O furo a qualquer preço

práticas discursivas de poder e resistência ante atitudes machistas em cenário de democracia frágil

Autores

Palavras-chave:

Discurso, Democracia, Gênero, `Poder, Resistência

Resumo

A jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo, foi envolvida em uma polêmica a partir do depoimento de Hans River do Rio Nascimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News, no Congresso Nacional brasileiro. Ex-funcionário da Yacows, empresa de marketing digital que atuou na campanha de Jair Messias Bolsonaro à presidência da República, o depoente acusou a repórter de lhe oferecer sexo em troca de matéria. O presidente, suposto alvo da investigação jornalística conduzida por Patrícia, a serviço da Folha, apropriou-se da fala de River para declarar que “Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim”. Tais afirmações alimentaram manifestações machistas de cunho sexual contra a jornalista, nas redes sociais, levando-a a reagir com a publicação do artigo intitulado “Depoimento: No Brasil, ser mulher nos transforma em alvo de ataques”. Com base nesse episódio, objetiva-se, em primeiro plano, abordar a evolução do conceito de democracia e de direitos fundamentais, debatendo como práticas discursivas que expressam sentidos de violência em função do gênero indiciam sintomas de fragilidade democrática. De maneira específica, com amparo em metodologia de análise do discurso de inspiração foucaultiana, investigam-se a formação sócio-histórica dos enunciados, as verdades valorizadas nas produções discursivas dos contendores e as relações de poder e resistência estabelecidas entre eles. Os resultados apontam para a compreensão de que, nas democracias frágeis, discursividades centradas no gênero emergem efeitos de sentidos reveladores não só de estratégias de poder e dominação, mas também de táticas de resistência e transformação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marluce Pereira da Silva, Universidade Federal da Paraíba

Professora titular da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP).

Cid Augusto da Escóssia Rosado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestrado em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Professor da Universidade Potiguar, Brasil.

Referências

ABRAMO, P. (2003). Padrões de manipulação na grande imprensa. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

ALEXY, R. (2008). Teoria dos Direitos Fundamentais. Tradução de Virgílio Afonso da Silva. São Paulo: Malheiros, 2015.

BARREDA, V. (2012). Género y travestismo em el debate. In: OPIELA, C.V. (org). Derecho a la identidad de género: Ley nº 26.743. Buenos Aires: La Ley, p. 99-106.

BOBBIO, N. (1984). O futuro da democracia - uma defesa das regras do jogo. Tradução de Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

BOLSONARO, J.M. Bolsonaro insulta repórter da Folha: “ela queria dar o furo”. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=znEDvZqXA_U Acesso em: 30mar. 2020.

BONAVIDES, P. (2015). Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Malheiros Editores Ltda.

BONFIM, J. B. B. (2002). A fome que não sai no jornal – o discurso da mídia sobre a fome. Brasília: Plano.

BRANDÃO, H. H. N. (2004). Introdução à Análise do Discurso. Campinas-SP: Editora da Unicamp.

BRASIL. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 2016.

BRASIL. (1996). Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1996/D1973.htm Acesso em: 25 ag. 2020.

BUTLER, J. (1990). Problemas de gênero – feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, J. (2015).“Não há justiça social com discriminação de gênero”, diz filósofa. Entrevista com Judith Buther conduzida por Isabel Palhares. Estado de São Paulo, 11 set. 2015. Disponível em:https://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,justica-social-nao-vira-sem-o-fim-da-discriminacao-de-genero--diz-pesquisadora,1760597?fbclid=IwAR3X9cE4GjW8mNc_-sqg8DsEhK1uS_MhDEMJBObX1QslUuTGchjB9ybgAW8 Acesso em:10ag. 2020.

DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. (1995). Michel Foucault: uma trajetória filosófica - para além do estruturalismo e da hermenêutica. Traduçãode Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

DUMONT, M. P. (1980). Elementos para uma análise do machismo. Perspectivas: São Paulo.

FOUCAULT, Michel. (1971). A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 2004.

FOUCAULT, M. (1999). Em defesa da sociedade. Tradução Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, M. (1994). Estratégia, Poder-Saber. Tradução de Vera Lúcia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

FOUCAULT, M. (1979). Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

FOUCAULT. M. (2010). O governo de si e dos outros. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo Paulo: Martins Fontes, 2013.

FOUCAULT, M. (2011). A coragem da verdade. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: WMF Martins Santos, 2014.

HOUAISS, A. (2001). Dicionário Eletrônico Houaiss. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

IWMF. (2020). A IWMF apoia Patrícia Campos Mello e condena os ataques contra mulheres jornalistas. Disponível em: https://www.iwmf.org/2020/02/the-iwmf-stands-with-patricia-campos-mello-and-condemns-attacks-against-women-journalists/ Acesso em: 10 ag. 2020.

MELLO, P. C. de. (2020). Depoimento: No Brasil, ser mulher nos transforma em alvo de ataques - Tem gente que vê graça em linchamento misógino; o que achariam se a piada fosse com a filha deles? Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/03/depoimento-no-brasil-ser-mulher-nos-transforma-em-alvo-de-ataques.shtml Acesso em: 30 mar. 2020.

MEYER-PFLUG, S. R. (2009). Liberdade de expressão e discurso do ódio. São Paulo: Revista dos Tribunais.

NACIMENTO, H.R. do R. (2020). CPMI das Fake News - Oitiva de Hans River do Rio Nascimento-11/02/2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=iLozDVNk0WA Acesso em: 30mar. 2020.

REVEL, J. (2002). Foucault – conceitos essenciais. Tradução de Carlos Piovesani Filho e Nilton Milanez. São Carlos: Claraluz, 2005.

SAFFIOTI, H. I. B. (1987). O poder do macho. São Paulo: Moderna.

SANTOS, B. de S. (2016). A difícil democracia: reinventar as esquerdas. Rio de Janeiro: Boitempo.

SILVEIRA. E. (2000). Ética e jornalismo. In: NERY, S. Grandes pecados da imprensa. Geração Editorial: São Paulo, p. 13-14.

SIMONOVIC, D. (2020). Erradicación de laviolencia contra las periodistas. Informe de la Relatora Especial sobre laviolencia contra lamujer, sus causas y consecuencias. Disponível em: https://undocs.org/es/A/HRC/44/52 Acesso em: 20 jul. 2020.

TAVARES, A. R. (2020). Curso de direito constitucional. São Paulo: Saraiva.

TODOROV, T. (2012). Os inimigos íntimos da democracia. Tradução de Joana Angélica d’Avila Melo. São Paulo: Companhia das Letras.

TRAQUINA. N. (2005). Teorias do Jornalismo – Porque as notícias são como são. v.1. Florianópolis: Insular.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

SILVA, M. P. da; ROSADO, C. A. da E. O furo a qualquer preço: práticas discursivas de poder e resistência ante atitudes machistas em cenário de democracia frágil. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 59, n. 3, p. 2050–2070, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661188. Acesso em: 25 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê