A ordem urbana religiosa no Rio de Janeiro colonial

  • Fania Fridman Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Valter Macedo Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Urbanismo.

Resumo

O desenho urbano, quando analisado em sua gênese, reflete os processos de acumulação e de parcelamento dos patrimônios territoriais verificados ao longo do tempo. Neste contexto, ordens religiosas e irmandades, através de seus patrimônios imobiliário e fundiário desempenharam, de uma forma geral e no caso específico do Rio de Janeiro, importante papel no processo de conformação do chão da cidade, desde sua fundação (1565) até a promulgação da Lei de Terras no Brasil (1850). Em relação ao período colonial, consideramos que a paisagem urbana estava vinculada à presença dos religiosos, uma vez que cada ordem, irmandade ou confraria dominava uma parcela do território, sendo esta dominação de base econômica - a produção agrícola, pastoril e de serviços, além do acúmulo de propriedades imobiliárias - e ideológica, exercida pela religião católica. Este texto analisa o papel desempenhado pela Igreja na produção do espaço e suas conseqüências sobre o cotidiano na cidade do Rio de Janeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fania Fridman, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professora Titular do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro onde coordena o Grupo de Estudos do Território e de História Urbana (GESTHU). Economista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, é mestre em Planejamento Urbano e Regional pela Coordenação de Programas de Pós Graduação em Engenharia (COPPE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutora em Economia Política pela Universidade de Paris VIII. Autora dos livros Donos do Rio em nome do Rei (Jorge Zahar Editor) e Paisagem Estrangeira (Casa da Palavra) pelo qual recebeu o Prêmio Milton Santos concedido pela ANPUR. Organizou os livros De cidades e territórios (PoD editora) e Cidades do Novo Mundo. Ensaios sobre urbanização e história (editora Garamond). Em conjunto com Mauricio Abreu editou Cidades latino-americanas. Um debate sobre a formação de núcleos urbanos (Casa da Palavra) e com Rogério Haesbaert publicou Mauricio Abreu. Escritos sobre espaço e história (editora Garamond). Dedica-se às questões relativas à formação dos territórios carioca e fluminense. Tem experiência na área de Planejamento Urbano e Regional, com ênfase em História Urbana.
Valter Macedo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Professor Adjunto do Departamento de Geografia Humana do Instituto de Geografia (IGEOG) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), pesquisador do Grupo de Estudos do Território e de História Urbana (GESTHU/IPPUR/UFRJ) e professor do quadro permanente do III COMAR (Comando da Aeronáutica)/Colégio Brigadeiro Newton Braga (CBNB). Tem doutorado e mestrado em Planejamento Urbano e Regional pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (IPPUR) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e desenvolve trabalho com ênfase 1) no processo histórico de articulação do território fluminense através da constituição de suas vilas, cidades e regiões e 2) no estudo do conceito de região em Geografia, buscando entender a sua importância na atualidade.

Referências

Avelar, H. A. Organização e vida político-administrativa e eclesiástica, in RIHGB (288), jul/set. 1970.

Bastide, R. As religiões africanas no Brasil. Contribuição a uma sociologia das interpretações de civilizações. São Paulo: Pioneira,1989.

Boxer, C. R. O império marítimo português (1415-1825). Lisboa: Edições 70, 1992

Coaracy, V. Memórias da cidade do Rio de Janeiro. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia/EdUSP, 1988.

Costa, J. J. Breve notícia da irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos do Rio Capital do Império do Brasil. Rio de Janeiro; Typ. Poytechnica, 1886.

Cruls, G. Aparência do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1965, 2 vols.

Cunha, L. A. Aspectos sociais da aprendizagem de ofícios manufatureiros no Brasil colônia, in Fórum 2 (4), out/dez 1978.

Facó, A. D. (coord.) Guia das igrejas históricas da cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Prefeitura Municipal/IplanRio/Noberto Odebrecht S.A., 1997.

Ferreira, J.C. A cidade do Rio de Janeiro e seu termo. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, 1976.

Fridman, F. Donos do Rio em nome do rei; uma história fundiária da cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Garamond/Jorge Zahar Editor, 1999.

Fridman, F.; Macedo, V. L. Irmandades de negros: desterro no Rio de Janeiro colonial. In: Anais do Seminário Nacional “Diáspora negra: uma contribuição à arquitetura e à organização do espaço no Brasil”. Salvador, UFBA/FAU, 1997.

Hoornaert, E. A Igreja no Brasil Colônia. São Paulo: Brasiliense, 1982.

Lacombe, L. L. Ordens religiosas, irmandades e confrarias, in RIHGB (288), jul/set. 1970.

Lima, O. Dom João VI no Brasil. Rio de Janeiro: TopBooks, 1996, 3a ed.

Macedo, S. D. T. Rio de Janeiro, guia turístico, histórico, sentimental da cidade mais bonita do mundo. Rio de Janeiro: s.n.t., 1945.

Marx, M. Cidade no Brasil, terra de quem? São Paulo: Nobel/EDUSP, 1991..

Maurício, A. Algo do meu velho Rio. Rio de Janeiro: Brasiliana, 1966.

Méro, E. Discriminação racial nas irmandades. Maceió: UFAL, 1983.

Mira, J. M. L. A evangelização do negro no período colonial brasileiro. São Paulo: Loyola, 1983

Pizarro e Araújo, J. S. A. Memórias históricas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1945, 11 vols.

Santos, J. G. Igreja de Nossa Senhora da Lampadosa; dos pretos-minas aos portugueses. Rio de Janeiro: UERJ/IFCH, monografia de Graduação, mimeo, 1990.

Scarano, J. Cotidiano e solidariedade; vida diária da gente de cor nas Minas Gerais do século XVIII. São Paulo: Brasiliense, 1994.

Schubert, G. A província eclesiástica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Agir, 1948.

Silva, M. B. N. Dicionário da colonização portuguesa no Brasil. Lisboa: Ed. Verbo, 1994.

Silva Telles, M. L. A conquista da terra e a conquista das almas. In: A forma e a imagem; arte e arquitetura jesuítica no Rio de Janeiro colonial. Rio de Janeiro: Ed. PUC, 1992.

Souza, L. M. O diabo e a terra de Santa Cruz; feitiçaria e religiosidade popular no Brasil Colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1986

Torres, J. C. O. História das idéias religiosas no Brasil, São Paulo: Ed. Grijalbo, 1968.

Vieira Fazenda, J. Antiqualhas e Memórias do Rio de Janeiro, in RIHGB (140) 1921, (142) 1923.

Publicado
2013-04-03
Como Citar
Fridman, F., & Macedo, V. (2013). A ordem urbana religiosa no Rio de Janeiro colonial. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 1(1), 1-21. https://doi.org/10.20396/urbana.v1i1.8635109