O racismo recreativo contra descendentes de asiáticos/as

uma abordagem discursiva

Autores

Palavras-chave:

Racismo recreativo , Semiótica discursiva , Preconceito, Asiáticos/as brasileiros/as

Resumo

Uma das características do racismo recreativo é a de estereotipar grupos a partir do humor e de personagens estereotipadas. Assim, se torna possível projetar comportamentos e valores sobre um grupo social minorizado, que se reduziria a alguns poucos comportamentos esperados. Por essa razão, o racismo recreativo tem como alvo pessoas não-brancas, ou seja, negros e, em menor grau, asiáticos e mestiços. O objetivo deste trabalho é examinar as estratégias discursivas de combate a tal racismo, recorrendo a um de seus principais instrumentos: o humor. Desejamos, assim, discutir quando um grupo minorizado assume esse mesmo procedimento discursivo para reelaborá-lo por meio da ironia, com o intuito de ressignificar determinadas práticas sociais ligadas a esse racismo recreativo. Como corpus, elegemos dois vídeos (“Coisas que asiáticos brasileiros sempre ouvem” e “Se asiáticos brasileiros fizessem perguntas que fazem para eles”) de um canal organizado no YouTube por um grupo de jovens artistas brasileiros/as de ascendência asiática, intitulado Yo Ban Boo. A partir do diálogo das teorias do discurso (semiótica discursiva e da análise do discurso), gostaríamos de discutir como os estereótipos são construídos nos vídeos selecionados, os modos como os asiáticos são, então, representados em uma identidade pouco diversa e como o humor pode ser usado para inverter os lugares de poder na interação entre brancos e não-brancos. Esperamos, assim, contribuir para uma espécie de pedagogia que principia o respeito à diversidade e à diferença que são atenuadas na constituição de tais tipos de discursos sobre grupos minorizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Marcelo Bueno, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Professor do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM).

Referências

ALMEIDA, S. (2019). Racismo estrutural. São Paulo: Pólen Livros.

AMOSSY, R.; HERSCHBERG-PIERROT, A. (2007). Stéréotypes et clichés. Paris, Armand Colin.

BUENO, A M. (2015). Para uma gramática da intolerância. Entremeios, v. 10, p. 57-68.

BUENO, A. M. Imigrantes japoneses e a língua portuguesa: um caso de preconceito linguístico. (2020). Revista de Estudos da Linguagem, v. 28, p. 455-478.

FIORIN, J. L. (1997). Linguagem e ideologia. São Paulo: Ática.

FONTANILLE, J.; ZILBERBERG, C. (2001). Tensão e significação. São Paulo: Discurso Editorial/Humanitas.

KILOMBA, G. (2019). Memórias da plantação. Rio de Janeiro: Cobogó.

LANDOWSKI, E. (2002). Presenças do outro. São Paulo: Perspectiva.

LANDOWSKI, E. (2014). Interações arriscadas. São Paulo: Estação das Letras e Cores.

MOREIRA, A. (2019). Racismo Recreativo. São Paulo: Pólen Livros.

SANTOS, J. R. dos. (1984). O que é racismo. São Paulo, Editora Brasiliense.

ZILBERBERG, C. (2011). Elementos de semiótica tensiva. São Paulo: Ateliê Editorial.

Downloads

Publicado

2022-06-29

Como Citar

BUENO, A. M. O racismo recreativo contra descendentes de asiáticos/as: uma abordagem discursiva. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 61, n. 1, p. 137–147, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661852. Acesso em: 2 out. 2022.