A formação do professor de línguas em uma perspectiva de educação intercultural cidadã

Autores

  • Joel Windle Faculty of Education at Monash

Palavras-chave:

Cidadania intercultural. Multilinguismo. Direitos humanos. Formação docente.

Resumo

Embora a formação de cidadãos esteja no centro das políticas públicas para o ensino básico, nem sempre o futuro professor de línguas estrangeiras é preparado para alcançar tal objetivo.  O projeto analisado aqui buscou a desenvolver a capacidade dos licenciados de incluir dimensões de cidadania intercultural na sua prática docente. O trabalho envolveu reflexões sobre narrativas e diálogos interculturais, e propostas para a sua incorporação na sala de aula. O artigo contribui para repensar a relação entre direitos humanos e noções de cidadania, chamando atenção para a importância, na sua definição, de mobilizações coletivas e da construção de comunidades por meio de comunicações focadas em finalidades sociais e políticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joel Windle, Faculty of Education at Monash

Pesquisador Sênior Adjunto na Faculdade de Educação do Monash e Professor Assistente na Universidade Federal Fluminense no Brasil.

Referências

ALPTEKIN, C. (2002). Towards intercultural communicative competence in ELT. ELT journal, v. 56, n. 1, p. 57-64.

BIGELOW, M. (2011). (Con) Texts for cultural and linguistic hybridity among Somali diaspora youth. The New Educator, v. 7, n. 1, p. 27-43.

BLOMMAERT, J.; RAMPTON, B. (2011). Language and superdiversity. Diversities, v. 13, n. 2, p. 1-21. Disponível em: < http://www.mmg.mpg.de/fileadmin/user_upload/Subsites/Diversities/Journals_2011/2011_13-02_art1.pdf >.

BORDINI, M.; GIMENEZ, T. (2014). Estudos sobre inglês como língua franca no Brasil (2005-2012): uma metassíntese qualitativa. Signum: Estudos da Linguagem, v. 17, n. 1, p. 10-43.

BYRAM, M. (2008). From foreign language education to education for intercultural citizenship: Essays and reflections. Multilingual Matters.

CANAGARAJAH, S. (2007). Lingua franca English, multilingual communities, and language acquisition. The Modern Language Journal, v. 91, n. s1, p. 923-939.

CRUFT, R. (2005). Human rights, individualism and cultural diversity. Critical Review of International Social and Political Philosophy, v. 8, n. 3, p. 265-287.

GEE, J. (2014) Social linguistics and literacies: Ideology in discourses. Routledge.

GORSKI, P. C. (2008). Good intentions are not enough: A decolonizing intercultural education. Intercultural education, v. 19, n. 6, p. 515-525.

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. (2016). Lei nº 7477 de 31 de outubro de 2016. Rioi de Janeiro: ALERJ.

GUILHERME, M. (2002). Critical citizens for an intercultural world. Foreign language education as cultural politics. Clevedon: Multilingual Matters.

GUTIÉRREZ, K. D.; BAQUEDANO-LÓPEZ, P.; TEJEDA, C. (1999). Rethinking diversity: Hybridity and hybrid language practices in the third space. Mind, culture, and activity, v. 6, n. 4, p. 286-303.

HYMES, D. (1972). On communicative competence. Sociolinguistics, v. 2, p. 269-293.

IYER, R. et al. (2014). Critical applied linguistics. In: LEUNG, C. e STREET, B. (Ed.). The Routledge Companion to English Studies. New York: Routledge. p.317-332.

JORDÃO, C. M. (2011). A posição de professor de inglês no Brasil: hibridismo, identidade e agência. Letras & Letras, v. 26, n. 2.

JORDÃO, C. M.; MARTINEZ, J. Z.; HALU, R. C. (2014). (Des)conforto nas práticas de professoras de Inglês. In: ZACCHI, V. J. e STELLA, P. R. (Ed.). Novos Letramentos: Formação de professores e ensino de língua inglesa. Maceio: Edufal. p.21-48.

JØRGENSEN, J. N. (2008). Polylingual languaging around and among children and adolescents. International Journal of Multilingualism, v. 5, n. 3, p. 161-176.

KERR, D.; KEATING, A. (2011). Intercultural, citizenship and human rights education: The challenges of implementation for policy, practice and research: Taylor & Francis.

MATVEEV, A. V.; MERZ, M. Y. (2014). Intercultural Competence Assessment: What Are Its Key Dimensions Across Assessment Tools?. Toward Sustainable Development Through Nurturing Diversity: Selected Papers from the Twenty-First Congress of the International Associate for Cross-Cultural Psychology. p.141-153.

MEC. (2007). Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos; Ministério da Educação.

MELO, G. C. V.; MOITA LOPES, L. P. (2013). As performances discursivo-identitárias de mulheres negras em uma comunidade para negros na Orkut. DELTA: Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, v. 29, n. 2, p. 237-265.

MEYER, J. W.; BROMLEY, P.; RAMIREZ, F. O. (2010) Human rights in social science textbooks: Cross-national analyses, 1970–2008. Sociology of Education, v. 83, n. 2, p. 111-134.

MIGNOLO, W. (2009). The Idea of Latin America. Malden: John Wiley & Sons.

MIGNOLO, W. (2012). Local histories/global designs: Coloniality, subaltern knowledges, and border thinking. Princeton: Princeton University Press.

MOITA LOPES, L. P. (2010). Os Novos Letramentos Digitais Como Lugares de Construção de Ativismo Político Sobre Sexualidade e Gênero. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 49, n. 2, p. 393-417.

MOITA LOPES, L. P. D. (1996). “Yes, nós temos bananas” ou “Paraíba não é Chicago, não”: Um estudo sobre a alienação e o ensino de inglês como língua estrangeira no Brasil. In: MOITA LOPES, L. P. D. (Ed.). Oficina de lingüística aplicada. Rio de Janeiro: Mercado de Letras. p.37-62.

OTSUJI, E.; PENNYCOOK, A. (2010). Metrolingualism: Fixity, fluidity and language in flux. International Journal of Multilingualism, v. 7, n. 3, p. 240-254.

PENNYCOOK, A. (2001) Critical applied linguistics: A critical introduction. New York: Routledge, 2001.

PENNYCOOK, A. (2007). Language, localization, and the real: Hip-hop and the global spread of authenticity. Journal of Language, Identity, and Education, v. 6, n. 2, p. 101-115, 2007.

PENNYCOOK, A. (2010) Critical and alternative directions in applied linguistics. Australian Review of Applied Linguistics, v. 33, n. 2, p. 1-16.

RAJAGOPALAN, K. (2005). A geopolítica da língua inglesa e seus reflexos no Brasil. São Paulo: Parábola Editorial. 135-159.

RAJAGOPALAN, K. (2011). O “World English”-um fenômeno muito mal compreendido. In: GIMENEZ, G.;CALVO, L. C. S., et al (Ed.). Inglês Como Lıngua Franca: Ensino-Aprendizagem e Formaçao de Professores. Campinas: Pontes. p.45-57.

RAJAGOPALAN, K. (2012). For the umpteenth time, the “native speaker”: or, why the term signifies less and less in the case of English as it spreads more and more throughout the world. In: LIMA, D. (Ed.). Language and its Cultural Substrate: perspectives for a globalized world. Vitória da Conquista: Uesb. p.37-58.

RAMIREZ, F. O.; SUÁREZ, D.; MEYER, J. (2007). W. The worldwide rise of human rights education. In: (Ed.). School knowledge in comparative and historical perspective: Springer. p.35-52.

RICHARDS, J. C.; LOCKHART, C. (1994). Reflective teaching in second language classrooms. Cambridge University Press.

RUBDY, R.; ALSAGOFF, L. (2013) The global-local interface and hybridity: Exploring language and identity. Bristol (UK): Multilingual Matters.

RUSSELL, S. G.; SUÁREZ, D. F. (2017). Symbol and substance: Human rights education as an emergent global institution. Human Rights Education: Theory, Research, Praxis, p. 19.

SUÁREZ, D. (2006). Education professionals and the construction of human rights education. Comparative Education Review, v. 51, n. 1, p. 48-70.

VAVRUS, F.; BARTLETT, L. (2006). Comparatively Knowing: Making a Case for the Vertical Case Study. Current Issues in Comparative Education, v. 8, n. 2, p. 95-103.

WINDLE, J. A. (2015) “white people are crazy. y’all hear me?”: Interseccionalidade na construção de identidades coletivas online. IV Pensando Áfricas e Suas Diásporas. Mariana (MG): UFOP.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

WINDLE, J. A formação do professor de línguas em uma perspectiva de educação intercultural cidadã. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 975–992, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651938. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossier Research practices in literacies across languages and social domains

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)