Respondendo às balas: Segurança pública sob intervenção das palavras

Autores

  • Rosiane Rodrigues de Almeida Universidade Federal Fluminense
  • Jacqueline de Oliveira Muniz Universidade Federal Fluminense

Palavras-chave:

Segurança pública. Intervenção federal. Direitos e cidadania.

Resumo

A entrevista com a antropóloga Jacqueline Muniz tem o objetivo de explicitar os conflitos institucionais que envolvem o ‘Poder de Guerra’ frente ao ‘Poder de Polícia’ estabelecidos pela intervenção federal no estado do Rio de Janeiro, a ausência de protocolos de utilização do uso legal e legítimo da força e os efeitos que a administração pacífica ou violenta, institucional ou informal, dos conflitos têm para a sociedade. O texto é resultado de um processo de bricolagem que uniu transcrições de partes de entrevistas concedidas por Jacqueline Muniz a emissoras de TV e jornais impressos. As transcrições utilizadas têm o sentido de depreender a densidade (GEERTZ, 2008) dos temas relativos às demandas da população, como também a de intervir o mínimo possível entre a entrevistada e o público. Nestes termos, do ponto de vista metodológico, o pensamento antropológico guiou a escrita jornalística, no sentido de que a informação seja compreensível, a partir de dados que me afetam e mobilizam (CEFAÏ, 2011), como cidadã, mulher e companheira das lutas por uma sociedade mais justa, diversa e equânime.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosiane Rodrigues de Almeida, Universidade Federal Fluminense

Bolsista Capes, doutoranda do Programa de Pós-graduação em Antropologia da UFF, Pesquisadora do Instituto Comparado em Administração Institucional de Conflitos (INEAC/UFF)

Jacqueline de Oliveira Muniz, Universidade Federal Fluminense

Antropóloga e cientista política. Professora do Departamento de Segurança pública do INEAC/UFF

Referências

BOURDIEU, P. (2008). Economia das Trocas Lingüísticas. São Paulo: EDUSP.

CEFAÏ, Daniel. (2009). Como nos mobilizamos: A contribuição de uma abordagem pragmatista para a sociologia da ação coletiva. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, n. 4, v. 2. Rio de Janeiro: NECVU/IFCS-UFRJ, Abr-Jun., pp. 11-48.

GEERTZ, Clifford. (1992). Negara. O Estado Teatro do Século XIX. Lisboa: Difel, 1980.

GEERTZ, Clifford. (2008). A Interpretação das Culturas. São Paulo: Ed: LTC.

MUNIZ, Jacqueline de Oliveira. (1999). Ser policial é, sobretudo, uma razão de ser: Cultura e Cotidiano da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. Tese de doutorado apresentada ao Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IUPERJ.

MUNIZ, Jacqueline; CARUSO, Haydée; FREITAS, Felipe. (2017). Os estudos policiais nas ciências sociais: um balanço sobre a produção brasileira a partir dos anos 2000. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais – BIB, São Paulo: n. 84/2. Disponível em http://anpocs.com/index.php/universo/acervo/ biblioteca/ periodicos/bib/bib-84/11103-os-estudos-policiais-nas-ciencias-sociais-um-balanco-sobre-a-producao-brasileira-a-partir-dos-anos-2000/file

SILVA, Edilson Márcio A. (2010). Notícias da violência urbana: um estudo antropológico. Niterói, RJ: EDUFF.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

ALMEIDA, R. R. de; MUNIZ, J. de O. Respondendo às balas: Segurança pública sob intervenção das palavras. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 993–1014, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8652393. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossier Research practices in literacies across languages and social domains