Banner Portal
Línguas em conflito em cursos de licenciatura intercultural indígena
PDF

Palavras-chave

Políticas linguísticas. Formação de professores Indígenas. Línguas indígenas.

Como Citar

GORETE NETO, Maria. Línguas em conflito em cursos de licenciatura intercultural indígena. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 3, p. 1339–1363, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8653506. Acesso em: 19 jun. 2024.

Resumo

A chegada de povos indígenas na universidade tem aumentado nos últimos anos. Ao mesmo tempo em que as culturas, as línguas e os saberes indígenas contribuem para a qualificação da academia, a presença desses povos traz também muitos desafios. Um deles é como lidar com a multiplicidade de línguas indígenas nesse espaço. Para contribuir nesse debate, este artigo faz uma reflexão sobre políticas linguísticas e a promoção de línguas indígenas em contextos de licenciaturas interculturais. Propõe-se que novas teorias, epistemologias e metodologias de ensino das línguas sejam construídas em conjunto com os povos indígenas com o intuito de facultar a promoção das línguas usadas por esses povos.

PDF

Referências

ABREU, J. C. P.de. (2016). Cantos tradicionais do povo Xakriabá. 53 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura – Habilitação em Línguas, Artes e Literatura). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

BAKHTIN, M. (1997). Estética da criação verbal. Tradução de Maria Emsantina Galvão G. Pereira. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes.

BAKHTIN, M. (1979). Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo, Hucitec.

BANIWA, G. A. (2013). Lei das Cotas e os Povos Indígenas: mais um desafio para a diversidade, Revista Fórum. Disponível em: https://www.revistaforum.com.br/digital/119/ok-a-lei-das-cotas-e-os-povos-indígenas-mais-um-desafio-para-a-diversidade/. Acesso em: 02 fev. 2018.

BRASIL. (2012). DCNEI - Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=11074-rceb005-12-pdf&category_slug=junho-2012-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 09 out. 2017.

BRASIL. (2012). LEI Nº 12.711, DE 29 DE AGOSTO DE 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/Lei/L12711.htm. Acesso em: 01 mar. 2018.

BRASIL. (1997). Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em: 01 mar. 2018.

BRASIL. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.htm. Acesso em: 10 out. 2017.

BRAZ, U. C. (2016). O ensino de língua patxôhã na Escola Indígena Pataxó Barra Velha: uma proposta de material didático específico. 73 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura – Habilitação em Línguas, Artes e Literatura). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

CAJUEIRO, R. (2008). Os povos indígenas em instituições de ensino superior públicas federais e estaduais do Brasil: levantamento provisório de ações afirmativas e de licenciaturas interculturais. Trilhas de Conhecimento. Disponível em: http://www.trilhasdeconhecimentos.etc.br/educacao_superior_indígena/arquivos/Levantamento%20de%20A%E7%F5es%20Afirmativas.pdf. Acesso em: 07 fev. 2018.

CALVET, L. J. (2002). Sociolinguística: uma introdução crítica. São Paulo: Parábola Editorial, 172 p.

CANAGARAJAH, S. (2012). Translíngual Practice: Global Englishes and Cosmopolitan Relations. Taylor & Francis Group. ProQuest Ebook Central: Disponivel em: http://ebookcentral.proquest.com/lib/utxa/detail.action?docID=1101434. Acesso em: 22 dez. 2017.

CAVALCANTI, M. C. (1999). Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. D.E.L.T.A., vol. 15, nº especial, p. 385-417.

CAVALCANTI, M. C.; MAHER, T. J. M. (orgs.) (2018) Multilingual Brazil. Language Resources, Identities and Ideologies in a Globalized World. London: Routledge.

CÉSAR, A. L. S.; CAVALCANTI, M. C. (2007). Do singular para o multifacetado: o conceito de língua como caleidoscópio. In: Cavalcanti, M. C.; Bortoni-Ricardo, S. M. (orgs.) Transculturalidade, linguagem e educação, p. 45-66.

CHOMSKY, N. (1978). Aspectos da teoria da sintaxe. Tradução de José Antonio Meireles e Eduardo Paiva Reposo. 2. ed. Coimbra: Armênio Amado.

CHOMSKY, N. (1998) Linguagem e mente: pensamentos atuais sobre antigos problemas. Tradução de Lúcia Lobato. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

D’ANGELIS, W. da R. (2005). Línguas indígenas precisam de escritores? Como formá-los? Campinas: CEFIEL - Centro de Formação Continuada do IEL-UNICAMP; Brasília: Ministério da Educação.

DOOLEY, R. A. (1998). Léxico Guaraní, Dialeto Mbyá: versão para fins acadêmicos Com acréscimos do dialeto nhandéva e outros subfalares do sul do Brasil. Disponivel em: http://www.museumaconicoparanaense.com/MMPRaiz/Biblioteca/1797_IDIOMAS%20-%20Dicionario%20Guarani.pdf Acesso em: 03 abr.2018.

FIEI – Formação Intercultural para Educadores Indígenas (2009). Projeto Político Pedagógico, Colegiado FIEI: Belo Horizonte.

GARCIA, O. (2009). Bilingual Education in the 21st Century: A Global Perspective UK: Wiley-Blackwell.

GARCIA, O.; WEI, L. (2014). Translanguaging: Language, Bilingualism and Education. New York: Palgrave Macmillan.

GORETE NETO, M. (2005). Construindo interpretações para entrelinhas: cosmologia e identidade étnica nos textos escritos em português, como segunda língua, por alunos indígenas Tapirapé, 129 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada), Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

INSTITUTO DE INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR E NA PESQUISA. (2012). Mapa de Ações Afirmativas. Brasília. Disponível em: http://www.inctinclusao.com.br/acoes-afirmativas/mapa. Acesso em: 07 fev. 2018.

HALL, S. (1992). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro, DP&A Editora.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Estudos especiais. O Brasil Indígena. Língua Falada. Disponível em: https://indígenas.ibge.gov.br/estudos-especiais-3/o-brasil-indígena/língua-falada. Acesso em: 29 mar. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. (2017) Sinopse Estatística da Educação Superior 2016. Brasília, INEP. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 06 fev. 2018.

LAMBERT, W.E. (1974). Culture and language as factors in learning and education. In: Aboud, F. E.; Meade, R. D. (eds.), Cultural factors in learning and education. Bellingham, WA: Fifth Washington Symposium on Learning, pp. 91-112.

LIMA, A. C. S.; BARROSO-HOFFMANN, M. (orgs.). (2007). Desafios para uma educação superior para os povos indígenas no Brasil: Políticas públicas de ação afirmativa e direitos culturais diferenciados. LACED: Rio de Janeiro. Disponível em: www.trilhasdeconhecimentos.etc.br/livros/arquivos/desafios.pdf. Acesso em: 30 jan. 2018.

LIMA e SILVA, M. (2011). Português Indígena Kaingang: Uma Questão de Concordância, 138 f. Dissertação (Mestrado em Linguística). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

LOPES, L. S. (2016). Loas e versos Xakriabá: tradição e oralidade. 64 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura – Habilitação em Línguas, Artes e Literatura). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

MAHER, T. J. M. A Educação do Entorno para a Interculturalidade e o Plurilinguismo. (2007). In: Kleiman, A. B.; Cavalcanti, M. C. (orgs.) Linguística Aplicada – suas Faces e Interfaces. Campinas, SP: Mercado de Letras, pp.255-270.

MAHER, T. J. M. (1996). Ser professor sendo índio: questões de língua(gem) e identidade. 262 f. Tese (Doutorado em Linguística), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

MORELLO, R. (2012). A política de cooficialização de línguas no Brasil. Colóquio Internacional de Maputo: a diversidade linguística nos países de CPLP, v. 1, n. 1, p. 8-17 Disponível em: http://www.youblisher.com/p/783318-Plato-Volume-1-N-1-Coloquio-de-Maputo-V1-2/. Acesso em: 09 out. 2017.

SAUSSURE, F. de. (1970). Curso de linguística geral. São Paulo: Editora Cultrix.

SHOHAMY, E. (2014). Language Policy: Hidden Agendas and New Approaches. Taylor and Francis. ProQuest Ebook Central, Disponível em: http://ebookcentral.proquest.com/lib/utxa/detail.action?docID=258983. Acesso em: 14 fev. 2018.

SILVA, T. T. da. (2010). Documentos de Identidade: Uma Introdução às Teorias de Currículo. 3° ed. Editora Autêntica.

SILVA, T. T. da. (2000). A produção social da identidade e da diferença. In: Silva, T. T. (org.) Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 73-102.

SOUZA, I. de. (2016). A cestaria Guarani Mbya da aldeia Sapukai – Bracuí (RJ). 38 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura – Habilitação em Línguas, Artes e Literatura). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

SPOLKY, B. (2004). Language Policy, United Kingdom: Cambridge University Press.

UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais. (2017). Resolução Nº 02/2017, de 04 de abril de 2017 Disponível em: https://ufmg.br/storage/3/7/5/e/375ec9f3f14eea18e112ae5f2702030a_15045448481341_287882584.pdf. Acesso em: 01 mar. 2018.

UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais. Resolução Nº 15/2016, de 30 de agosto de 2016. Disponível em: https://www2.ufmg.br/sods/Sods/Conselho-Universitario/Documentos/Resolucoes-Comuns. Acesso em: 01 mar. 2018.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.