Do visível ao nomeado: enquadramentos do humano

Autores

  • Lauro José Siqueira Baldini Universidade Estadual de Campinas
  • Tyara Veriato Chaves Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Política. Língua. Discurso. Ideologia.

Resumo

Poderíamos pensar em outra política que não fosse meramente a gestão das fobias? Como a dimensão de uma certa fobia perpassa os processos de reconhecimento nas lutas políticas de esquerda atualmente? Como essa fobia se embrinca com o estatuto desigual da condição de humano, que determina afetos, existências e violências? De que modo enquadramentos, interpretações e enunciações sobre a vida determinam e são determinados pelas relações de contradição, subordinação e desigualdade em que os discursos se constituem, se formulam e circulam? Elaboramos essas questões a partir da inquietação diante de um conjunto de imagens e de um cruzamento de leituras que nos permite questionar não a polêmica em torno de posições cerradas que envolvem a sua interpretação, mas a partir de um quadro maior, que vai de encontro ao estatuto da vida, a política dos afetos e a existência de um estado-síndico que sustentam os discursos e legitimam posições.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lauro José Siqueira Baldini, Universidade Estadual de Campinas

Prof. Dr. do Departamento de Linguística do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp

Tyara Veriato Chaves, Universidade Estadual de Campinas

Mestrado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas, Brasil(2015)

Referências

ALLOUCH, J. (1995) Erótica do luto no tempo da morte seca. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2004.

BALDINI, L. J. S; DI NIZO, P. L. (2015) “O cinismo como prática ideológica”. In: Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 13, n. 2, p. 131, dez. 2015.

BARBOSA FILHO, F. R. (2016) Língua, arquivo, acontecimento: trabalho de rua e revolta negra na Salvador oitocentista. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

BARTHES, R. (1980) A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

BRETAS, M. L. (1997) Ordem na cidade: o exercício cotidiano da autoridade policial no Rio de Janeiro 1907-1930. Rio de Janeiro: Rocco.

BUTLER, J. (2009) Quadros de guerra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CESTARI, M. J. (2015) Vozes-mulheres negras ou feministas e antirracistas graças às Yabás. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

CHAVES, T. V. (2015) Da Marcha das Vadias às vadias da marcha: discursos sobre as mulheres e o espaço. 2015. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

DUNNKER, C. I. L. (2015) Mal-estar, sofrimento e sintoma. São Paulo: Boitempo.

ESTEVES, M. A. Meninas Perdidas: os populares e o cotidiano do amor no Rio de Janeiro da Belle Époque. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

GADET, F.; PÊCHEUX, M. (1981). A língua inatingível. Campinas: Pontes, 2004.

GARZONI, L. C. Vagabundas e conhecidas: novos olhares sobre a polícia republicana. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP.

LAGAZZI, S. (2009) “O recorte significante na memória”. In: O Discurso na Contemporaneidade: Materialidades e Fronteiras. INDURSKY, F.; FERREIRA, M. C. L. & MITTMANN, S. (orgs.). São Carlos, Claraluz, 2009.

ORLANDI, E. P. (2001) Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2001.

ORLANDI, E. P. (2007) “O sujeito discursivo contemporâneo: um exemplo”. In: INDURSKY, F., LEANDRO FERREIRA, M. C. Análise de discurso no Brasil: mapeando conceitos, confrontando limites. São Carlos: Claraluz.

ORLANDI, E. P. (2012) Discurso em Análise: Sujeito, Sentido e Ideologia. Campinas: Pontes Editores.

ORLANDI, E. P. “Segmentar ou recortar?”. In: Série Estudos 10. Curso de Letras do Centro de Ciências Humanas e Letras das Faculdades Integradas de Uberaba.

PÊCHEUX, M. (1971) “Língua, ‘linguagens’, discurso”. In: Análise do Discurso: Michel Pêcheux. Textos escolhidos por Eni Orlandi. Campinas: Pontes, 2011.

PÊCHEUX, M. (1975) Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

PÊCHEUX, M. (1981) “Abertura do colóquio”. In: CONEIN, B.; COURTINE, J.-J.; GADET, F.; MARANDIN, J.-M.; PÊCHEUX, M. (orgs) Materialidades discursivas. Campinas: Editora da UNICAMP, 2016.

PÊCHEUX, M. (1983). O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes Editores, 2008.

PÊCHEUX, M. (1984). “Papel da memória”. In: ACHARD, P. et al. (org.). Papel da memória. Campinas: Pontes, 2010.

SAFATLE, V. (2015) O circuito dos afetos. São Paulo: Cosac Naify.

ZOPPI-FONTANA, M. G. (2003) “Lugares de enunciação e discurso”. In: Leitura. Revista do Programa de pós-graduação em Letras e Linguística. Maceió: UFAL, no. 23, jan/jun 1999.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

BALDINI, L. J. S.; CHAVES, T. V. Do visível ao nomeado: enquadramentos do humano. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 799–820, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8652031. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossier Research practices in literacies across languages and social domains