Banner Portal
Políticas linguísticas e políticas de identidade em contexto indígena – uma introdução
PDF

Palavras-chave

Políticas linguísticas. Políticas indígenas. Línguas indígenas

Como Citar

CESAR, América Lúcia Silva; MAHER, Terezinha Machado. Políticas linguísticas e políticas de identidade em contexto indígena – uma introdução. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 3, p. 1297–1312, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8653792. Acesso em: 21 jul. 2024.

Resumo

Este dossiê, que compõe o volume 57 (3) da revista Trabalhos em Linguística Aplicada, reúne 09 artigos que abordam, a partir de diferentes perspectivas e matrizes teóricas, temas referentes a práticas e políticas linguísticas e identitárias em contextos indígenas específicos. A expectativa é que esse conjunto de textos contribua para emprestar visibilidade a questões que afetam as populações indígenas na contemporaneidade, bem como algumas das estratégias por elas empregadas para fazer frente às posições de subalternidade em que frequentemente são colocadas. No que segue, discorremos sobre os pilares conceituais/epistemológicos que nos orientaram na organização deste dossiê.
PDF

Referências

BOMFIM, A. (2011). Política linguística: uma experiência de autoria Pataxó. Anais do XII CONLAB – Congresso uso-Afro-Brasileiro de Ciências sociais. Disponível em: http://www.xiconlab.eventos.dype.com.br/resources/anais/ARQUIVO_artigoconlab3. Acesso em: 14 mar. 2015.

BOMFIM, A. (2012). Patxohá, lingua de guerreiro: processo de retomada da língua pataxó. Dissertação (Mestrado em Estudos Étnicos). Universidade Federal da Bahia (UFBA).

CALVET, L. J. (1978). Linguistique et colonialisme - petit traité de glottophagie. Paris, Payot.

CARNEIRO FILHO, A.; SOUZA, O. B. (2009). Atlas de pressões e ameaças às terras indígenas na Amazônia brasileira. São Paulo: Instituto Socioambiental.

CESAR, A.; CAVALCANTI, M. Do singular ao multifacetado: o conceito de língua como caleidoscópio. In: Cavalcanti, M.; Bortoni-Ricardo, S. M. (orgs.) (2007). Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, pp. 45-65.

CESAR, A.; Costa, S. (orgs.) (2013). Pesquisa e escola: experiências em educação indígena na Bahia. Salvador, Bahia, Ed. Quarteto.

CESAR, A. (2018). A prótese da língua: relações trans/interculturais e políticas de pesquisa/ensino de línguas entre os povos indígenas na Bahia. Pires-Santos, M. E.; Silva, I. R. (orgs.) Dossiê Transculturalidade, Linguagem e Educação. Revista Línguas & Letras, UNIOESTE, vol. 20, no. 24.

HAMEL, R. E. (1995). Introducción: Derechos Lingüísticos como Derechos Humanos: debates y perspectivas. in: HAMEL, H. E. (org.) Derechos Humanos Lingüísticos en Sociedades Multiculturales. Revista Alteridades, 5 (10), pgs. 11-23.

HARARI I. (2015). Dando continuidade ao Fórum sobre Violações de Direitos dos Povos Indígenas. Aracê – Direitos Humanos em Revista, vol.2, n. 3, pp. 239-245.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2012). Os indígenas no Censo Demográfico 2010: primeiras considerações com base no quesito cor ou raça. Rio de Janeiro: IBGE/Diretoria de Estatística. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/indigenas/indigena_censo2010.pdf. Acesso em: 25 abr. 2017.

LUCIANO, G. dos S. (2006). O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: MEC/SECAD; LACED/MUSEU NACIONAL.

MAHER, T. M. (2010). Políticas linguísticas e políticas de identidade: currículo e representações de professores indígenas na Amazônia ocidental brasileira. Currículo sem fronteiras. v. 10, nº. 1, pp. 33-48.

MAHER, T. M. (2018). Shifting discourses about language and identity among Indigenous teachers in western Amazonia in the wake of policy change. In: Cavalcanti, M. C. & Maher, T. M. (eds.) Multilingual Brazil: Language resources, identities and ideologies in a globalized world (pp. 41-55). New York: Routledge.

MAKONI, S.; PENNYCOOK, A. (orgs.) (2007). Disinventing and Reconstituting Languages. Clevedon: Multilingual Matters).

MALDONADO-TORRES, N. (2007). Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: Castro-Gómez, S.; Grosfoguel, R. (orgs.) El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, pp. 127-167.

Mato, D. (org.) (2008). Diversidad cultural e interculturalidad en educación superior: experiencias en America Latina. Caracas, UNESCO-IESALC.

QUIJANO, A. (2002). Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos Rumos, ano 17, n. 37, pp. 4-28. Disponível em: http://www.bjis.unesp.br/revistas/index.php/novosrumos/article/view/2192/1812. Acesso em: 28 nov. 2013.

RICARDO, C. A. (org.) Povos Indígenas no Brasil, 1996-2000. São Paulo: Institutosocioambiental, 2000.

SEKI, L. (1999). A linguística indígena no Brasil. DELTA, vol.15, número especial, pp. 257-290.

WALSH, C. (2006). Interculturalidad y colonialidad del poder. Un pensamiento y posicionamiento ‘otro’ desde la diferencia colonial”. In: Walsh, C.; Linera, A. G.; Mignolo, W. Interculturalidad, descolonización del estado y del conocimiento. Buenos Aires: Del Signo, pp. 21-70.

XUCURU KARIRI, C. R. S. (2015). Sobre como nos tornamos o que sempre fomos. In: Cesar, A. L. S.; Aquino, I.; Monteiro, C.; Xucuru Kariri, C. R. A.; Ferreira, M (orgs.). Núcleo Yby Yara Observatório da Educação Escolar Indígena - Fragmentos para uma cartografia da educação escolar indígena. Salvador-Bahia: Quarteto.

ZAVALA, V. (2014). Ideologías lingüísticas, autoridad y experticia en una comunidad de práctica: a propósito de una política lingüística a favor del quechua. In: Prácticas y políticas lingüísticas. Nuevas variedades, normas, actitudes y perspectivas. Madrid: Iberoamericana Editorial Vervuert, pp. 129-163.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.