Reflexões literárias e filosóficas na base de “os gêneros do discurso”:

considerações para o ensino de escrita

Palavras-chave: Gêneros do discurso, Ensino, Escrita

Resumo

Objetiva-se, neste artigo, refletir acerca de aspectos literários e filosóficos que embasam o ensaio “Os gêneros do discurso” de Bakhtin. Essa reflexão se mostra oportuna, pois, passados 20 anos do lançamento dos “Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: língua portuguesa” (BRASIL, 1998), o texto bakhtiniano que lhe serviu de base continua a fomentar documentos oficiais e políticas públicas acerca do ensino de escrita no Brasil. Desse modo, divisar facetas pouco exploradas da reflexão bakhtiniana pode levar a se repensar os gêneros do discurso e, por consequência, seu ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Vinício de Carvalho Maciel, Universidade Federal de São Carlos

Professor Adjunto A da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Editor-gerente da Revista Colineares.

Referências

BAKHTIN, M. M. (1919/1921). Para uma filosofia do ato. Tradução não revisada, para fins didáticos e acadêmicos, realizada por Carlos Alberto Faraco e Cristovam Tezza. [S.I.: s.n.], [2005-2006].

BAKHTIN, M. M. (1919/1921). Para uma filosofia da ação responsável. In: Hacia una filosofia del acto ético. De los boradores y otros escritos. Trad. Augusto Ponzio. Puerto Rico: Anthropos, 1997.

BAKHTIN, M. M. (1919/1921). Para uma filosofia do ato responsável. Trad. aos cuidados de Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

BAKHTIN, M. M. ([1952-1953]). Os gêneros do discurso. In: _______. Os gêneros do discurso. Organização, tradução, posfácio e notas Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2016.

BAKHTIN, M. M. (1963). Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução Paulo Bezerra. 5. ed. (2. tiragem). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

BRASIL. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: língua portuguesa. Brasília/DF: MEC/SEF.

BRASIL. (2016) Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) 2017: língua portuguesa – ensino fundamental anos finais. Brasília, DF: MEC/SEF.

BRASIL. (2017). Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEB, 2017.

BRASIL. (2018). Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Brasília: MEC/SEB, 2018.

BARROS, B. R. N. (2016). Os livros de culinária como marco indenitário no Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso em Biblioteconomia e Documentação. Instituto de Arte e Comunicação Social, UFF, Niterói.

CORALINA, C. (2009). Cora Coralina: doceira e poeta. São Paulo: Global.

CORRÊA, M. L. G. (2013). Bases teóricas para o ensino da escrita. In: Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, SC, v. 13, n. 3, p. 481-513.

DEMETERCO, S. M. S. (2003) Sabor e saber: livros de cozinha, arte culinária e hábitos alimentares. Curitiba: 1902-1950. Tese de Doutorado em História. Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, UFPR, Curitiba.

FIAD, R. S. (2011). A escrita na universidade. Revista da ABRALIN, [S.I.] v. 10, n. 4, p. 357-369.

GOMES-SANTOS, S. N. (2004) A questão do gênero no Brasil: teorização acadêmico-científica e normatização oficial. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada. Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas.

ROJO, R. (2005). Gêneros discursivos e gêneros textuais: questões teóricas e aplicadas. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (Org.). Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editoria, p. 184-207.

ROJO, R. (2006). Alfabetização e letramento: sedimentação de práticas e (des)articulação de objetos de ensino. In: Perspectiva, Florianópolis, v. 24, n. 2, p. 569-596.

KOCH, I. V. (2006). Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto.

MACIEL, L. V. C. (2011). Além de “Os gêneros do discurso”. Cadernos de Estudos Linguísticos (Unicamp), v. 53, p. 27-38.

MACIEL, L. V. C. (2014). Relações dialógicas em narrativas. Tese de Doutorado em Linguística Aplicada. Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas.

MACIEL, L. V. C. (2016). Relações dialógicas na vida e na representação literária. Letras de Hoje, v. 51, p. 194-201.

MACIEL, L. V. C. (2017). A (in)distinção entre dialogismo e intertextualidade. Linguagem em (dis)curso, v. 17, p. 137-151.

MACIEL, L. V. C. (2018). Considerações sobre heterodiscurso a partir de Dom Quixote. Bakhtiniana – Revista de Estudos do Discurso, v. 13, p. 100-116.

MARCUSCHI, L. A. (2005). Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONISIO, A. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (Org.) Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna.

MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (Org.). (2005). Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial.

SIPRIANO, B. F.; GONÇALVES, J. B. C. (2018). A difusão do pensamento bakhtiniano no Ocidente: uma leitura dos contextos de recepção no Brasil. Eutomia, Recife, v. 21, n. 1, p. 120-143.

Publicado
2019-09-13
Como Citar
Maciel, L. V. de C. (2019). Reflexões literárias e filosóficas na base de “os gêneros do discurso”: . Trabalhos Em Linguística Aplicada, 58(3), 1004-1020. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8655706