Banner Portal
“Hoje nós não somos mais Huni Kuin só na língua”: o português Kaxinawá em interações transculturais
PDF

Palavras-chave

Português Kaxinawá. Indianidade. Cultura interacional

Como Citar

CHRISTINO, Beatriz. “Hoje nós não somos mais Huni Kuin só na língua”: o português Kaxinawá em interações transculturais. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 3, p. 1486–1511, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8653690. Acesso em: 19 jun. 2024.

Resumo

Considerando que os diversos povos indígenas brasileiros (também) performatizam as suas identidades na, e por meio de, sua variedade específica da língua portuguesa, argumento, neste artigo, a favor da necessidade do estabelecimento de políticas linguísticas promotoras do respeito a essas variedades, principalmente em contextos educativos. Como evidência do caráter particular de tais variedades, que vai além de traços estruturais, descrevo e discuto dois aspectos da cultura interacional Kaxinawá identificáveis na variedade do português que utilizam: as fórmulas de fechamento e as retomadas da fala do outro.
PDF

Referências

ABREU, J. C. de. (1914). rã-txa hu-ni-ku-in. A língua dos caxinauás do rio Ibuaçú, affluente do Murú (Prefeitura de Tarauacá). Rio de Janeiro: Typografia Leuzinger, 1ª edição.

AMADO, R. de S. (2015). O português étnico dos povos Timbira. Papia, nº 25, v. 1, pp. 103-119.

BAUMAN, Z. (2005). Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

BRASIL (1998). RCNEI - Referencial curricular nacional para as escolas indígenas. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Fundamental.

CAMARGO, E. (2013). Introdução. In: Camargo, E.; Villar, D. (orgs.). Huni Kuin Hiwepaunibuki. A história dos Caxinauás por eles mesmos. La historia de los Cashinahuas por ellos mismos. São Paulo: Edições Sesc, pp. 43-47.

CAMARGO, E.; VILLAR, D. (orgs.).(2013). Huni Kuin Hiwepaunibuki. A história dos Caxinauás por eles mesmos. La historia de los Cashinahuas por ellos mismos. São Paulo: Edições Sesc.

CAMARGO, N. da S. (2014). Identidade linguística – questão da revitalização da língua Tapayuna. Letras Escreve. v. 47, nº. 2, pp. 143-159.

CAMPETELA, C.; SANTOS, G. M. F. dos, SILVA; E. B. da; SILVA, G. R. da. (2017). Documentação linguística, pesquisa e ensino: revitalização no contexto indígena do norte do Amapá. Revista Linguística, v. 13, nº. 1, pp. 151-167.

CHRISTINO, B. (2007). A rede de Capistrano de Abreu (1853-1927): uma análise historiográfica do rã-txa hu-ni-ku-ĩ em face da Sul-Americanística dos anos 1890-1929. Tese de Doutorado em Semiótica e Linguística Geral. Universidade de São Paulo, São Paulo.

CHRISTINO, B. (2015). Gender agreement in Huni Kuin Portuguese noun phrases. Papia, v. 25, nº. 1, pp. 77-102.

CHRISTINO, B. (2018). Descrição morfossintática do Português Kaxinawá. Minicurso apresentado durante o I SELA – percursos, diversidade e contatos na Amazônia Setentrional, Universidade Federal do Amapá, Macapá, 22 e 23 de maio.

CHRISTINO, B.; SILVA, M. de L. (2012). Concordância verbal e nominal na escrita em Português Kaingang. Papia, v. 22, nº. 2, pp. 415-428.

CHRISTINO, B.; SILVA, A. de M. (2017). A expressão de plural em Português Huni Kuin: um exame dos sintagmas nominais. Letrônica, v. 10, nº. 1, pp. 30-45.

FERREIRA, M. (2005). Descrição de aspectos da variante étnica usada pelos Parkatêjê. D.E.L.T.A. vol. 21, nº. 1, pp. 1-21.

GORETE NETO, M. (2012). Português-indígena versus português-acadêmico: tensões, desafios e possibilidades para as licenciaturas indígenas. Anais do SIELP. v. 2, nº 1. Uberlândia: EDUFU, pp. 1-11.

GONÇALVES, M. A. T. (1991). (org.). Acre: História e Etnologia. Rio de Janeiro: Núcleo de Etnologia Indígena/ Laboratório de Pesquisa Social – DCS – IFCS – UFRJ/ Fundação Universitária José Bonifácio.

GUERRA, V. M. L. (2010). O indígena de Mato Grosso do Sul - práticas identitárias e culturais. São Carlos: Pedro & João editores.

HALL, S. (1988). A Identidade Cultural na Pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A.

IGLESIAS, M. M. P. (2008). Os Kaxinawá de Felizardo: correrias, trabalho e civilização no Alto Juruá. Tese de Doutorado em Antropologia Social. Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

LOOS, E. E. (1999). Pano. In: Dixon, R. M. W. & Y. Aikhenvald, (eds.). The Amazonian Languages. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 227-250.

LOPES, O. (1914). A semana. O Paiz, Ano XXIX, nº 10. 716., (8 de fevereiro).

MAHER, T. M. (1996). Ser professor sendo índio: questões de língua(gem) e identidade. Tese de Doutorado em Linguística Aplicada. Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas.

MAHER, T. M. (1998). Sendo índio em português.... In: Signorini, I. (org.). Língua(gem) e identidade. Elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas: Mercado de Letras/Fapesp.

MAHER, T. M. (2010). Políticas linguísticas e políticas de identidade: currículo e representações de professores indígenas na Amazônia ocidental brasileira. Currículo sem fronteiras. v. 10, nº. 1, pp. 33-48.

MAHER, T. Do étnico ao pan-étnico: negociando e performatizando identidades indígenas. D.E.L.T.A, v. 32: 3, nº. 2016, pp. 719-733.

MAIA, M. (2005). Uma mente, duas línguas: reflexões sobre a transferência de padrões de ordem vocabular em textos de falantes indígenas bilíngues. Cadernos de Educação Escolar Indígena – 3º grau indígena. Barra do Bugres, UNEMAT, v. 4, nº. 1, pp. 52-65.

MANÁ KAXINAWÁ, J. P. et al. (2002). Índios no Acre – Organização e história. Rio Branco: Comissão Pró-Índio do Acre.

NASCIMENTO, A. M. do. (2013). Ações para a revitalização linguístico-cultural entre o povo Xambioá: lições desde projetos comunitários. Tellus, ano 13, nº. 25, pp. 83-105.

NORTON, B. (2013) Identity and language learning – Extending the conversation. 2ª ed. Bristol: Multilingual Matters.

OLIVEIRA, G. M. de (2000). Brasileiro fala português: monolinguismo e preconceito linguístico. In: Moura, H. M. de e Silva, F. L. da (org.) O direito à fala? A questão do preconceito linguístico. Florianópolis: Insular, pp. 84-91.

PAIVA, M. da C. de. (1997). Hipofonologização no Português de Contato. Papia, v. 9, pp. 52-64.

PAULA, E. D. de; TAPIRAPÉ, J. X. (2017). Revitalização de línguas indígenas no Brasil: o caso dos Apyãwa. Revista Linguística, v. 13, nº. 1, pp. 215-230.

RODRIGUES, A. D. (1993). Línguas indígenas: 500 anos de descobertas e perdas. D.E.L.T.A. v. 9, nº. 1, pp. 83-103.

SILVA, T. T. A Produção Social da Identidade e da Diferença. In: SILVA, T. T. (org.) Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

SILVA, D. do N. (2008). A questão da identidade em perspectiva pragmática. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 8, nº. 1, pp. 13-33.

SILVA, J. O. S. (Nek’i Satere Mawe), FRANCESCHINI, D. C.; CARNEIRO, D. S. (2009). Revitalização linguística e cultural Sateré-Mawé. Anais do SILEL, vol. 1. Uberlândia: EDUFU.

SILVA, M. do S. P. da. (2017). Resistência e retomada da língua e do patrimônio cultural Karajá em Buridina. Revista Linguística, v. 13, nº. 1, pp. 231-244.

SOMBRA, L. (1913). Os cachinauás – Ligeiras notas sobre seus usos e costumes. Jornal do Commercio, (11 de janeiro).

THOMASON, S. G.; KAUFMANN, T. (1992). Language Contact, Creolization and Genetic Linguistics. University of California Press.

WEINSTEIN, B. (1993). A borracha na Amazônia: expansão e decadência 1850-1920. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. São Paulo: Hucitec/ EDUSP.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.