O O HIV, o ciborgue, o tecnobiodiscursivo

Palavras-chave: HIV-aids, pós-humano, tecnobiodiscursivo

Resumo

O presente artigo pretende fazer uma leitura do dispositivo crônico da aids a partir das discussões sobre o pós-humanismo, tendo como pressuposto o conceito de tecnobiodiscursivo e seus efeitos. A hipótese a ser defendida é que esse dispositivo funcionaria como um modelo provocativo do pos-humanismo. Para tanto, inicialmente recorre à caracterização do tecnobiodiscursivo, segundo a ordem da cisão entre as modalidades de vida que, no capitalismo tardio, tem inscrições híbridas e colocam em suspenso categorias isoladas de corpo, sujeito e discurso. Depois, parte-se para uma descrição do dispositivo crônico da aids, a partir de uma breve genealogia, de modo a relacionar a cronicidade e suas estratégias médico-farmacológicas a novas modalidades de vida. Por fim, atenta-se para a possibilidade de aduzir, das discussões entre dispositivo e acontecimento tecnobiodiscursivo, um modelo provocativo de pós-humano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Atilio Butturi Júnior, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorado em Lingüística pela Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil(2012)
Professor Adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina , Brasil

Referências

AGAMBEN, G. (2014). Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. 2.ed. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

AGAMBEN, G. (2010). Une biopolitique mineure – entretien avec Giorgio Agamben. Vacarme, n.10. Disponível em: http://www.vacarme.org/article255.html. Acesso em: 6 fev. 2014.

ARENDT, H. (2007).A condição humana. Trad. Roberto Raposo. 10.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

BUTTURI JUNIOR, A.; LARA, C. A. (2018a). As narrativas de si e a produção da memória na campanha O cartaz HIV Positivo. Linguagem em (dis)curso (online), Tubarão, v. 18, p. 393-411. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1518-76322018000200393&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 9 maio 2019.

BUTTURI JUNIOR, A.; LARA, C. A. (2018b). Biopolítica, direitos humanos e resistências: uma análise comparativa das políticas públicas de saúde para a população LGBT em Florianópolis-SC. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 27, p. 645-674. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-18132018000200645&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 9 maio 2019.

BUTTURI JUNIOR, A. (2016). As formas de subjetividade e o dispositivo da aids no Brasil contemporâneo: disciplinas, biopolítica e phármakon. In: QUINO, V. C.; CRESTANI, L. M.; DIAS, L. F.; DIEDRICHM M. S. Língua, literatura, cultura e identidade: entrelaçando conceitos. Passo Fundo: Editora da Universidade de Passo Fundo. p.59-78.

BUTTURI JUNIOR, A. (2012). A passividade e o fantasma: o discurso monossexual no Brasil. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis,. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/96117/301572.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 9 maio 2019.

BIEHL, J. (2004). The Activist State – Global pharmaceutical, AIDS, and citizenship in Brazil. Social Text 80, Durham, v. 22, nº 3, pp. 105-132.

BRASIL. Lei n. 9.313, de 13 de novembro de 1996. Dispõe sobre a distribuição gratuita de medicamentos aos portadores do HIV e doentes de AIDS. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9313.htm>. Acesso em: 20 mar. 2016.

BRASIL. Sou+ Estou Indetectável. 2018. Disponível em: http://www.aids.gov.br/indetectavel/. Acesso em: 20 mar. 2019.

BUTLER, J. (2016). Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. 2.ed. Trad. Sérgio Lamarão e Arnaldo Marque da Cunha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

BUTLER, J. (2014). O clamor de Antígona: parentesco entre a vida e a morte. Florianópolis: Editora da UFSC.

CAMARGO JR., K. R. de. (1994). As ciências da AIDS e a AIDS das ciências: discursos médico e a construção da AIDS. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, ABIA, IMS, UERJ.

CARRARA, S. (1994). A AIDS e a história das doenças venéreas no Brasil. In: PARKER, R. et al. (org.). A AIDS no Brasil. 2.ed. Rio de Janeiro: Relumé-Dumará: ABIA: IMS, UERJ.

DANIEL, H. (1989). Vida antes da morte. Rio de Janeiro: Jaboti.

DANIEL, H. (1990). O primeiro AZT a gente nunca esquece. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 30 set.

DANIEL, H.; PARKER, R. (1991). AIDS, a terceira epidemia: ensaios e tentativas. São Paulo: Iglu.

DE LAURETIS, T. (1994). Tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, H. B. Tendências e Impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco.

DELEUZE, G. (2013). Conversações. Trad. Peter Pál Pelbart, Rio de Janeiro: Ed.34.

DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS IST, DOS HIV/AIDS E DAS HEPATITES VIRAIS. Nota informativa número 3 de 2018, que apresenta as recomendações de substituição (switch) de esquemas de terapia antirretroviral contendo ITRNN ou IP/r por Dolutegravir, para pessoas vivendo com HIV com supressão viral maiores de 12 anos de idade. 2018, Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/legislacao/nota-informativa-no-032018-covigcgvpdiahvsvsms. Acesso em: 10 jan. 2019.

DERRIDA, J. (2005). A farmácia de Platão. Tradução Rogério da Costa. 3.ed. São Paulo: Iluminuras.

DERRIDA, J. (2008). Gramatologia. Tradução Miriam Chnaiderman e Renato Janine Ribeiro. 2.ed. São Paulo: Perspectiva.

ESPOSITO, R. (2010). Bios: biopolítica e filosofia. Trad. M. Freitas da Costa. Lisboa: Edições 70.

FASSIN, D. (2006). Quand les corps se souviennent: expériences et politiques du sida en Afrique du Sud. Paris: La Découverte.

FOUCAULT, M. (2008). Nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France (1978-1979). Edição estabelecida por Michel Senellart, trad. Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, M. (2009). História da sexualidade I: a vontade de saber. 19.ed. Trad. Maria Thereza Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal.

FOUCAULT, M. (2010a). Em defesa da sociedade - curso no Collège de France, 1975-1976. Trad. Maria Ermantina Galvão. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, M. (2010b ). Crise da medicina ou crise da antimedicina. Verve, n.18, p.167-194. Disponível em:< https://revistas.pucsp.br/index.php/verve/article/view/8646>. Acesso em: 10 abr. 2018.

GALVÃO, J. (2000). AIDS no Brasil: a agenda de construção de uma epidemia. Rio de Janeiro: ABIA; São Paulo: Ed. 34.

HARAWAY, D. (2009). Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: HARAWAY, D.; KUNZRU, H.; TADEU, T. Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Trad. Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica Editora, p. 34-118.

HARDT, M.; NEGRI, A. (2001). Império. 3.ed. Rio de Janeiro; Record.

LATOUR, B. (1994). Jamais Fomos Modernos: ensaios sobre antropologia simétrica. Trad. Carlos Irineu da Costa: Rio de Janeiro: Edições 34.

LAZZARATO, M. (2006). As revoluções do capitalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

LECOURT, D. (2005). Humano Pós- humano. A técnica e a vida. Tradução Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Edições Loyola.

MBEMBE, A. (2016). Necropolítica. Arte & Ensaios. n. 32. Disponível em: <https://revistas. ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993>. Acesso em: 15 fev. 2019

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para manejo da infecção por HIV em adultos. [31 jul. 2015].

MOULIN, A. M. (2011). O corpo diante da medicina. In: COURTINE, J. J. História do corpo: 3. As mutações do olhar: o século XX. 4. ed. Rio de Janeiro, Petrópolis: Vozes.

NEGRI, A. (2016). Quando e como eu li Foucault. Organização de Mario A. Marno. São Paulo: n-1.

ORTEGA, F.; ZORZANELLI, R. (2010). Corpo em evidência: a ciência e a redefinição do humano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

PATTON, C. (1991). Inventing aids. Londres: Routledge.

PARKER, R. (2015). O fim da AIDS?.Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids.

PELÚCIO, L.; MISKOLCI, R. (2009). A prevenção do desvio: o dispositivo da aids e a repatologização das sexualidades dissidentes. Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana, p. 125-157.

PERLONGHER, N. (1987). O que é AIDS. 2.ed. São Paulo: Brasiliense.

POLLAK, M. (1990). Os homossexuais e a AIDS: sociologia de uma epidemia. Trad. Paula Rosas. São Paulo: Estação Liberdade.

PRECIADO, P. B. (2008). Texto yonque. Madrid: Espasa.

RÜDIGER, F. (2007). Breve história do pós-humanismo: Elementos de genealogia e criticismo. Compós, p.1-17, abr.

SQUIRE, C. (2013). Living with HIV and ARVs: three-letter Lives. Londres: Palgrave Macmillan.

SLOTERDIJK, P. (2000). Regras para o parque humano: uma resposta à carta de Heidegger sobre o humanismo. Tradução de José Oscar de Almeida Marques. São Paulo: Estação Liberdade.

SONTAG, S. (1989). A AIDS e suas metáforas. São Paulo: Companhia das Letras.

SOUTO, B. G. A. (2008). O HIV, seu portador e o tratamento anti-retroviral: implicações existenciais. São Carlos: EDUFSCAR.

TADEU, T. (2009) Nós, ciborgues. O corpo elétrico e a dissolução do humano. In: HARAWAY, D.; KUNZRU, H.; TADEU, T. Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Trad. Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

TEODORESCU, L.; TEIXEIRA, P. (2015). Histórias da aids no Brasil. v. 1: as respostas governamentais à epidemia de aids. Brasília: Ministério da Saúde/Secretaria de Vigilância em Saúde/Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais.

TREICHLER, P. A. (1987). AIDS, Homophobia, and biomedical discourse: an epidemic of signification. The MIT Press, v.47.

UNAIDS. 90-90-90. An ambitious treatment target to help end the AIDS epidemic, 2014. Disponível em: https://www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/90-90-90_en.pdf. Acesso em 13 maio 2016.

UNAIDS. Cerca de 21 milhões de pessoas vivendo com HIV estão em tratamento, diz novo relatório global do UNAIDS. 2017. Disponível em: https://unaids.org.br/2017/11/cerca-de-21-milhoes-de-pessoas-vivendo-com-hiv-estao-em-tratamento-diz-novo-relatorio-global-do-unaids. Acesso em: 10 jan. 2018.

VALDERRAMA, J. M. (2010). Medicalização da vida soropositiva. In: C APONI, S. et al (org.). Medicalização da vida: ética, saúde pública e indústria farmacêutica. Palhoça: Editora Unisul.

VERNAZZA, P. et al. (2008). Les personnes séropositives ne souffrant d’aucune autre MST et suivant un traitment antirétroviral efficace ne transmettent pas le VIH par voie sexuelle. Bulletin des Médecins Suisses, v.89, nº 5, pp.165-169.

Publicado
2019-08-12
Como Citar
Butturi Júnior, A. (2019). O O HIV, o ciborgue, o tecnobiodiscursivo. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 58(2), 637-657. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8655554