Banner Portal
Humanos que queremos ser
PDF

Palavras-chave

Subjetividade
Ciborguismo
Pós-humanismo

Como Citar

PAULA KAWANISHI, Paulo Noboru de; NAGAI LOURENÇÃO, Gil Vicente. Humanos que queremos ser : Humanismo, ciborguismo e pós-humanismo como tecnologias de si. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 58, n. 2, p. 658–678, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8655575. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

Em momentos de transformações tecnocientíficas, o humano como espécie, como ideia ou como representação pode ser afetado. Entre as práticas envolvendo tecnologias que crescem atualmente, o biohacking é um termo potencial que engloba diferentes ações, representações e ideias e que de forma levemente sub-reptícia guarda certa premissa de atuar sobre o material orgânico [homo-coisa] com o objetivo de ‘aprimorar’ o ser humano, seja lá por meio de quantas múltiplas e diversas formas isso possa se dar. Este artigo em forma ensaística possui o objetivo de pensar sobre um dos processos de subjetivação de um sujeito pós-humano, partindo de um exemplo retirado do biohacking ocorrido em um evento na cidade de São Paulo. Para tal, pincelamos algumas referências sobre o ciborguismo enquanto um movimento que constrói a metáfora para uma subjetividade híbrida e, na sequência, passamos pelo conceito de pós-humanismo e duas de suas expressões mais proeminentes: o trans-humanismo e o pós-humano crítico. Ao final, argumentamos que, no caso de praticantes e personas hibridizadas pelo biohacking a noção de cuidado de si é um meio analítico de abordar o processo de subjetivação de um sujeito por meio das tecnologias de si.

PDF

Referências

BRAIDOTTI, R. (2013) The Posthuman. Cambridge: Polity Press.

BUZATO, M. (2018) Ética e linguagem nos encontros pós-humanos. In: Anais I Congresso Internacional em Humanidades Digitais, Rio de Janeiro.

FOUCAULT, M. (2018) A história da sexualidade 3: o cuidado de si. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra.

FOUCAULT, M. (1988) Technologies of the self. In: Technologies of the self: a seminar with Michel Foucault. The University of Massachusetts Press.

FOUCAULT, M. (2009) O sujeito e o poder. In: Hubert L. Dreyfus e Paul Rabinow. Michel Foucault – uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

GRAY, CHRIS; HABLES, FIGUEROA-SARRIERA, HEIDI, L; MENTOR, STEVE. (1995). The Cyborg Handbook. London, Routledge.

HARAWAY, D. (2009) Manifesto Ciborgue. In: Hari Kunzru, Donna Haraway, Tomaz Tadeu da Silva (organização e tradução). Antropologia do Ciborgue: as vergiens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica.

HAYLES, N. K. (1999) How We Became Posthuman: virtual bodies in cybernetics, literatures, and informatics. Chicado: The University of Chicago.

HAYLES, N. K. (2011) Wrestling with Transhumanism. In: H+/-: Transhumanism and Its Critics. Metanexus Institute.

KAWANISHI, P. (2016) Identidade e autoria no ciberespaço: os dizeres de um autor sem nome. Dissertação de mestrado. Unicamp.

KIM, Joon Ho. (2013). O estigma da deficiência física e o paradigma da reconstrução cibernética do corpo. Tese de doutorado em Antropologia Social. Faculdade de filosofia, letras e ciências humanas, FFLCH USP, São Paulo

KUNZRU, Hari. (2000). Genealogia do Ciborgue. Hari Kunzru, Donna Haraway, Tomaz Tadeu da Silva (organização e tradução). Antropologia do Ciborgue: as vergiens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica.

LATOUR, Bruno. (2000) Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. Tradução de Ivone C. Benedetti. São Paulo: Editora UNESP.

LATOUR, Bruno. (1994). Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Tradução de Calors Irineu da Casta. Rio de Janeiro: Editora 34.

LOURENÇÃO, Gil Vicente Nagai. (2019). Marko Synésio Alves Monteiro. Os dilemas do humano: reinventando o corpo numa era (bio)tecnológica. São Paulo: Anablume, 2012. Horizontes Antropológicos, v. 25, n. 53, p. 421-426.

LOURENÇÃO, Gil Vicente Nagai. (2016). O Espírito Japonês: esboço para uma arqueologia etnográfica do Ki. Tese de Doutoramento em Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos..

LOURENÇÃO, Gil Vicente Nagai. (2010). Identidades, práticas e moralidades transnacionais: etnografia da esgrima japonesa no Brasil /São Carlos : UFSCar.

MONTEIRO, Marko Synésio Alves. (2012). Os dilemas do humano: reinventando o corpo numa era [bio]tecnológica. São Paulo, Annablume.

PENNYCOOK, A. (2016). Posthumanist Applied Linguistics. Applied Linguistics, p. 1-18. Oxford University Press.

SWAN, M. (2013) The quantified self: fundamental disruption in big data science and biological discovery. In: Big Data, vol. 1, n. 2.

TEGMARK, M. (2017). Life 3.0 - being human in the age of artificial intelligence. New York: Alfred A. Knopf.

TIROSH-SAMUELSON, H. (2011) Engaging Transhumanism. In: H+/-: Transhumanism and Its Critics. Metanexus Institute.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. (1996). Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana 2(2):115-144.

ŽIŽEK, S. (2012). Vivendo no fim dos tempos. São Paulo: Boitempo.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.