A internacionalização a partir de diferentes LOCI de enunciação: as concepções de sujeitos praticantes do currículo profissonal

Autores

  • Gabriela Freire Oliveira Piccin Professora do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES) e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Espírito Santo (PPGEL/UFES).
  • Kyria Rebeca Finardi Universidade Federal do Espírito Santo http://orcid.org/0000-0001-7983-2165

Palavras-chave:

Internacionalização da educação. Sentidos produzidos por sujeitos praticantes do currículo. Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica.

Resumo

A internacionalização da educação tem recebido diferentes definições e abordagens entre os países, instituições de ensino superior (IES) e demais agentes (KNIGHT, 2003; 2004). Alguns autores, entretanto, têm identificado certos “equívocos” (DE WIT, 2011) e “mitos” (KNIGHT, 2011) quanto às concepções que perpassam a ideia de internacionalização da educação, apontando possíveis riscos e consequências indesejáveis desse processo. Por essa razão, torna-se urgente discutir criticamente as diferentes definições que a internacionalização pode assumir (AZEVEDO, 2014), em especial as perspectivas dos sujeitos praticantes (CERTEAU, 2009) do currículo, objetivo principal deste estudo. A presente pesquisa buscou trazer as concepções de atores sociais do processo de internacionalização das IES, a saber os servidores da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (RFEPCT), acerca do conceito de internacionalização, aproximando tais interpretações às de estudiosos da área. Para tanto, um questionário semiestruturado foi aplicado a servidores da RFEPCT com diferentes cargos e funções, representando, na medida do possível, as cinco regiões geográficas do Brasil. O estudo também contou com uma revisão de literatura dos principais modelos teóricos desenvolvidos e do debate sobre o processo de internacionalização das IES a partir de uma base crítica. Os dados oriundos dos questionários foram analisados qualitativamente, e a discussão é apresentada em diálogo com os estudos sobre internacionalização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Freire Oliveira Piccin, Professora do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES) e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Espírito Santo (PPGEL/UFES).

Professora do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES) e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Espírito Santo (PPGEL/UFES).

Kyria Rebeca Finardi, Universidade Federal do Espírito Santo

Kyria Finardi
Ph.D. in English and Applied Linguistics
Dept. de Linguagens e Cultura, Centro de Educação - DLCE
Programa de Pós-Graduação em Linguística - PPGEL
Universidade Federal do Espírito Santo
Vitória, ES, Brazil
http://lattes.cnpq.br/1076562311962755

Referências

ALTBACH, P. G. (2016). Global perspectives on higher education. JHU Press.

ALTBACH, P. G.; KNIGHT, J. (2007). The internationalization of higher education: Motivations and realities. Journal of studies in international education. v. 11, no 3-4, pp. 290-305.

AMORIM, G. B.; FINARDI, K. R. (2017). Globalização e internacionalização do ensino superior: Evidências de um estudo de caso nos níveis micro, meso e macro. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior. v. 22, no 3 pp. 614-632.

ANDREOTTI, V. O.; PEREIRA, R.S.; EDMUNDO, E. S. G.; ARAÚJO, F.. (2016). Internacionalização da educação brasileira: possibilidades, paradoxos e desafios. In: LUNA, J. M. F. (org.). Internacionalização do currículo: educação, interculturalidade, cidadania global. Campinas: Pontes Editores, pp. 129-154.

APPLE, M. W. (2002) O que os pós-modernistas esquecem: capital cultural e conhecimento oficial. In: GENTILI, P. A. A.; SILVA, T. T. (orgs.). Neoliberalismo, qualidade total e educação: visões críticas, 11ª Ed. Petrópolis: Editora Vozes, pp. 179-204.

AZEVEDO, M. L. N. (2014). A internacionalização da Educação Superior em questão: mitos, enganos e verdades. Horizontes LatinoAmericanos – Revista de Humanidades e Ciências Sociais do Mercosul Educacional. v. 3, no 1, pp. 99-110.

CERTEAU, M. (2009). A invenção do cotidiano: artes de fazer. 16ª Ed. Petrópolis: Vozes.

CRESWELL, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3ª Ed. Porto Alegre: Artmed, pp. 177 – 265.

DE WIT, H. (2011). Internationalization of Higher Education: nine misconceptions. International Higher Education. no 64, pp. 1-6.

FERRAÇO, C. E. (2013). Currículos, culturas e cotidianos escolares: afirmando a complexidade e a diferença nas redes de conhecimentos dos sujeitos praticantes. Leitura: Teoria & Prática. v. 31, no 60, pp. 81-103.

FINARDI, K. R.; ARCHANJO, R. (2018). Washback Effects of the Science Without Borders, English Without Borders and Language Without Borders Programs in Brazilian Language Policies and Rights. In: SIINER, M.; HULT, F.; KUPISCH, T. (orgs.). Language Policy and Language Acquisition Planning. Language Policy, 1ª Ed. Cham: Springer, v. 15, pp. 173-185.

FINARDI, K. R.; FRANÇA, C. (2016). O Inglês na Internacionalização da Produção Científica Brasileira: Evidências da Subárea de Linguagem e Linguística. Intersecções (Jundiaí). v. 19, no 2, pp. 234-250.

FINARDI, K.; GUIMARÃES, F. F. (2017). Internacionalização, rankings e publicações em inglês: a situação do Brasil na atualidade. Estudos em Avaliação Educacional. v. 28, no 68, pp. 600-626.

FINARDI, K. R.; SANTOS, J. M.; GUIMARÃES, F. (2016). A Relação entre Línguas Estrangeiras e o Processo de Internacionalização: Evidências da Coordenação de Letramento Internacional de uma Universidade Federal. Interfaces Brasil/Canadá, Revista Brasileira de Estudos Canadenses. v. 16, no 1, pp. 233-255.

FORTES, R. (2016). Política científica no Brasil: dilemas em torno da internacionalização e do inglês. Interfaces Brasil/Canadá, Revista Brasileira de Estudos Canadenses. v. 16, no 1, pp. 151-190.

FREIRE, P. (1970). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Zahar.

KNIGHT, J. (2012). Cinco verdades sobre internacionalização. In: International Higher Education, v. 69: outono (Hemisfério Norte). Edição brasileira mediante acordo de cooperação entre UNICAMP e Boston College - Revista Ensino Superior Unicamp. Campinas: Unicamp, pp. 64-66.

KNIGHT, J. (2011). Five myths about internationalization. International Higher Education. no 62, pp. 14-15.

KNIGHT, J. (2004). Internationalization remodeled: definition, approaches, and rationales. Journal of studies in international education. v. 8, no 1, pp. 5-31.

KNIGHT, J. (2003). Updating the definition of internationalization. International Higher Education. v. 33, no 6, pp. 2-3.

KNIGHT, J. (1994). Internationalization: Elements and Checkpoints. CBIE Research - Canadian Bureau for International Education (CBIE)/Bureau canadien de l’éducation internationale (BCEI). no 7, pp. 1-14.

LAUS, S. P. (2012). A internacionalização da educação superior: um estudo de caso da Universidade Federal de Santa Catarina. Tese de Doutorado em Administração. Escola de Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

LEITE, D.; GENRO, M. E. H. (2012). Avaliação e internacionalização da Educação Superior: Quo vadis América Latina? Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior. v. 17, no 3, pp. 763-785.

LIMA, M. C.; MARANHÃO, C. M. S. A. (2009). O sistema de educação superior mundial: entre a internacionalização ativa e passiva. Avaliação. v. 14, no 3, pp. 583-610.

MORENO, M. (1999). Como se ensina a ser menina: o sexismo na escola. São Paulo: Moderna.

OLIVEIRA, P. S. (2018). Internacionalização da educação superior: um estudo de caso em instituições públicas de ensino superior do estado da Bahia. Dissertação de Mestrado em Educação. Programa de Pós Graduação em Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

SACRISTÁN, J. G. (1995). Currículo e diversidade cultural. In: SILVA, T. T.; MOREIRA, A. F. B. (orgs.). Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis: Vozes, pp. 82-113.

SEMERARO, G. (2012). Da Libertação à Hegemonia: Freire e Gramsci no processo de democratização do Brasil In: BERND FICHTNER, E. F.; FORESTE, G. M. S.; LIMA, M. (orgs.). Cultura, Dialética e Hegemonia: Pesquisas em Educação. Vitória: EDUFES, pp. 23-44.

SOUSA SANTOS, B.; AVRITZER, L. (2009). Para ampliar

o cânone democrático. In: SANTOS, B. S. (org.). Democratizar a democracia: os caminhos da democracia participativa. 4ª Ed. Rio

de Janeiro: Civilização Brasileira.

SOUSA SANTOS, B. (2011). A universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. 3ª Ed. São Paulo: Cortez.

VAVRUS, F.; PEKOL, A. (2015). Critical Internationalization: Moving from theory to Practice. FIRE: Forum for International Research in Education. v. 2, no 2, pp. 5-21.

VIEIRA, G. V.; FINARDI, K. R.; PICCIN, G. F. O. (2018). Going international: the challenges for Brazilian Federal Institutes of Education, Science and Technology. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação. v. 13, n. esp 1, pp. 394-410.

Downloads

Publicado

2019-04-17

Como Citar

FREIRE OLIVEIRA PICCIN, G.; FINARDI, K. R. A internacionalização a partir de diferentes LOCI de enunciação: as concepções de sujeitos praticantes do currículo profissonal. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 58, n. 1, p. 313–340, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8653317. Acesso em: 27 nov. 2021.