O grafite na cidade modernista

Palavras-chave: Grafite. Brasília. Modernismo urbano. Imaginários urbanos.

Resumo

O grafite, expressão plástica e visual encontrada em ruas, muros e viadutos das grandes cidades, enfrenta em Brasília um desafio espacial para a sua realização e revela outras dimensões da capital, para além da centralidade político-administrativa e da arquitetura monumental. Justamente por ser realizada no espaço público, a prática do grafite dialoga diretamente com a arquitetura singular da cidade e encontra em suas especificidades dinâmicas próprias para a sua execução. Este artigo tem como objetivo apresentar e analisar os grafites brasilienses como representação social da cidade, evidenciando questões territoriais e que permeiam o imaginário urbano. Para tanto, destaca-se a inscrição de grafites em alguns lugares específicos do Plano Piloto, como as “tesourinhas”, viadutos, passagens subterrâneas e a Via W3, resignificando esses lugares por meio de uma ocupação criativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Silva Almendra, Universidade de Brasília
Doutoranda em História pela Universidade de Brasília e servidora do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC).

Referências

ARGAN, J.C. História da arte como história da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ARRUDA, Fabiana; BARROS, Bruna Cavalcante; CARVALHO, Eliezé. Utilização de passagens subterrâneas para pedestres: o caso do Eixo Rodoviário em Brasília. In: Anais do XXXI Congresso Nacional de Pesquisa em Transportes a ANPET. Recife: Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes, 2017.

BARROS, José d’Assunção. Cidade e História. Petrópolis: Vozes, 2007.

CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2013.

CARVALHO, Carlos Marcelo. Eu engoli Brasília. Brasília: Edição do autor, 2004.

CASTELO, Luís Filipe Montenegro. Fissuras urbanas. Dissertação de Mestrado em Arquitetura e Urbanismo. Universidade de Brasília, 2008.

CAVALCANTI, Lauro. Brasília: a construção de um exemplo. In: KATINSKY, Júlio; XAVIER, Alberto (Org). Brasília: antologia crítica. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

COSTA, L. (1991) Relatório do plano piloto de Brasília. Brasília. Governo do Distrito Federal: Departamento do Patrimônio Histórico e Artístico do Distrito Federal. Disponível em: http://doc.brazilia.jor.br/plano-piloto-Brasilia/relatorio-Lucio-Costa.shtml, acesso em 27/12/2017.

HOLANDA, Frederico de. Além do maniqueísmo. In: KATINSKY, Júlio; XAVIER, Alberto (orgs). Brasília: antologia crítica. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

HOLANDA, Frederico de. Via W-3, Brasília: nossa futura Broadway? In: RIBEIRO, Sandra Bernardes; PERPÉTUO, Thiago (orgs.). Patrimônio em transformação: atualidades e permanências na preservação de bens culturais em Brasília. Brasília: IPHAN, 2016.

HOLSTON, James. A cidade modernista. Uma crítica a Brasília e sua utopia. São Paulo, Companhia das Letras, 1993.

HOLSTON, James. O espírito de Brasília: modernidade como experimento e risco. In: NOBRE, Ana Luiza et al. Um modo de ser moderno: Lucio Costa e a crítica contemporânea. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

KUBITSCHEK, Juscelino. Por que construí Brasília. Brasília: Senado Federal, 2000.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2011.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

MENEZES, Marilene Resende de. O lugar do pedestre no plano piloto de Brasília. Dissertação de Mestrado em Arquitetura e Urbanismo. Universidade de Brasília, 2008.

MONTERO, Luis Garcia. Luna en el sur. Sevilha: Editorial Renascimiento, 1972.

PALLAMIN, Vera Maria. Arte, cultura e cidade: aspectos estéticos-políticos contemporâneos. São Paulo: Annablume Editora, 2013.

PARK, Robert Ezra. A cidade: sugestões para a investigação do comportamento humano no meio urbano. In: VELHO, Otávio Guilherme (Org). Fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

REIS, Carlos Madson. Conjunto urbanístico de Brasília: da preservação e outros demônios. In: RIBEIRO, Sandra Bernardes; PERPÉTUO, Thiago (Org.). Patrimônio em transformação: atualidades e permanências na preservação de bens culturais em Brasília. Brasília: IPHAN, 2016.

SILVA, Armando. Imaginários urbanos. São Paulo: Perspectiva, 2011.

SILVA, Paulo César Marques da. Mobilidade, acessibilidade e velocidade no eixo rodoviário. In: RIBEIRO, Sandra Bernardes; PERPÉTUO, Thiago (Org.). Patrimônio em transformação: atualidades e permanências na preservação de bens culturais em Brasília. Brasília: IPHAN, 2016.

VIANA, Maria Luíza Dias. Dissidência e subordinação: um estudo dos grafites como fenômeno estético/cultural e seus desdobramentos. Dissertação de Mestrado em Artes. Universidade Federal de Belo Horizonte, 2007.

VIDAL, Laurent. De Nova Lisboa a Brasília: a invenção de uma capital (séculos XIX-XX). Brasília: UnB, 2009.

Publicado
2019-03-14
Como Citar
Almendra, R. S. (2019). O grafite na cidade modernista. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 10(2), 345-370. https://doi.org/10.20396/urbana.v10i2.8651973