Escrita, ensino de língua portuguesa e formação do professor

Palavras-chave: ensino de língua portuguesa, formação docente, escrita

Resumo

Este estudo propõe discutir o estatuto da escrita como componente curricular da disciplina língua portuguesa na escola brasileira. Para tanto, apresenta-se, inicialmente, um panorama dos modos com que a produção escrita é abordada no percurso histórico de constituição do ensino de língua portuguesa, no que se refere aos currículos e programas de ensino e aos materiais didáticos propostos. Em seguida, contrasta-se esse estatuto historicamente construído da escrita com práticas de ensino de língua portuguesa atuais mediadas por estudantes de licenciatura em Letras, por ocasião de realização de estágio em escolas da rede pública da cidade de São Paulo (Brasil). A descrição e a análise do processo de implementação de um projeto de ensino do texto escrito argumentativo por uma estudante, conforme registrado em seu relatório de estágio, permitem problematizar alguns desafios que a abordagem da escrita coloca para as práticas de ensino e para a formação do professor de língua portuguesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandoval Nonato Gomes-Santos, Universidade de São Paulo

Dourado em Linguística (IEL, UNICAMP) - Professor do Departamento de Metodologia de Ensino e Educação Comparada da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

Referências

BILAC, O.; BOMFIM, M. (1899). Livro de Composição: para o curso complementar das escolas primárias. 9a. ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1930.

BOTO, C. (2003). A civilização escolar como projeto político e pedagógico da modernidade: cultura em classes, por escrito. Cadernos Cedes, Campinas, v. 23, n. 61, p. 378-397.

BOTO, C. (2005). A educação escolar como direito humano de três gerações: identidades e universalismos. Educação e Sociedade. Campinas, vol. 26, no. 92, p. 777-798.

BOTO, C. (2006). Um credo pedagógico na democracia escolar: algum traçado do pensamento de John Dewey. Educação, Porto Alegre, RS, ano XXIX, n 3 (60), p. 599-619.

BUENO, S. (1931). Arte de escrever – a maneira mais pratica de formar o próprio estylo e de familiarizar-se com todos os generos da composição literaria. São Paulo: Empreza Graphica da “Revista dos Tribunaes”.

BUNZEN, C. (2011). A fabricação da disciplina escolar Português. Revista Diálogo Educacional. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, v. 11, p. 885-911.

BUNZEN, C. (2006). Da era da composição à era dos gêneros: o ensino de produção de texto no ensino médio. In: Bunzen, C.; Mendonça, M. (orgs.), Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola, p. 139-161.

CHEVALLARD, Y. (1985). La transposition didactique. Grenoble: La Pensée Sauvage.

DOLZ, J.; GAGNON, R.; THÉVENAZ-CHRISTEN, T. (2009). Éclairage historique des objets d’enseignement analyses. In: Schneuwly, B.; Dolz, J. (orgs.), Des objets enseignés en classe de français – Le travail de l’enseignant sur la rédaction de texts argumentatifs et sur la subordonnée relative. Rennes, FR: Presses Universitaires de Rennes, p. 45-64.

FIAD, R. S. (2006). Escrever é reescrever. Belo Horizonte: CEALE/FaE/UFMG.

FIORIN, J. L. (1999). Para uma história dos manuais de Português: pontos para uma reflexão. Scripta (PUCMG), Belo Horizonte, v. 2, p. 151-161.

FREIRE, P. (1967). Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz & Terra.

GERALDI, J. W. (2008). Da redação à produção de textos. In: Chiapini, L. (org.), Aprender e escrever com textos de alunos. São Paulo: Cortez, p. 123-140.

GERALDI, J. W. (1984). O texto na sala de aula: leitura e produção. São Paulo: Ática.

GERALDI, J. W. (1991). Portos de Passagem. São Paulo: Martins Fontes.

GERALDI, J. W. (1986). Prática de produção de textos na escola. Trabalhos em Linguística Aplicada. No. 7, p. 23-29.

GOMES-SANTOS, S. N. (2004). A questão do gênero no Brasil: teorização acadêmico-científica e normatização oficial. Tese (Doutorado em Linguística). Campinas (SP): Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas.

GOMES-SANTOS, S. N. (2019). Formação inicial e letramento do professor de língua portuguesa: conceber, implementar e avaliar projetos de ensino (Projeto de Pesquisa). Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Bolsa de Produtividade em Pesquisa 310898/2015-3.

GOMES-SANTOS, S. N.; SEIXAS, C. (2012). Gêneros textuais da formação docente inicial: o projeto de ensino de língua portuguesa. Scripta (PUCMG), v. 16, p. 151-168.

JORDÃO, H. G.; NONATO, S. (2018). Forma escolar, trabalho docente e produção textual: novas configurações. Diálogo das Letras, v. 7, p. 208-227.

KOCH, I. G. V. (2003). Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez Editora.

KOCH, I. G. V. (2004). Introdução à Linguística Textual: trajetória e grandes temas. São Paulo, SP: Martins Fontes.

LAHIRE, B. (2008). La raison scolaire – école e pratiques d’ecriture, entre savoir et pouvoir. Rennes, FR: Presses Universitaires de Rennes.

LEMOS, C. T. G. de. (1988). Coerção e criatividade na produção do discurso escrito em contexto escolar: algumas reflexões. In: SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Subsídios à Proposta Curricular de Língua Portuguesa para o 1o. e 2o. Graus. São Paulo: SE/CENP , v. 3, p. 71-7.

MAINGUENEAU, D. (2009). Aborder la linguistique. Paris: Points.

MARCUSCHI, B. (2010). Escrevendo na escola para a vida. In: Rojo; R.; Rangel, E. (orgs.), Explorando o ensino: Língua Portuguesa. Brasília, DF: Ministério da Educação, p. 65-84.

MARCUSCHI, L. A. (1996). Exercícios de compreensão ou copiação nos manuais de ensino de língua? Em Aberto, 16(69), 63-82.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. (1992). Tratado da argumentação: a nova retórica. São Paulo : Martins Fontes.

PETITJEAN, A. (2005). Variations historiques: l'exemple de la 'rédaction'. In: Chiss, J.-L.; David, J.; Reuter, Y. (orgs.), Didactique du français - fondements d' une discipline. Bruxelles: De Boeck & Larcier s.a., p. 151-168.

PIETRI, E. (2003). A constituição do discurso da mudança do ensino de língua materna no Brasil. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas.

PIETRI, E. (2010). Sobre a constituição da disciplina curricular de língua portuguesa. Revista Brasileira de Educação, v. 15, p. 70-83.

PLEBE, A. (1978). Breve história da retórica antiga. São Paulo: E.P.U.

RAZZINI, M. P. G. (2000). O Espelho da Nação: A Antologia Nacional e o ensino de Português e de Literatura (1838-1971). Tese de Doutorado. Campinas: Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas.

ROJO, R. (2017). Entre Plataformas, ODAs e Protótipos: Novos multiletramentos em tempos de WEB2. The Especialist, v. 38, p. 1-20.

ROJO, R. (2008). Gêneros de discurso/texto como objeto de ensino de línguas: um retorno ao trivium? In: Signorini, I. (org.). Rediscutir texto, gênero e discurso. São Paulo: Parábola Editorial, p. 73-108.

SAFATLE, V. (2018). Da arte de desaparecer. Folha de São Paulo. 16 de novembro de 2018. Disponível (para assinantes) em https://www1.folha.uol.com.br/colunas/vladimirsafatle/2018/11/da-arte-de-desaparecer.shtml. Acesso em 2/06/2019.

SANTOS, S. N. G. (1999). O gesto de recontar histórias: gêneros discursivos e produção escolar da escrita. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Campinas, SP: Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas.

SCHNEUWLY, B. (2009). Le travail enseignant. In: Schneuwly, B.; Dolz, J. (orgs.), Des objets enseignés en classe de français – Le travail de l’enseignant sur la rédaction de texts argumentatifs et sur la subordonnée relative. Rennes, FR: Presses Universitaires de Rennes, p. 29-43.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. (orgs.). (2009). Des objets enseignés en classe de français – Le travail de l’enseignant sur la rédaction de texts argumentatifs et sur la subordonnée relative. Rennes, FR: Presses Universitaires de Rennes, p. 29-43.

SCHNEUWLY, B.; HOFSTETTER, R. (2017). Forme scolaire: un concept trop séduisant? In: Dias-Chiaruttini, A.; Cohen-Azria, C., Théories-didactiques de la lecture et de l'écriture: fondements d'un champ de recherche en cheminant avec Yves Reuter. Villeneuve d'Ascq: Presses Universitaires du Septentrion, p. 153-167

SIGNORINI, I. (2002). Por uma teoria da desregulamentação linguística. In: Bagno, M. (org.), Linguística da Norma. São Paulo: Edições Loyola, 93-125.

SILVA, W. R. (2013). Escrita do gênero relatório de estágio supervisionado na formação inicial do professor brasileiro. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 13, p. 171-195.

SILVA, W. R.; MELO, L. C. de. (2008). Relatório de estágio supervisionado como gênero discursivo mediador da formação do professor de língua materna. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 47, p. 131-149.

SOARES, M. (2002). Português na escola – história de uma disciplina curricular. In: Bagno, M. (org.), Linguística da Norma. São Paulo: Edições Loyola, p. 155-177.

Publicado
2019-10-18
Como Citar
Gomes-Santos, S. N. (2019). Escrita, ensino de língua portuguesa e formação do professor. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 58(3), 1282-1309. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8655586