Banner Portal
Traduzindo a identidade da favela brasileira na França: Je suis favela/Eu sou favela
PDF

Palavras-chave

Tradução. Identidade. Oralidade

Como Citar

CURTI-CONTESSOTO, Beatriz; DEÂNGELI, Maria Angélica; AMORIM, Lauro Maia. Traduzindo a identidade da favela brasileira na França: Je suis favela/Eu sou favela. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 58, n. 1, p. 341–362, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8653889. Acesso em: 22 abr. 2024.

Resumo

A obra Eu sou favela (2012) é uma coletânea de contos de escritores brasileiros que narram histórias ambientadas na favela. Sua tradução, Je suis favela (2011), foi realizada pela Éditions Anacaona que é uma editora francesa, cujo foco é a publicação de traduções de obras brasileiras desconhecidas do grande público que retratem aspectos socioculturais do Brasil. No texto em português, notamos o uso de um vocabulário de registro familiar que foi utilizado com o intuito de melhor expressar as identidades das personagens. Assim, interessamo-nos em verificar de que modo a tradução de um dos contos, intitulado “J’suis qu’un ouf”, em português “A.B.C.”, valeu-se das marcas de oralidade em língua francesa, e como isso contribuiu para a criação das identidades das personagens na obra traduzida. Para tanto, fundamentamo-nos em Crépon (2004), Rodrigues (2008) e Amorim (2015), sobretudo com relação às discussões sobre o próprio conceito de tradução, à tradução como escrita que consolida literaturas não canônicas e, consequentemente, as questões identitárias subjacentes a esse processo. Também nos referimos aos trabalhos de Britto (2012) e Bagno (2012) no que diz respeito às marcas de oralidade propriamente ditas.
PDF

Referências

AMORIM, L. M. (2015). Tradução & Identidade. In: AMORIM, L. M. et al. (Orgs.) Tradução &: Perspectivas teóricas e práticas. São Paulo: Editora UNESP. p.155-182.

ANACAONA, P. (2013a). Eu sou favela [e-book]. França: Éditions Anacaona.

ANACAONA, P. (2013b). Je suis favela [e-book]. Tradução de Paula Anacaona. França: Éditions Anacaona.

AULETE. (2018). Aulete Digital. Disponível em: < http://www.aulete.com.br/>. Acesso em 17 jul. 2018.

BAGNO, M. (2012). Norma linguística, hibridismo e tradução. Traduzires. Brasília, v. 1, nº 1, pp. 19-32. Disponível em: <http://periodicos.unb.br/index.php/traduzires/article/view/6652/5368>. Acesso em 25 abr. 2018.

BRITTO, P. H. (2012). A tradução literária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CASANOVA, P. (2002). A República Mundial das Letras. Tradução de Marina Appenzeller. São Paulo: Estação da Liberdade.

CIRÍACO, R. (2013a). A.B.C. In: ANACAONA, P. Eu sou favela [e-book]. França: Éditions Anacaona, pp. 1-2.

CIRÍACO, R. (2013b). J’suis q’un ouf. Tradução de Paula Anacaona. In: ANACAONA, P. Je suis favela [e-book]. França: Éditions Anacaona, pp. 1-2.

CRÉPON, M. (2004). La traduction entre les cultures. Revue germanique internationale, nº 21, pp. 71-82. Disponível em: <https://rgi.revues.org/998>. Acesso em: 5 set. 2017.

COUTINHO, J. A. (2015). Literaturas não canônicas e a tradução de antologias de contos brasileiros. In: SIMÃO, A. K. G.; DEÂNGELI, M. A. (Org.). Tendências contemporâneas dos estudos da tradução (vol.1). São José do Rio Preto: UNESP – Câmpus de São José do Rio Preto.

DEÂNGELI, M. A. (2012). A literatura na língua do outro: Jacques Derrida e Abdelkebir Khatibi. São Paulo: Editora UNESP.

DICIONÁRIO INFORMAL. (2018). Dicionário InFormal. Disponível em: <https://www.dicionarioinformal.com.br/>. Acesso em 17 jul. 2018.

FONSACA, K.; COUTINHO, J. A. (2014). O ato tradutório e os gestos culturais: enfoque sobre o conto Polícia ladrão - Police voleur, de Marcelino Freire. Cultura & Tradução. João Pessoa, v. 3, nº 1, pp. 156-167.

GUERINI, A. et al. (2008) Literatura traduzida e literatura nacional. Rio de Janeiro: 7Letras.

KEYES, D. (2011). Des Fleurs pour Algernon. Tradução de Georges Gallet. Paris: Flammarion.

KRISTEVA, J. (1994). Estrangeiros para nós mesmos. Rio de Janeiro: Rocco.

PRETI, D. (1977). Sociolinguística: os níveis de fala. São Paulo: Ed. Nacional.

LOOCK, R. (2012). Komen traduir l'inovassion ortografik : étude de ca. Revue de Traduction Palimpsestes, nº 25, pp. 39-65. Disponível em: <https://journals.openedition.org/palimpsestes/1037> Acesso em 16 out. 2018.

MESSILI, Z.; AZIZA, H. B. (2004). Langage et exclusion. La langue des cités en France. Cahiers de la Méditerranée, v. 69, pp. 23-32. Disponível em: <https://journals.openedition.org/cdlm/729>. Acesso em 17 jul. 2018.

ROBERT. (2012). Le Petit Robert. França: Le Robert.

RODRIGUES, C. C. (2008). A ética da apropriação. Tradução & Comunicação – Revista Brasileira de Tradutores, nº 17, pp. 21-28.

VALENTE, M. I.; CARNEIRO, T. D. (2017). Literatura afro-brasileira rompendo barreiras através da tradução: algumas considerações sobre a recepção de Ponciá Vicêncio na França. Trabalhos em Linguística Aplicada, nº 56.2, mai./ago., pp. 711-728.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.