Ensino de escrita de sinais baseado em tarefas

Autores

Palavras-chave:

Libras, SignWriting, Ensino baseado em tarefas

Resumo

Este artigo apresenta uma proposta de adaptação do Ensino Baseado em Tarefas (EBT) para o ensino do sistema de escrita de sinais SignWriting (SW) para adultos sinalizantes. A metodologia seguida é de pesquisa experimental, na qual o pesquisador empenhou conhecimento teórico apto para o desenvolvimento de uma proposta de adaptação do EBT para o ensino de SW. Baseado nas premissas de Willis (1996) e Ellis (2006), desenvolveu-se unidades didáticas para o ensino de SW, o processo de criação é descrito neste trabalho que também analisa o produto gerado. Conclui-se que é possível adaptar abordagens de ensino de língua estrangeira para ministrar aulas de SW, e acredita-se que o trabalho estimule novas investigações em torno das metodologias de ensino para este sistema de escrita das línguas de sinais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Oliveira Barros, Universidade Estadual do Maranhão

Mestrado em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor Substituto da Universidade Estadual do Maranhão, Brasil.

Referências

ANTHONY, E. M. (1963) Approach, method, and technique. English Language Teaching Journal, v. 17, n. 2, p. 63-67.

ASSOCIAÇÃO DAS TESTEMUNHAS CRISTÃS DE JEOVÁ (2009). Jeová faz brilhar Sua face para eles. A Sentinela (Edição de estudo). 15 de agosto de 2009, pp.24-27.

BARRETO, M.; BARRETO, R. (2012). Escrita de Sinais sem mistérios. Belo Horizonte: Ed. do autor.

BARROS, M. E. (2008). ELiS – Escrita das línguas de sinais: proposta teórica e verificação prática. Tese de Doutorado em Linguística. Universidade Federal de Santa Catarina. Floria-nópolis: UFSC.

BARROS, R.O. (2018). Contribuições da tradução automática para o trabalho do tradutor de português e libras escrita. Monografia do curso de Bacharelado em Letras Libras. Universidade Federal de Santa Catarina. São Luis: UFSC.

BÓZOLI, D. M. F. (2015). Um estudo sobre o aprendizado de conteúdos escolares por meio da escrita de sinais em escola bilíngue para surdos. Dissertação de mestrado em Educação. Universidade Estadual de Maringá. Maringá: UEM.

CAPOVILLA, F. C.; et al. (2006). A escrita visual direta de sinais SignWriting e seu lugar na educação da criança Surda, 2006. In: Capovilla, F. C.; Raphael, W. D. Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da língua de sinais brasileira. Vol. II: Sinais de M a Z. 3ed. São Paulo: Edusp, p. 1491- 1496.

COSTA, E. S. (2014). O ensino de Química e a Língua Brasileira de Sinais – Sistema SignWriting (LIBRAS-SW): monitoramento interventivo na produção de sinais científicos. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática. Universidade Federal de Ser-gipe. São Cristóvão: UFS.

COSTA, E. S. (2017). Tendências atuais da pesquisa em escrita de sinais no Brasil. Revista Diálogos (RevDia). “Educação, inclusão e Libras”. v. 5, n. 3.

CURY, D. R. (2016). Escrita de sinais: concepções de educadores surdos e ouvintes. Disser-tação de Mestrado em Educação. Universidade de Campinas. Campinas: Unicamp.

ELLIS, R. (2006). The methodology of Task-based teaching. Asian EFL Journal,8, 3.

FORCADELL, M.S. STUMPF, M.R. FRASSON, A.C. (2016). SIGNWRITING: Práticas de aprendizagem da escrita da língua de sinais. Curitiba: UFTPR.

GESSER, A. (2010). Metodologia de ensino em Libras como L2. Florianópolis: Ed. da UFSC.

HYMES, D. (1995). Acerca de la Competencia Comunicativa. In: Llobera, M. et al. Competencia comunicativa. Documentos básicos en la enseñanza de lenguas extranjeras. Ma-drid: Edelsa.

KRASHEN, S.D. (1982). Principles and Practice in Second language Acquisition. Oxford, Pergamon Press.

LEFFA, V. J. (1988). Metodologia do ensino de línguas. In Bohn, H. I.; Vandresen, P. Tópi-cos em lingüística aplicada: O ensino de línguas estrangeiras. Florianópolis: Ed. da UFSC, p.211-236.

LEITE, T.A. (2001). Pesquisa autobiográfica de aprendizagem da Língua de Sinais Brasileira como segunda língua: Estudo em Diário. Série Publicações Ocacionais 2. São Paulo: Escola do Futuro/Universidade de São Paulo.

LESSA-DE-OLIVEIRA, A. (2012). Libras escrita: o desafio de representar uma língua tridimen-sional por um sistema de escrita linear. ReVEL - Línguas de sinais: cenário de práticas e fundamentos teóricos sobre a linguagem, v. 10, n. 19, p.150-184.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. (2013). Metodologia do trabalho cien-tífico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico – 2. ed. – Novo Hamburgo: Feevale.

RICHARDS, J. C.; RODGERS, T. (2001). Approaches and methods in language teaching. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press.

SLEVINSKI, S.; SUTTON, V. (2007). SignPuddle Reference Manual. Center for Sutton Movement Writing. La Jolla, CA.

SUTTON, V. (2005). Lições sobre o SignWriting: um sistema de escrita para língua de sinais. Tradução e adaptação: Stumpf, Marianne: Costa, Antonio C. da Rocha. Sd. Disponível em <http://rocha.c3.furg.br/arquivos/download/licoes-sw.pfd>. Acesso em 20 de maio de 2011.

VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. (2015). Algumas reflexões sobre a abordagem comunicativa, o pós-método e a prática docente. EntreLínguas, Araraquara, v.1, n.1, p.25-41, jan/jul.

VIGOTSKY, L. S. (1987). Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes. 2005.

WANDERLEY, D. C. (2012). Aspectos da leitura e escrita de sinais: estudos de caso com alunos surdos na educação básica e de universitários surdos e ouvintes. Dissertação de Mes-trado em Linguística. Florianópolis: UFSC.

WILLIS, J. (1996). A Framework for Task-Based Learning. Harlow: Longman.

Downloads

Publicado

2022-06-29

Como Citar

BARROS, R. O. . Ensino de escrita de sinais baseado em tarefas . Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 61, n. 1, p. 290–302, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8660134. Acesso em: 28 set. 2022.