O grupo santa helena e o universo industrial paulista (1930-1940)

Autores

  • Patricia Martins Santos Freitas Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v3i1.8635125

Palavras-chave:

Grupo Santa Helena. Industrialização (São Paulo). Arte Brasileira. Patrimônio industrial.

Resumo

Entre as décadas de 1930 e 1940, reuniram-se em dois ateliês compartilhados no Palacete Santa Helena, os pintores que formaram o Grupo Santa Helena. Dentre suas obras, são notáveis as paisagens em que os artistas registraram o crescimento industrial e urbano de São Paulo. A presente pesquisa visa analisar este registro, por meio do estudo de obras em que os santelenistas retrataram o universo fabril e do modo como a crítica de arte do período, bem como a historiografia subseqüente, interpretaram suas produções. Objetivou-se também caracterizar as formas encontradas pelo Grupo para representar o mundo industrial em suas telas, considerando, a partir do corpus trabalhado, as paisagens industriais como aquelas em que aparecem os signos do urbano e fabril, como as chaminés das fábricas e usinas, mas também as estações de trem e a própria figura do operário. Com intuito de compreender como o Grupo Santa Helena e suas obras se inseriram em seu momento histórico, foram estudadas suas origens, formações profissionais, além da relação que mantinham com o cenário artístico paulista da época. Para tanto, as obras santelenistas foram colocadas em diálogo com produções contemporâneas, brasileiras e internacionais, de modo a apreendermos certa sensibilidade do período. Em um segundo momento, as críticas e a historiografia foram observadas com o objetivo de se entender a construção da identidade do Grupo Santa Helena.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Martins Santos Freitas, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em História pela Universidade Estadual de Campinas (2007) e mestrado em História pela Universidade Estadual de Campinas (2011). Atualmente é doutoranda do programa de pós-graduação em História da Arte, da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de História, atuando principalmente nos seguintes temas: história da arte brasileira, patrimônio industrial, industrialização de São Paulo, paisagens industriais, muralismo e arquitetura.

Referências

ALMEIDA, Paulo Mendes de. De Anita ao Museu. São Paulo: Perspectiva, 1976.

BRILL, Alice Czapsky. Aspectos da obra de Mário Zanini: do Grupo Santa Helena às Bienais. São Paulo: USP, 1982 (Dissertação de Mestrado em Filosofia).

CAMPOS, Celia Lucia Rodrigues Torres Parahyba. Rebolo: uma poética da paisagem. São Paulo: Universidade São Paulo, 1990, 159p. (Dissertação, Mestrado em Artes).

CAMPOS, Candido Malta (org.). Palacete Santa Helena: um pioneiro da modernidade em São Paulo. Editora Senac São Paulo: São Paulo, 2006.

GONÇALVES, Lisbeth Rebollo. Aldo Bonadei: o percurso de um pintor. São Paulo: Perspectiva, 1990.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Saudades de São Paulo. Tradução Paulo Neves. Ricardo Mendes (org.), 1a edição. São Paulo: Cia. Das Letras, 1996.

ZANINI, Walter. A arte no Brasil nas décadas de 1930-40: O Grupo Santa Helena. São Paulo: Nobel, 1991.

Downloads

Publicado

2011-03-14

Como Citar

FREITAS, P. M. S. O grupo santa helena e o universo industrial paulista (1930-1940). URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 1–19, 2011. DOI: 10.20396/urbana.v3i1.8635125. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8635125. Acesso em: 27 jun. 2022.