Banner Portal
Do visível ao nomeado: enquadramentos do humano
PDF

Palavras-chave

Política. Língua. Discurso. Ideologia.

Como Citar

BALDINI, Lauro José Siqueira; CHAVES, Tyara Veriato. Do visível ao nomeado: enquadramentos do humano. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 799–820, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8652031. Acesso em: 20 maio. 2024.

Resumo

Poderíamos pensar em outra política que não fosse meramente a gestão das fobias? Como a dimensão de uma certa fobia perpassa os processos de reconhecimento nas lutas políticas de esquerda atualmente? Como essa fobia se embrinca com o estatuto desigual da condição de humano, que determina afetos, existências e violências? De que modo enquadramentos, interpretações e enunciações sobre a vida determinam e são determinados pelas relações de contradição, subordinação e desigualdade em que os discursos se constituem, se formulam e circulam? Elaboramos essas questões a partir da inquietação diante de um conjunto de imagens e de um cruzamento de leituras que nos permite questionar não a polêmica em torno de posições cerradas que envolvem a sua interpretação, mas a partir de um quadro maior, que vai de encontro ao estatuto da vida, a política dos afetos e a existência de um estado-síndico que sustentam os discursos e legitimam posições.

PDF

Referências

ALLOUCH, J. (1995) Erótica do luto no tempo da morte seca. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2004.

BALDINI, L. J. S; DI NIZO, P. L. (2015) “O cinismo como prática ideológica”. In: Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 13, n. 2, p. 131, dez. 2015.

BARBOSA FILHO, F. R. (2016) Língua, arquivo, acontecimento: trabalho de rua e revolta negra na Salvador oitocentista. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

BARTHES, R. (1980) A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

BRETAS, M. L. (1997) Ordem na cidade: o exercício cotidiano da autoridade policial no Rio de Janeiro 1907-1930. Rio de Janeiro: Rocco.

BUTLER, J. (2009) Quadros de guerra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CESTARI, M. J. (2015) Vozes-mulheres negras ou feministas e antirracistas graças às Yabás. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

CHAVES, T. V. (2015) Da Marcha das Vadias às vadias da marcha: discursos sobre as mulheres e o espaço. 2015. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

DUNNKER, C. I. L. (2015) Mal-estar, sofrimento e sintoma. São Paulo: Boitempo.

ESTEVES, M. A. Meninas Perdidas: os populares e o cotidiano do amor no Rio de Janeiro da Belle Époque. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

GADET, F.; PÊCHEUX, M. (1981). A língua inatingível. Campinas: Pontes, 2004.

GARZONI, L. C. Vagabundas e conhecidas: novos olhares sobre a polícia republicana. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP.

LAGAZZI, S. (2009) “O recorte significante na memória”. In: O Discurso na Contemporaneidade: Materialidades e Fronteiras. INDURSKY, F.; FERREIRA, M. C. L. & MITTMANN, S. (orgs.). São Carlos, Claraluz, 2009.

ORLANDI, E. P. (2001) Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2001.

ORLANDI, E. P. (2007) “O sujeito discursivo contemporâneo: um exemplo”. In: INDURSKY, F., LEANDRO FERREIRA, M. C. Análise de discurso no Brasil: mapeando conceitos, confrontando limites. São Carlos: Claraluz.

ORLANDI, E. P. (2012) Discurso em Análise: Sujeito, Sentido e Ideologia. Campinas: Pontes Editores.

ORLANDI, E. P. “Segmentar ou recortar?”. In: Série Estudos 10. Curso de Letras do Centro de Ciências Humanas e Letras das Faculdades Integradas de Uberaba.

PÊCHEUX, M. (1971) “Língua, ‘linguagens’, discurso”. In: Análise do Discurso: Michel Pêcheux. Textos escolhidos por Eni Orlandi. Campinas: Pontes, 2011.

PÊCHEUX, M. (1975) Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

PÊCHEUX, M. (1981) “Abertura do colóquio”. In: CONEIN, B.; COURTINE, J.-J.; GADET, F.; MARANDIN, J.-M.; PÊCHEUX, M. (orgs) Materialidades discursivas. Campinas: Editora da UNICAMP, 2016.

PÊCHEUX, M. (1983). O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes Editores, 2008.

PÊCHEUX, M. (1984). “Papel da memória”. In: ACHARD, P. et al. (org.). Papel da memória. Campinas: Pontes, 2010.

SAFATLE, V. (2015) O circuito dos afetos. São Paulo: Cosac Naify.

ZOPPI-FONTANA, M. G. (2003) “Lugares de enunciação e discurso”. In: Leitura. Revista do Programa de pós-graduação em Letras e Linguística. Maceió: UFAL, no. 23, jan/jun 1999.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.