“Nós por nós”

enregistramento e desescalação do Coronavírus sob condições nervosas

Autores

Palavras-chave:

Enregistramento, Desescalação, Ordens de indexicalidade, Dobrevivência pragmatica, Papo reto, Coronavirus

Resumo

Neste artigo, exploramos como a linguagem e a comunicação têm sido uma das estratégias para combater a pandemia e assegurar a atenção à saúde nas áreas carentes das cidades. Para investigar tal aspecto, baseamo-nos nas concepções de enregistramento, des-escalação e ordens de indexicalidade. Focalizamos as práticas de sobrevivência pragmática implementadas pela Frente de Mobilização Maré que envolvem a produção e divulgação de material informativo sobre o Coronavírus em linguagem acessível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Branca Falabella Fabrício, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
Professor Associado da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.

Glenda Cristina Valim de Melo, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP. Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Memória Social, na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), Brasil.

Referências

AGHA, A. (2004). Registers of language. In Alessandro Duranti (ed.) A companion to Linguistic Anthropology. London: Blackwell, p. 23-45.

AGHA, A. (2007). Language and social relations. Cambridge: Cambridge University Press.

BLOMMAERT, J. (2005) Discourse: key topics in sociolinguistics. Cambridge: Cambridge University Press.

BORBA, R.; LOPES, A, (2018) Imundicie verbal e letramentos de intervenção. Linguagem e ensino 21, p. 241-285.

BORBA, R.; MILANI, T. (2019) Colonial intertexts: Discourses, bodies and stranger fetishism in the Brazilian media. Discourse, Context & media 30, p. 10-29.

BRIGGS, C. (2007) Anthropology, interviewing and communicability in contemporary society. Current Anthropology 48 (40), p. 551-580.

BUTLER. J. (1997). Excitable Speech. A politics of the performative. Nova York: Routledge.

CAMERON, D. (2012) Verbal hygiene. London: Routledge.

CARR, E. S.; FISHER, B. (2016). Interscaling awe, de-escalating disaster. In Carr, Summerson; Lempert, Michael. Scale: discourse and dimensions of social life. Oakland: University of California Press, p.133-156.

CARR, S.; LEMPERT, M. (2016). Scale: discourse and dimensions of social life. Oakland: University of California Press.

CAVALCANTI, M.; MAHER, T. (2017). Multilingual Brazil: language, resources, identities and ideologies in a globalized world. London: Routledge.

CARVALHO, P. (2020). “Você sabe que no morro não vai água na tornera” – COVID-19 nas favelas e o desafio de fazer chover. Maré de Notícias online. Available at <https://mareonline.com.br/artigos/voce-sabe-que-no-morro-nao-vai-agua-na-tornera-covid-19-nas-favelas-e-o-desafio-de-fazer-chover/ >. Access: 01/09/20

CUNHA, M. B. et al. (2015).O desastre no cotidiano da favela: reflexões a partir de três casos no Rio de Janeiro. O Social em Questão - Ano XVIII 33, p. 95-122.

DANGAREMBGA, T. (1988) Nervous conditions. London: The Women’s Press Ltd.

FABRÍCIO, B.F. (2014). The empire blogs back: Gendered and sexualized cultural “others” in superdiversified digital trajectories. Discourse, Context & Media 4(5), p. 7-18.

FERNANDES, T. M.; COSTA, R. G.-R. (2013). As comunidades de Manguinhos na história das favelas no Rio de Janeiro. Revista Tempo 19(34), p.117-133.

GOMES, L. (2017). Favelas e periferias do Rio de Janeiro sofrem com a tuberculose. Portal Fiocruz. Available at<https://portal.fiocruz.br/noticia/favelas-e-periferias-do-rio-de-janeiro-sofrem-com-tuberculose>. Access: 07/09/2020.

GOMES, N. L. (2019). A compreensão da tensão regulação/emancipação do corpo e da corporeidade negra na reinvenção da resistência democrática. Perseu: História, Memória e Política, v. 1, p. 123-142.

GONZALEZ, L. (1984). Racismo e Sexismo na Cultura Brasileira. In: Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244.

HALL, M. et al. (2012) On-line constructions of metrosexuality and masculinities: a membership categorization analysis. Gender and Language 6(2), p. 379-403.

KASMIR, S. (2018) Precarity. In S. F. Stein et al. (eds.) The Cambridge Encyclopedia of Anthropology. Available at < https://www.anthroencyclopedia.com/entry/precarity> Accsess: 24/09/2020.

IBGE-IPEA. (2020). Atlas da violência. Availabe at <https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/24/atlas-da-violencia-2020>. Access: 28/08/2020.

MBEMBE, A. (2003). Necropolitics, Public Culture, 15 (1):11-40.

MELO, G. V. (2019). Slave trade ads in the 19th century: textual trajectory, entextualization and indexical orders mobilized on contemporary ads. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 19, p. 871-900.

MOITA-LOPES, L. P. (2015). Introduction: Linguistic ideology – How Portuguese is being discursively constructed in late modernity. In Luiz Paulo Moita-Lopes (Ed.) Global Portuguese: linguistic ideologies in late modernity. London: Routledge, p. 9-26.

MUSSA, A.; SIMAS, L. A. (2010). Samba de enredo: história e arte. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

OLIVEIRA, B. C. de S. (2019). Sobrevivência pragmática da moradia favelada: a história de Dandara. In Adriana C. Lopes; Adriana Facina; Daniel N. Silva (Orgs.) Nó em pingo d’água: sobrevivência, cultura e linguagem. Rio de Janeiro: Mórula.; Florianópolis: Insular.

PINTO, J. P. (2015). From prefigured speaker identities to the disinvention of Portuguese. In Luiz Paulo Moita-Lopes (Ed.) Global Portuguese: linguistic ideologies in late modernity. London: Routledge, p. 105-123.

PORTO, M. F. de S. et al. 2015. Saúde e ambiente na favela: reflexões para uma promoção emancipatória da saúde. Serviço Social & Sociedade 123, p. 523-543.

RODRIGUES, R. I.; ARMSTRONG, K. (2019). A intervenção federal no Rio de Janeiro e as organizações da sociedade civil – Relatório de Pesquisa. IPEA. Available at <https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/arquivos/artigos/8695-182358intervencaofederalrio.pdf > Access: 28/08/20.

ROSE, D. (2000) Analysis of moving images. In: Bauer, M. W; Gaskell, G. Qualitative researching with text, image and sound: A Practical Handbook for Social Research. London: Sage, p.

SANTOS, B. S. (2020). A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Edições Almedina.

SCHEGLOFF, E. A. (2007) A tutorial on membership categorization. Journal of Pragmatics 39, p. 462-482.

WOOLARD, K. A. (1998). Language ideology as a field of inquiry. In: SCHIEFFELIN, B. B., WOOLARD, K. A. ; KROSKRITy, P. V (Eds.) Language Ideologies: Practice and Theory. Oxford: Oxford University Press, p. 3-47.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

FABRÍCIO, B. F.; MELO, G. C. V. de. “Nós por nós”: enregistramento e desescalação do Coronavírus sob condições nervosas. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 59, n. 3, p. 1884–1915, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661476. Acesso em: 25 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê