Banner Portal
O desenvolvimento de um modelo dialógico de planejamento de projetos de pesquisa para estudantes dos anos finais do ensino fundamental
PDF

Palavras-chave

Projetos de Pesquisa. Letramentos Acadêmicos. Avaliação Formativa.

Como Citar

SILVA, Jonathan Zotti da; GALLON, Mônica da Silva. O desenvolvimento de um modelo dialógico de planejamento de projetos de pesquisa para estudantes dos anos finais do ensino fundamental. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 58, n. 2, p. 939–955, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8653931. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

As feiras de ciências impulsionam pesquisas científicas na escola. Como o conhecimento científico é privilegiado neste tipo de evento, os projetos mais prestigiados são os que resultam de uma investigação sistemática. Com o desafio de viabilizar o processo de planejamento de projetos investigativos em uma escola pública de Canoas (RS), este trabalho tem o objetivo de propor um modelo dialógico de planejamento de projetos de pesquisa para estudantes dos anos finais do ensino fundamental. A partir da perspectiva dos letramentos acadêmicos (LEA; STREET, 1998), o modelo apresentado neste artigo busca esclarecer aos estudantes aquilo que conta como conhecimento em determinada área e como isso aparece na escrita do projeto. Seguindo princípios da avaliação formativa (BLACK; WILIAM, 1998), foi elaborado um quadro com descritores avaliativos dos elementos de um projeto de pesquisa. Essa estratégia concebe os estudantes como protagonistas do processo de aprendizagem e também de avaliação, pois permite que eles saibam como serão avaliados de antemão e o que devem fazer para atingir os objetivos estabelecidos. Além disso, os estudantes também podem atuar como leitores interessados dos projetos uns dos outros, avaliando-os conforme os descritores e escrevendo pareceres como forma de feedback.

PDF

Referências

BAGNO, M. (2005). Pesquisa na Escola: o que é, como se faz. São Paulo: Edições Loyola.

BAKHTIN, M. (2003). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

BLACK, P.; WILIAM, D. (1998). Assessment and Classroom Learning. Assessment in Education, v. 5, n. 1, pp. 07-74.

BLACK, P.; WILIAM, D. (2009). Developing the theory of formative assessment. Educational Assessment, Evaluation and Accountability, v. 21, n. 1, p. 05-31.

BRASIL. (2017). Base Nacional Comum Curricular: educar é a base. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf>. Acesso em: 06 out. 2018.

CLARK, H.H. (2000). O uso da linguagem. Cadernos de Tradução, Porto Alegre, n. 09, p. 49-71.

FISCHER, A. (2007). A construção de letramentos na esfera acadêmica. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

DILLI, C.; SCHOFFEN, J.R.; SCHLATTER, M. (2012). Parâmetros para a avaliação de produção escrita orientados pela noção de gêneros do discurso. In: SCHOFFEN, J. R.; KUNRATH, S. P.; ANDRIGHETTI, G. H.; SANTOS, L. G. (Org.) Português como Língua Adicional: Reflexões para a Prática Docente. 1 ed. Porto Alegre: Bem Brasil, p. 171-199.

GALLON, M.S.; ROCHA FILHO, J.B.; NASCIMENTO, S.S. (2017). Feiras de ciências nos ENPECs (1997-2015): identificando tendências e traçando possibilidades. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 6., Florianópolis. Anais… Florianópolis: ABRAPEC, 2017. Disponível em: <http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R1722-1.pdf>. Acesso em: 06 out. 2018.

GALLON, M.S.; SILVA, C.M.; MADRUGA, Z.E.F. (2018). O papel do professor orientador na visão de um grupo de estudantes de ensino médio. Revista Olh@res, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 164-180.

GERHARDT, T.E.; RAMOS, I.C.A.; RIQUINHO, D.L.; SANTOS, D.N. (2009). Unidade 4: estrutura do projeto de pesquisa. In: GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (Orgs.). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, p. 65-88.

GIL, A.C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas.

GONÇALVES, A.A.G.; SILVA, C.S.R.; BREGUNCI, M.G.; CASTANHEIRA, M.L.; MONTEIRO, S.M. (2008). Alfabetização e Letramento: Questões sobre Avaliação. In: BRASIL. Pró-Letramento: Programa de Formação Continuada de Professores dos Anos/Séries Iniciais do Ensino Fundamental: alfabetização e linguagem. Brasília: MEC/SEB, p. 01-50.

GONÇALVES, T.V.O. (2011). Feiras de Ciências e formação de professores. In: PAVÃO, A. C.; FREITAS, D. (Org.) Quanta ciência há no ensino de ciências. São Carlos: EDUFSCAR, p. 207-216.

LEA, M.R.; STREET, B.V. (1998). Student writing in higher education: an academic literacies approach. UK Studies in Higher Education, v. 23, n. 2, p. 157-172.

LEA, M.R.; STREET, B.V. (2006). The “Academic Literacies” Model: Theory and Applications. Theory into Practice, v. 45, n. 4, p. 368-377.

MANCUSO, R.; LEITE FILHO, I. (2006). Feiras de Ciências no Brasil: uma trajetória de quatro décadas. In: BRASIL. Ministério da Educação. Programa Nacional de Apoio às Feiras de Ciências da Educação Básica Fenaceb. Brasília: MEC/SEB. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/EnsMed/fenaceb.pdf>. Acesso em: 20 out. 2018.

MANGABEIRA, A.B.A.; COSTA, E.V.; SIMÕES, L.J. (2011). O Bilhete Orientador: um gênero discursivo em favor da avaliação de textos na aula de línguas. Cadernos do IL, Porto Alegre, n. 42, p. 293-307.

MARCONI, M.A.; LAKATOS, E.M. (2003). Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Editora Atlas.

NASCIMENTO, S.S.; VENTURA, P.C.S. (2017). Projetos Escolares para Feiras de Ciências. Belo Horizonte: Rolimã.

NICOL, D.J.; MACFARLANE-DICK, D. (2006). Formative assessment and self‐regulated learning: a model and seven principles of good feedback practice. Studies in Higher Education, v. 31, n. 2, p. 199-218.

PALACIOS, G. G. (2016). Letramento acadêmico no ensino médio: uma experiência pedagógica a partir do material didático autoral “Manual do Jovem Pesquisador. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Línguas) – Universidade Federal do Pampa, Bagé.

REDDY, Y.M.; ANDRADE, H. (2010). A review of rubric use in higher education. Assessment & Evaluation in Higher Education, v. 35, n. 4, p. 435-448.

RIBEIRO, F.A.S. (2015). Como organizar uma feira de ciências. Natal: Infinita Imagem.

SADLER, D.R. (1998). Formative assessment: revisiting the territory, Assessment in Education, v. 5. n. 1, p. 77-84.

SCHLATTER, M.; GARCEZ, P.M. (2012). Línguas Adicionais na Escola: aprendizagens colaborativas em inglês. Erechim: Edelbra.

SOUZA, D.I.; MÜLLER, D.M.; FRACASSI, M.A.T.; ROMEIRO, S.B.B. (2013). Manual de Orientações para Projetos de Pesquisa. Novo Hamburgo: FESLSVC. Disponível em: <http://www.liberato.com.br/sites/default/files/manual_de_orientacoes_para_projetos_de_pesquisa.pdf>. Acesso em: 15 out. 2018.

STREET, B.V. (1984). Literacy in Theory and Practice. Cambridge: Cambridge University Press.

WILIAM, D. (2007). Keep learning on track: classrooms assessment and the regulation of learning. In: LESTER, F. K. Second Handbook of Research on Mathematics Teaching and Learning. (Org.). Charlotte: Information Age Publishing, p. 1051-1098.

WILIAM, D. (2011). Embedding Formative Assessment. Bloomington: Solution Tree Press.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.