERT, J. (2010) The sociolinguistics of globalization. Cambridge: Cambridge University Press.

BRUNS, A.; BURGESS, J. (2011) The use of twitter hashtags in the formation of Ad Hoc publics. Paper presented at the European Consortium for Political Research conference. Reykjavik: ECPR, pp. 1-9.

COELHO, H. (2016) Processo contra PMs acusados de matar menino Eduardo, no Alemão, é arquivado. In: G1. Disponível em: https://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/processo-contra-pms-acusados-de-matar-menino-eduardo-no-alemao-e-arquivado.ghtml. Último acesso em 24 de junho de 2018.

CRISAFULLI, L. (2016) Derecho penal, criminología y los muertos. Una introducción a Zaffaroni. In: CRISAFULLI, L. (Ed.) Derechos humanos y poder: conversaciones con Zaffaroni. Córdoba: Universidad Nacional de Córdoba, pp. 27-70.

DAS, V.; POOLE, D. (2004) Anthropology in the margins of the State. In: PoLAR: Political and Legal Anthropology Review, V. 30, N. 1. Arlington: Association for Political and Legal Anthropology, pp. 140-144.

D’ELIA FILHO, O. Z. (2007) Acionistas do nada: quem são os traficantes de drogas. 3a Ed., 2a Reimpressão. Rio de Janeiro: Revan, 2015.

DERRIDA, J. (1977) Signature event context. Tradução: Samuel Weber e Jeffrey Mehlam. In: Glyph, Vol.1., pp. 172-197.

DERRIDA, J. (1979) Living on. In: BLOOM, H. et al. Deconstruction and Criticism. New York: Seabury Press, pp. 75-176.

DOCA; ANDINHO; CIDINHO. (2001) Meus direitos. Guarulhos: EMI Music Ltda, 1 disco sonoro.

FACINA, A. (2014) Sobreviver e sonhar: reflexões sobre cultura e “pacificação” no Complexo do Alemão. In: PEDRINHA, R. D.; FERNANDES, M. A. (Orgs.). Escritos transdisciplinares de criminologia, direito e processo penal: homenagem aos mestres Vera Malaguti e Nilo Batista. Rio de Janeiro: Revan, pp. 39-48.

FOLHA DE S. PAULO. (2013) Polícia investiga desaparecimento de pedreiro na Rocinha, no Rio. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/07/1313319-policia-investiga-desaparecimento-de-pedreiro-na-rocinha-no-rio.shtml. Último acesso em 12 de Março de 2018.

GARCÍA CANCLINI, N. (1997) Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade, 4a Ed, 5a Reimpr. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

LOPES, A. C.; SILVA, D. N.; FACINA, A. (2014) Letramentos de ruptura: as escritas do funk carioca. In: Anais do V Colóquio Letramento e Cultura Escrita, V. 1. Belo Horizonte: CEALE/UFMG, pp. 1-9.

LOPES, A. C.; SILVA, D. N.; FACINA, A.; CALAZANS, R.; TAVARES, J. (2017) Desregulamentando dicotomias: transletramentos, sobrevivências, nascimentos. In: Trabalhos em Linguística Aplicada, V. 56, n. 3. Campinas: IEL/UNICAMP, pp. 753-780.

LOPES, A. C.; SILVA, D. N.; FACINA, A.; CALAZANS, R.; TAVARES, J. (2018) Letramentos de sobrevivência: costurando vozes e histórias. In: Revista da ABPN, V. 10. Goiânia: Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN), pp. 678-703.

MAIA, J. O. (2013) Apropriação dos letramentos digitais para participação social mais ampla: um estudo de caso. Dissertação de mestrado. Campinas: IEL/UNICAMP.

MAIA, J. O. (2017) Fogos digitais: letramentos de sobrevivência no Complexo do Alemão. Tese de doutorado. Campinas: IEL/UNICAMP.

MAIA, J. O.; BRAGA, D. B. (2017) Popularidade e visibilidade em redes sociais online: negociação de capitais sociais em meio digital para ampliação de audiência. In: Signótica, V. 29, n. 2. Goiânia: UFG, pp. 354-376.

MALAGUTI BATISTA, V. (2011) Introdução à criminologia crítica brasileira. Rio de Janeiro: Revan.

OLIVEIRA, B. C. S. (2018) “Não tem essa de separação, aqui é tudo Complexo do Alemão!”: uma etnografia dos espaços urbanos em um conjunto residencial no Rio de Janeiro. Tese de doutorado inédita em Sociologia. Rio de Janeiro: Instituto de Estudos Sociais e Políticos/UERJ.

OLSON, D. R. (1994) O mundo no papel: as implicações conceituais e cognitivas da leitura e da escrita. Tradução de Sérgio Bath. São Paulo: Ática, 1997.

PASSOS, P. S.; FACINA, A. (2014) Cultura popular e direitos humanos. Rio de Janeiro: DDH.

PEREIRA DE SÁ, S. (2014) Apropriações low-tech no funk carioca: a Batalha do Passinho e a rede de música popular de periferia. In: Revista Fronteiras – Estudos midiáticos, V. 16, N. 1. São Leopoldo: Unisinos, pp. 28-37.

SANTAELLA, L. (2008) A ecologia pluralista nas mídias locativas. In: Revista FAMECOS –Mídia, cultura e tecnologia, V. 3, n. 37. Porto Alegre: EdiPUCRS, pp. 20-24.

SECCO, L. (2013) As jornadas de junho. In: MARICATO, E. et al. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo; Carta Maior, pp. 71-78.

SHIRKY, C. (2008) Lá vem todo mundo: o poder das organizações sem organizações. Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

SILVA, D. N. (2012) Pragmática da violência: o Nordeste na mídia brasileira. Rio de Janeiro: 7 Letras, FAPERJ.

SUSSMAN, N. (2015) In Rio, pacification without peace (8m33s). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=oVgy0apgIVI. Último acesso em 24 de junho de 2018.

UNESCO. (2002) Declaração Universal sobre a Diversidade Cultural. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001271/127160por.pdf. Último acesso em 08 de Abril de 2017.

ZAFFARONI, E. R. (2002) Derecho penal - Parte general. Buenos Aires: Ediar.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

MAIA, J. de O. Letramentos de sobrevivência em redes digitais: caminhos possíveis na luta por direitos humanos. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 954–974, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651932. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossier Research practices in literacies across languages and social domains

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)