Mulheres Invisíveis. Princípios para uma reconstrução do discurso em Arquitetura

  • Paula Monteiro Portugal
Palavras-chave: Mulher. Arquitetura. Discurso.

Resumo

O discurso arquitetônico sempre promoveu a figura masculina enquanto ator principal. Em Portugal realidade arrastou-se até meados do século XX, momento em que se diplomam as primeiras arquitetas. Ainda que as circunstâncias comecem a transformar-se, tornando-se a arquitetura uma profissão que caminha para a paridade de géneros, os percursos destas arquitetas pioneiras, que quebraram preconceitos, continuam afastados do protagonismo autoral. As implicações desta lacuna no conhecimento da disciplina e da profissão torna-se evidente quando, atendendo às novas preocupações da disciplina, a revisão da história e dos seus protagonistas se torna cada vez mais pertinente, com potencialidades reveladoras de um novo modo de olhar para a profissão, de uma nova realidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Monteiro, Portugal
Portugal.

Referências

BENJAMIN, Walter. 2010. O Anjo da História. Trad. Barrento. Lisboa: Assírio & Alvim.

BISMARCK, Pedro. (08 de Setembro de 2012). A promessa da Arquitectura. Considerações sobre a geração por vir. Consultado a 10 de Dezembro de 2015. Disponível em: http://artecapital.net/arq_des-87-a-promessa-da-arquitectura-consideracoes-sobre-a-geracao-por-vir

BOMBELLI, Maria Cristina. 2011. Alice no país dos negócios. Como tornar-se uma líder permanecendo mulher. Lisboa: Babel.

BRANDÃO, Pedro. 2006. O Arquiteto e Outras imperfeições: ética, identidade e prospetiva da profissão. Lisboa: Livros Horizonte.

BRUNO, Cristina. (maio de 2007). Museus e Patrimônio Universal. In V Encontro do ICOM BRASIL, Fórum dos Museus de Pernambuco. Recife.

CARREIRO, Maria. (2013). Mujeres Arquitectas de Galicia". Consultado em 27 Dezembro 2013. Disponível em www.galarq.com/entrevista-a-maria-carreiro-mulleres-arquitectas-de-galicia-maga

COLOMINA, Beatriz (ed.) 1992. Sexuality & Space. New Jersey: Princeton Architectural Press.

COLOMINA, Beatriz. 1994. Privacy and Publicity. Modern Architecture as Mass Media. Massachusetts: The MIT Press.

DUBY, Georges e Perrot, Michelle. 1994- 1995. História das mulheres no ocidente. Vols. 1 – 5. Trad. Maria Helena da Cruz Coelho, Irene Maria Vaquinhas, Leontina Ventura e Guilhermina Mota. T. Orig. “Storia delle donne”. Porto: Afrontamento.

FOUCAULT, Michel. 1966, As palavras e as coisas. Lisboa: Edições 70

JALLAGEAS, Neide. “Respostas mínimas a questões máximas: sobre a (in)visibilidade da mulher artista na história da arte”. [em linha], 2000, [Consult. 16 Outubro 2014]. Disponível em http://www.academia.edu/8129168/Respostas_m%C3%ADnimas_a_quest%C3%B5es_m%C3%A1ximas_sobre_a_in_visibilidade_da_mulher_artista_na_hist%C3%B3ria_da_arte

Publicado
2016-10-31
Como Citar
Monteiro, P. (2016). Mulheres Invisíveis. Princípios para uma reconstrução do discurso em Arquitetura. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 7(2), 55-64. https://doi.org/10.20396/urbana.v7i2.8642604