Direitos humanos: perspectivas, mediações, práticas comunicativas – uma apresentação

Autores

  • Daniel do Nascimento e Silva Universidade Federal de Santa Catarina
  • Daniela Palma Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

direitos humanos. educação. escrita.

Resumo

A chamada de artigos para este dossiê “Direitos humanos: perspectivas, mediações, práticas comunicativas” encerrou-se no dia 12 de março de 2018. Dois dias depois, Marielle Franco foi assassinada no Rio de Janeiro. Enquanto os pareceristas liam os manuscritos submetidos, apareciam denúncias de ataques químicos à população síria. Simultaneamente ao nosso trabalho de fechamento deste volume, os jornais estampavam fotos de crianças encarceradas em centros de detenção no Texas, depois da separação forçada de famílias imigrantes pela política de “tolerância zero” do governo Trump.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel do Nascimento e Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor Adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis (SC), Brasil.

Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

Daniela Palma, Universidade Estadual de Campinas

Profa. Dra. do Depto de Linguística Aplicada do Instituto de Estudos da Linguagem

Referências

ARENDT, H. (1951). The Origins of Totalitarianism. New York: HBJ.

ARENDT, H. (1954). Concern with Politics in Recent European Thought. In: Essays in Understanding, 1930-1954, Ed. by Jerome Kohn. New York: Schoken Books, p. 429-447.

ASAD, T. (2003). Formations of the secular: Christianity, Islam, Modernity. Stanford: Stanford University Press.

ABREU, R. N. (2015). Exercício da cidadania e direitos humanos: as funções da competência V na redação do ENEM. In. SILVA, L. R. da; FREITAS, R. M. K. (Org.). Linguagem, interação e sociedade: diálogos sobre o ENEM. João Pessoa: Editora do CCTA, pp. 97-108.

BIRMINGHAM, P. (2006). Hannah Arendt & Human Rights: The Predicament of Responsibility. Bloomington & Indianapolis: Indiana University Press.

BUTLER, J. (2015). Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto?. Tradução de Sérgio Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

FRANCO, M. (2014). UPP – A redução da favela a três letras: uma análise da política de segurança pública do estado do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado, Niterói, UFF.

KURLANSKY, M. (2011). Não violência: a história de uma ideia perigosa. Tradução de Otacílio Nunes. Rio de Janeiro: Objetiva.

MARTINS, H. (2011). Três caminhos na filosofia da linguagem. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos, volume 3.5. ed. São Paulo: Cortez.

MOYN, S. (2014). Human Rights and the uses of History. London, New York: Verso.

PASSOS, P.; FACINA, A. (2014). Cultura popular e direitos humanos. Rio de Janeiro: Fundo Brasil de Direitos Humanos, IFRJ, Ocupa Borel & Revista Vírus Planetário. Disponível em: https://issuu.com/virusplanetario/docs/issuu_cartilha Acesso: 18 jul. 2018.

PENNA, J. C. (2003). Este corpo, esta dor, esta fome: notas sobre o testemunho hispano-americano. In: SELIGMANN-Silva, Márcio (org.). História, memória, literatura: o testemunho na Era das Catástrofes. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

SAUNDERS, R. (2008). Sobre o intraduzível: sofrimento humano, a linguagem de direitos humanos e a CVR da África do Sul. Tradução de Thiago Amparo. SUR – Revista Internacional de Direitos Humanos, ano 5, n. 9, p. 53-75.

STREET, B. (2014). Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

SILVA, D. do N. e; PALMA, D. Direitos humanos: perspectivas, mediações, práticas comunicativas – uma apresentação. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 601–615, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8652964. Acesso em: 7 dez. 2022.