A escrita gamificada de fanfictions com o apoio de tecnologias digitais em um clube de inglês

Palavras-chave: fanfiction, práticas de letramentos, gamificação

Resumo

Este estudo tem por objetivo compreender relações entre práticas de letramento escolar e a escrita gamificada de fanfictions com o apoio das Tecnologias Digitais (TD). As fanfictions podem ser definidas como ficções escritas por fãs com base em um produto original e têm se popularizado com a disseminação da internet, especialmente entre adolescentes em idade escolar. A justificativa para o desenvolvimento de práticas de leitura e escrita com o gênero fanfiction, neste estudo, ampara-se em uma perspectiva sociocultural dos estudos dos letramentos, em que o foco na aprendizagem de um gênero não está na assimilação de sua estrutura unicamente, mas nos modos como a aprendizagem de um gênero oportuniza conhecimentos de formas particulares. As mediações em torno das atividades com fanfictions aconteceram no contexto de um Clube de Inglês, com cinco sujeitos. Os dados foram gerados com base em enunciados desses sujeitos na plataforma de gamificação Classcraft, a partir da fanfiction escrita durante as aulas do Clube e de um grupo focal realizado com esses sujeitos. Para proceder com as análises, construímos uma linha do tempo apresentando a relação dos sujeitos com as fanfictions antes das atividades feitas no Clube, as aproximações, interações e posicionamentos durante o percurso de escrita e suas percepções sobre como foi o trabalho com o gênero a partir de diferentes abordagens metodológicas, posteriormente à prática de escrita da fanfiction. Os resultados apontam, principalmente, para a inserção desses sujeitos, na condição de insiders, em diferentes práticas de letramentos que envolvem a leitura e a escrita do gênero fanfiction, mediadas pelos usos de TD. Ainda, há indícios de que a gamificação permitiu aos sujeitos evidenciarem formas singulares de se posicionar em relação à leitura, à escrita e diferentes formas de ser, agir e elaborar sentidos no contexto escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Fischer, Universidade Regional de Blumenau

Universidade Regional de Blumenau (FURB), Blumenau, SC, Brasil

Camila Grimes, Universidade Regional de Blumenau

Mestrado em Educação pela Fundação Universidade Regional de Blumenau, Brasil(2013)
Assessora de Direção da Escola de Educação Básica Manoel Vicente Gomes , Brasil

Mariana Vicentini, Fundação Universidade Regional de Blumenau

Especialização em METODOLOGIA DO ENSINO SUPERIOR pela Fundação Universidade Regional de Blumenau, Brasil(2016)
Professora de Língua Inglesa do Big Ben Idiomas , Brasil

Referências

BARBOZA, C. M. M. M. (2016). Invadindo as masmorras – apropriações criativas, autoinserção (fan)ficcional e a emergência de uma intersubjetividade discursiva: uma etnografia do grupo snapetes à luz do pensamento bakhtiniano. 2016. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Católica de Pelotas, Pelotas.

BAKHTIN, M. (1952-1953/1979). Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 6. ed. Trad. Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011. pp. 261-270.

BARTON, D; HAMILTON, M. (2000). Literacy practices. In: BARTON, D.; HAMILTON, M.; IVANIC, R. Situated literacies: reading and writing in context. London: Routledge, pp. 7-15.

BUZATO, M. EL K. (2009). Letramento e inclusão: do estado-nação à era das TIC. Delta, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 1-38. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010244502009000100001&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 abr. 2019.

DETERDING, C. S.; DIXON, D.; KHALED, R.; NACKE, L. (2011). From Game Design Elements to Gamefulness: Defining “Gamification”. Proceedings of the 15th International Academic MindTrek Conference: Envisioning Future Media Environments, September 28-30, Tampere, Finland. Disponível em: http://www.rolandhubscher.org/courses/hf765/readings/Deterding_2011.pdf. Acesso em: 29 mai. 2019.

FISCHER, A. (2007). A construção de letramentos na esfera acadêmica. 2007. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

FISCHER, A. (2011). Práticas de letramento acadêmico em um curso de Engenharia Têxtil: o caso dos relatórios e suas dimensões escondidas. Scripta, Belo Horizonte, v. 15, n. 28, p. 37-58, 1º sem. 2011.

FISCHER, A.; KOMESU, F. C. (2018) Letramentos acadêmicos e tecnologias digitais: visões do professor em serviço sobre gamificação na aprendizagem de língua estrangeira. In: Seminário Gel, 66., São José do Rio Preto. Simpósio de convidados. São José do Rio Preto: Unesp.

FRITZEN, M. P. (2012). O olhar da etnografia no fazer pesquisa qualitativa: algumas reflexões teórico-metodológicas. In: Fritzen, M. P.; Lucena, M. I. P. (orgs.), O olhar da etnografia em contextos educacionais: interpretando práticas de linguagem. Blumenau, SC: Edifurb, pp. 55-71.

GEE, J. P. (2005). Good Video Games and Good Learning. Phi Kappa Phi Forum, v.35, n.2. Disponível em: http://www.jamespaulgee.com/sites/default/files/pub/GoodVideoGamesLearning.pdf. Acesso em: 19 jul. 2018.

GEE, J. P. (2001). Reading as situated language: a sociocognitive perspective. Journal of adolescent & adult literacy, n. 44, v.8, pp. 714-725. Disponível em: http://jamespaulgee.com/pdfs/Reading%20as%20Situated%20Language.pdf. Acesso em: 20 abr. 2019.

GEE, J. P. (2000). The new literacy studies: from socially situated to the work of the social. In: BARTON, D.; HAMILTON, M.; IVANIC, R. Situated Literacies: reading and writing in context. London: Routledge, pp. 180-196.

IMHOFF, A. M. V. G.; GRIMES, C.; SCHROEDER, E. (2013). Percepções de jovens aprendizes sobre os processos de ensinar e aprender. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 19, n. 38, p. 169-186, jan./abr.

KLEIMAN, A. B. (2010). Trajetórias de acesso ao mundo da escrita: relevância das práticas não escolares de letramento para o letramento escolar. In: Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 28, n. 2, pp. 375-400.

LEA, M. R.; HAMILTON, M.; GOURLAY, L. (2014). Textual practices in the new media digital landscape: messing with digital literacies. Research in Learning Technology. vol. 21. Disponível em: https://journal.alt.ac.uk/index.php/rlt/article/view/1442/pdf_1. Acesso em: 18 maio 2019.

LEA, M. R.; STREET, B. V. (2007). The “academic literacies” model: theory and applications. In: SIGET – SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS, 4, Tubarão. Anais. Tubarão: Unisul, 2007. p.227-236.

LEFFA, V. J.; COSTA, A. R.; BEVILÁQUA, A. F.; FIALHO, V. R. (2017). Preferência dos estudantes na aprendizagem de línguas em três atividades do Moodle. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 17, n.1, pp. 113-136.

LEFFA, V. J.; DUARTE, G. B.; ALDA, L. S. (2016). A sala de aula invertida: o que é e como se faz. In: JORDÃO, C. M. (org.), A linguística aplicada no Brasil: rumos e passagens. Campinas: Pontes. pp. 365-386.

LEFFA, V. J. (2008). Aspectos políticos da formação do professor de línguas estrangeiras. In: LEFFA, V. J. (org.), O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. 2. ed. Pelotas: Educat, pp. 353-376.

LEFFA, V. J. (2007). Pra que estudar inglês, profe?: auto-exclusão em língua-estrangeira. Claritas, São Paulo, v. 13, n. 1, pp. 47-65.

LILLIS, T. M. (2008). Ethnography as Method, Methodology, and “Deep Theorizing”: Closing the Gap Between Text and Context in Academic Writing Research. Written Communication, v. 25, pp. 353-388.

MARCUSCHI, L. A. (2008). Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial.

MCGONIGAL, J. (2011). Reality Is Broken: Why Games Make Us Better and How They Can Change the World. Nova York, Penguin Press, Ed. 1. Trad. Eduardo Rieche. BestSeller: Rio de Janeiro, 2011.

ROJO, R. (2012). Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. In: ROJO, R.; MOURA, E. (org), Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial. pp. 11-32.

SCHMITZ, V. (2017). Um clube... na escola: identidade e interfaces com a educação (não formal) a partir de uma revisão sistemática. Dissertação (Programa de Pós Graduação em Educação). Universidade Regional de Blumenau. Blumenau.

STREET, B.; LEA, M. R.; LILLIS, T. (2015). Revisiting the question of transformation in academic literacies: the ethnographic imperative. In: LILLIS, T.; HARRINGTON, K.; LEA, M. R.; MITCHELL, S. Working with academic literacies: case studies towards transformative practice. Anderson, South Carolina: Parlor Press; Fort Collins, Colorado: WAC Clearinghouse.

STREET, B. (2003). Abordagens Alternativas ao Letramento e Desenvolvimento. Apresentado durante a Teleconferência Unesco Brasil sobre ‘Letramento e Diversidade’. Londres.

VARGAS, M. L. B. (2015). O fenômeno fanfiction: novas leituras e escrituras em meio eletrônico. Passo Fundo: Universidade de Passo Fundo. Disponível em: http://editora.upf.br/images/ebook/o_fenomeno_fanfiction.pdf. Acesso em: 27 abr. 2019.

VIANNA, Y.; VIANNA, M.; MEDINA, B.; TANAKA, S. (2013). Gamification. In: Como reinventar empresas a partir de jogos. MJV Press: Rio de Janeiro.

VYGOTSKY, L. S. (1896-1934a). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Org. Michael Cole. Trad. José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto, e Solange Castro Afeche. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKY, L. S. (1896-1934b). A construção do pensamento e da linguagem. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VYGOTSKY, L. S. (1896-1934c). Psicologia Pedagógica. Trad. Claudia Schilling. 2. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

WENGER, E. (2004). Communities of practice: a brief introduction. Disponível em: <http://wenger-trayner.com/introduction-to-communities-of-practice/>. Acesso em: 20 jan. 2019.

ZAVALA, V. (2010). Quem está dizendo isso?: letramento acadêmico, identidade e poder no ensino superior. In: VÓVIO, C.; SITO, L.; DE GRANDE, P. Letramentos: rupturas, deslocamentos e repercussões de pesquisas em linguística aplicada. Campinas, SP: Mercado de Letras.

Publicado
2019-10-18
Como Citar
Fischer, A., Grimes, C., & Vicentini, M. (2019). A escrita gamificada de fanfictions com o apoio de tecnologias digitais em um clube de inglês. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 58(3), 1164-1196. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8655898