Universidade e produção de conhecimento na formação inicial:

uma estratégia didática para o ensino da escrita acadêmica

Palavras-chave: escrita acadêmica, estratégia didática, produção de conhecimento

Resumo

Este trabalho objetiva problematizar o ensino e a aprendizagem da escrita na universidade, apresentando uma experiência investigativa com acadêmicos do 2º período do curso de Matemática, na disciplina de Leitura e Produção de Textos, durante o segundo semestre de 2017. A execução da pesquisa considerou a aplicação de uma estratégia didática para apropriação do gênero acadêmico resumo/abstract, qual seja, a de retextualização, em que o estudante deveria ler um artigo científico da área com o propósito de escrever o resumo correspondente, colocando-se na posição de autor do artigo lido, cujo resumo circularia no portal de periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) para consulta de pesquisadores e demais acadêmicos. Dessa forma, esperava-se que a mobilização de recursos linguísticos e enunciativos mantivesse o tom assumido pelo artigo científico em questão, porém a partir da organização arquitetônica do gênero dada pelo acadêmico. A pergunta de pesquisa girou em torno da seguinte questão: Quais são os limites entre a palavra do outro e a do acadêmico, considerando um processo de retextualização que tensiona os lugares destinados aos enunciadores e coloca em xeque o processo de autoria? Com tal estratégia, compreendeu-se, ainda que panoramicamente, como a universidade e os seus sujeitos regulam o universo discursivo do outro e garantem a manutenção dialógica da escrita. Para chegar a essa conclusão, adotou-se um quadro teórico que se fundamentou na perspectiva bakhtiniana e foucaultiana de linguagem (BAKHTIN, 2009; FOUCAULT, 1996) e nos estudos do letramento acadêmico (RINCK, BOCH, ASSIS, 2015), seguindo uma metodologia de abordagem qualitativa, com finalidade aplicada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janaína Zaidan Bicalho Fonseca, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Professora adjunta da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM).

Referências

BAKHTIN, M. (1979) Estética da criação verbal. Trad. Maria Ermantina Galvão. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. (Volochínov). (1929) Marxismo e filosofia da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 13. ed. São Paulo: Hucitec, 2009.

CHEVALLARD, Y. (1985) La transposition didactique. Du savoir savant au savoir enseigné. Paris: La Pensée Sauvagem, 1991.

FIGUEIREDO, D. de C.; BONINI, A. (2006) Práticas discursivas e ensino do texto acadêmico: concepções de alunos de mestrado sobre a escrita. Linguagem em (Dis)curso – LemD, Tubarão, v. 6, n. 3, p. 413-446.

FONSECA, J. Z. B. (2014) O processo de didatização dos gêneros discursivos em práticas de ensino de língua portuguesa: um diálogo entre a aula e o livro didático. Jundiaí: Paco.

FOUCAULT, M. (1971) A ordem do discurso. Trad. de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 1996.

GROSSMANN, F. (2015) Por que e como as coisas mudam? Padronização e variação no campo do discurso científico. In: RINCK, F.; BOCH, F.; ASSIS, J. A. (Orgs.). Letramento e formação universitária: formar para a escrita e pela escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras, p. 97-128.

MACHADO, I. (2005) Gêneros discursivos. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin: conceitos-chave. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2014, p. 151-166.

MOTTA-ROTH, D.; HENDGES, G. R. (2010) Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola.

Publicado
2019-10-18
Como Citar
Zaidan Bicalho Fonseca, J. (2019). Universidade e produção de conhecimento na formação inicial:. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 58(3), 1264-1281. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8655840