Corpos dissidentes, saúde sexual e microbiopolíticas de resistência na Amazônia Atlântica

Autores

Palavras-chave:

LGBTI ;, Amazônia, Vulnerabilidade em saúde, Performatividade, Metapragmática, Biopolítica

Resumo

Este trabalho tem por objetivo analisar as disputas metapragmáticas sobre o cuidado em saúde sexual estabelecidas na relação entre uma biopolítica oficial e as práticas de cuidado em saúde de corpos dissidentes no território da Amazônia Atlântica contemporânea. Ao examinar discursos oficiais, como os presentes no Plano Nacional de Saúde Integral LGBT (BRASIL, 2013), assim como a efetiva operacionalização de princípios da Promoção à Saúde (AYRES; PAIVA; FRANÇA JÚNIOR, 2012), a pesquisa detecta o funcionamento de uma política de silenciamento e precarização das demandas da saúde sexual LGBTI+ no contexto local, a qual é confrontada por estratégias microbiopolíticas de resistência. Para realizar o estudo, foi desenvolvido um trabalho etnográfico (PEIRANO, 2008; 2014) ao longo dos anos de 2016-2019, com jovens LGBTI+ no contexto de festas, afterparties e convivências domésticas em repúblicas estudantis na região dos Caetés. Fundamentado pelas teorizações sobre biopolítica (FOUCAULT, 1999) e performatividade (BUTLER, 2004), o foco analítico centra-se nas performances narrativas (MOITA LOPES, 2006) encenadas por sujeitos LGBTI+, as quais encenam disputas metapragmáticas (SILVERSTEIN, 1998) em torno do discurso oficial do Estado, criticando o lugar que este relega à promoção do cuidado em saúde sexual da população LGBTI+. Conclui-se que as práticas de resistências microbiopolíticas identificadas nas experiências sociais locais questionam o discurso oficial e a manutenção de um regime LGBTfóbico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Sena, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Educador amazônida alinhado ao debate Contra-colonial e Queer. Doutor em Linguística Aplicada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

ALENCAR, L. (2014) No rastro dos “pés descalços”: da Marujada à narrativa literária. Dissertação de Mestrado em Linguagens e Saberes na Amazônia, Universidade Federal do Pará, Bragança.

ABRAÃO, A.; MERHY, E.; GOMES, M.; TALLEMBERG, C.; CHAGAS, M.; ROCHA, M.; SANTOS, N.; SILVA, E.; VIANNA, L. (2013) O pesquisador in-mundo e o processo de produção de outras formas de investigação em saúde. Revista Lugar Comum, p.133-144.

AUSTIN, J. (1990) Quando dizer é fazer. Palavras e Ação. Tradução de Danilo Marcondes de Souza Filho. Porto Alegre: Artes Médicas.

AYRES, R.; PAIVA, V.; FRANÇA JR, I. (2012) Conceitos e Práticas de prevenção: da história natural da doença ao quadro da vulnerabilidade e direitos humanos. In: AYRES; PAIVA; BUCHALLA (Org.) Vulnerabilidade e direitos humanos: prevenção e promoção da saúde: da doença a cidadania. Curitiba: Juruá Editora, p.71-94.

BAUMAN, R. ; BRIGGS, C. (2003) Voices of modernity: language ideologies and the politics of inequality. Cambridge: Cambridge University Press.

BENTO, B. Apresentação. In: COLLING, L. Que os outros sejam o normal: tensões entre movimento LGBT e ativismo queer [online]. Salvador: EDUFBA, 2015, p. 13-19.

BRASIL. (2013) Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Brasília: 1. ed., 1. reimp. Ministério da Saúde.

BRASIL. (2015) Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Relatório do Seminário Nacional de Saúde LGBT, I / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa – Brasília: Ministério da Saúde.

BRASIL. (2019) Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde - Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim epidemiológico HIV/Aids: jan./jun. 2018. Secretaria de Vigilância em Saúde - Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais.

BRITO, J. SARAIVA, J. SILVA, J. (2019) Região de integração do rio caeté: uma visão socioeconômica e histórico-cultural do município de Bragança-PA. Revista GeoAmazônia Belém v. 07, n. 13 p. 168–182.

BONFANTE, G. M. (2016) Erótica dos Signos em Aplicativos de Pegação: performances íntimo-espetaculares de si. 1. ed. Rio de Janeiro: Multifoco.

BUTLER, J. (2004) Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguair. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CALAZANS, G. PINHEIRO, T. AYRES, J. (2018) Vulnerabilidade programática e cuidado público: Panorama das políticas de prevenção do hiv e da Aids voltadas para gays e outros hsh no Brasil. Sexualidad, Salud y Sociedad Revista Latinoamericana, n. 29 - ago. p.263-293.

CLIFFORD, J. (2002) A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX/ James Clifford; organizado por José Reginaldo Santos Gonçalves. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

CONNELL, R.; MESSERSCHMIDT, J. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Estudos Feministas, Florianópolis, 21(1): 241-282, janeiro-abril, 2013.

CORDEIRO, I. ARBAGE, M. SCHUWARTZ, G. (2017) Nordeste Paraense: Configuração Atual e Aspectos Identitários. In: CORDEIRO, I. et al (Orgs.) Nordeste Paraense: Panorama geral e uso sustentável das florestas secundárias. Belém, PA: EDUFRA, p.19-58.

DERRIDA, J. (1991) Margens da Filosofia. Campinas – SP: Papirus.

DERRIDA, J. (1973) Gramatologia. São Paulo, Perspectiva, Ed. da Universidade de São Paulo.

FABRÍCIO, B. (2006) Linguística Aplicada como espaço de desaprendizagem: redescrições em curso. In: Luiz Paulo da Moita Lopes. (Org.). Por uma lingüística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, p. 45-65.

FERRAZ, D. PAIVA, V. (2015) Sexo, direitos humanos e AIDS: uma análise das novas tecnologias de prevenção do HIV no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Epidemiologia. n.18.v.1, p.89-103.

FOUCAULT, M. (1999) História da Sexualidade I: A vontade de saber. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal.

FOUCAULT, Michel. (2008) Segurança, território, população. Tradução de E. Brandão. São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel. (2000) Em defesa da sociedade: curso no College de France. Tradução de Maria Ermatina Galvão. São Paulo: Martins Fontes.

HYDEN, L. HYDÉN, M. HARRISON, B. ANDREWS, M. ESIN, C. DAVIS, M. SQUIRE, C. (2014) The uses of narrative research. In: Hydén, Lars-Christer et al. What is narrative research?Londres: Bloomsbury Academic, p.73-93.

JUNG, N. SILVA, R. SANTOS, M. (2019) Etnografia da linguagem como políticas em ação. Calidoscópio17(1): 145-162.

LIMA, F. (2018) Bio-necropolítica: diálogos entre Michel Foucault e AchilleMbembe. Arquivos Brasileiros de Psicologia. Rio de Janeiro, 70 (no.spe.), p.20-33.

MARTINS, H. (2004) Três caminhos da Filosofia da linguagem. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos. São Paulo: Cortez, vol. 3, p. 439-473.

MELO, G.; MOITA LOPES, L. P. (2014) Ordens de indexicalidade mobilizadas nas performances discursivas de um garoto de programa: ser negro e homoerótico. Linguagem em (Dis)curso – Tubarão, SC, v. 14, n. 3, p.653-673.

MOITA LOPES, L. P. (2006) Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. Parábola Editorial: São Paulo, 2006.

MOITA-LOPES, L. P.; FABRICIO, B. (2019) Por uma proximidade crítica nos estudos em Linguística Aplicada. Calidoscópio, v. 17, p. 711-723.

MORA, C.; BRIGEIRO, M.; MONTEIRO, S. (2018) A testagem do HIV entre “HSH”: tecnologias de prevenção, moralidade sexual e autovigilância sorológica. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 28(2), p.1-28.

PEIRANO, M. (2014) Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 20, n. 42, p. 377-391.

PEIRANO, M. (2008) Etnografia, ou a teoria vivida. Ponto.Urbe (USP), v. vol. 2, versao 2.0.

PERUZZO, C. (2017) Pressupostos epistemológicos e metodológicos da pesquisa participativa: da observação participante à pesquisa-ação. Esdios sobre lãs culturas contempoáneas. Épocsa III. Vol. XXIII. Numero Especial III, Colina, primavera, p.161-190.

PRECIADO, P. (2019) Terror Anal: notas sobre os primeiros dias da revolução anal. Trad. De Inaê Diana Ashokasundari Shravya. Imprensa Marginal: Rio de Janeiro.

PRECIADO, P. (2018) Texto Junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. São Paulo: n-1.

RAFFESTIN, C. (1993) Por uma geografia do poder. São Paulo: editora ática.

REIS, A.; SANTOS, E.; CRUZ, M. (2007) A mortalidade por aids no Brasil: um estudo exploratório de sua evolução temporal. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 16(3), p.195-205.

SALDANHA, A.; CARVALHO, E.; DINIZ, R.; FREITAS, E.; FÉLIX, S; SILVA, E. (2008) Comportamento sexual e vulnerabilidade à aids. DST - Jornal brasileiro de doenças sexualmente transmissíveis, 20(1), p.36-44.

SANTOS, A. B. (2015) Colonização, Quilombos: modos e significados. Brasília.

SENA, J. (2020a) Corpos Dissidentes e Biopolítica na Amazônia Atlântica: disputas metapragmáticas no cuidado em saúde. Tese de Doutorado em Linguística Aplicada, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

SENA, J. (2020b) O protagonismo da linguagem na produção de corpos, discursos e práticas de resistência. Percursos Linguísticos. v. 10 n. 25, p.123-143.

SENA, J. (2018) Masculinidades e Práticas Sexuais na Amazônia Oriental: notas de campo com base em uma experiência etnográfica. In: CAETANO, M.; MELGAÇO, P. De Guri a Cabra Macho: masculinidades no Brasil. Lamparina: Rio de Janeiro, p.107-125.

SÍCOLI, J.; NASCIMENTO, P. (2003) Health promotion: concepts, principlesandpractice, Interface - Comunic, Saúde, Educ, v.7, n.12, p.91-112.

SILVA, D. (2014) O texto entre a entextualização e a etnografia: um programa jornalístico sobre belezas subalternas e suas múltiplas recontextualizações. Linguagem em (Dis)curso (Impresso), v. 14, p. 67-84.

SILVERSTEIN, M. (1998) The uses andutilityofideology: a commentary. In: SCHIEFFELIN, B. ; WOOLARD,K. A.; KROSKRITY, P. Language Ideologies: Practice and theory. Oxford. OUP, p. 123-148.

SILVERSTEIN, M. (2003) Indexical order and the dialectics of sociolinguistic life. Language & Communication, 23, p.193-229.

LAURINDO-TEODORESCU, L.; TEIXEIRA, P. (2015) Histórias da aids no Brasil: as respostas governamentais à epidemia de aids. Brasília: Ministério da Saúde/Secretaria de Vigilância em Saúde/Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais.

WORTHAM, S. (2001) Narratives in action. A strategy for research and analysis. Teachers College: Columbia University.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

SENA, J. Corpos dissidentes, saúde sexual e microbiopolíticas de resistência na Amazônia Atlântica. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 59, n. 3, p. 1710–1734, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661250. Acesso em: 25 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê