Memórias ferroviárias de Brasília

Palavras-chave: Memória ferroviária, Patrimônio ferroviário, Ferrovia, Brasília.

Resumo

O trabalho traça a construção da memória ferroviária de Brasília dos anos 1960 aos dias atuais. A mudança da capital induziu a construção de ferrovias que ligassem a nova cidade ao país, processo marcado por acontecimentos políticos, econômicos e sociais, que influenciaram o desenvolvimento da ferrovia ao longo dos anos. O estudo focaliza a forma como a memória ferroviária brasiliense se constituiu de acordo com fatores locais, sociais e coletivos. Foram consultados estudos sobre memória e patrimônio, além de periódicos da época. A ferrovia é apresentada não por meio de uma perspectiva técnica, mas pelo modo como as especificidades dos complexos ferroviários da capital atuaram de forma a estruturar memórias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Reis Ribeiro, Universidade de Brasília

Graduanda do último semestre de Arquitetura e Urbanismo na Universidade de Brasília. Foi bolsista da CAPES no exterior, realizando graduação sanduíche na Louisiana State University entre 2015 e 2016.

Ana Elisabete de Almeida Medeiros, Universidade de Brasília

Pós-doutora em Urbanismo pelo Laboratório PACTE - IUG/IGEA da UPMF, em Grenoble. Professora Adjunta II do Departamento de Teoria e História da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília.

Referências

Revista Brasília, Rio de Janeiro: Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), números 10, 11, 12, 19, 21 e 22 (digitalizados). Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/biblioteca.

º Trem em Brasília (1968). Revista REFESA, Rio de Janeiro: Rede Ferroviária Federal, mar/abr de 1968, p. 4-7.

A Velha Ferrovia (2014). Correio Brasiliense, 21 set. 2014. Disponível em: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/revista/2014/09/21/interna_revista_correio,447755/a-velha-ferrovia.shtm. Acesso em: 12 out. de 2017.

ARAGÃO, Guilherme de (1958). Brasília e o soerguimento econômico. Revista Brasília, Rio de Janeiro,n. 21, setembro de 1958, p. 11.

ARAÚJO, Délio Moreira Araújo (1968). Estrada de Ferro, set.-out. 1968.

BOITEUX, Paulo Mugayar (2014). História das Ferrovias Brasileiras. Rio de Janeiro, RJ: Letra Capital.

BRASIL (2007). Lei nº 11.483/2007, de 31 de maio de 2007. Dispõe sobre a revitalização do setor ferroviário, altera dispositivos da Lei no 10.233, de 5 de junho de 2001, e dá outras providências.

CARVALHO, Ilmar (1968). O trem na música popular brasileira. Revista REFESA, Rio de Janeiro: Rede Ferroviária Federal, mar/abr de 1968, p. 28-31.

CAVALCANTI, Flávio (2013). Como foi, como seria, o que se fez, e o que resta da Esplanada ferroviária de Brasília. Dezembro de 2013. Disponível em: doc.brazilia.jor.br/ferrovia-Brasilia/esplanada-ferroviaria-Brasilia.shtml. Acesso em: 03 out. 2017.

COSTA, Lucio (1991). Brasília, cidade que inventei. Relatório do Plano Piloto de Brasília. Brasília, DF: ArPDF, CODEPLAN, DePHA, 76 p.

Dicionário enciclopédico Ruth Rocha/Hindenburg da Silva Pires (2000). São Paulo: Scipione. Esplanada Ferroviária de Brasília. Disponível em: http://doc.brazilia.jor.br/ferrovia-Brasilia/esplanada-ferroviaria-PPCUB-2013.shtml. Acesso em: 10 ago. 2017.

Brasília. Estações Ferroviárias do Brasil. RFFSA (1981-1996). Revista RAE. Disponível em: http://www.estacoesferroviarias.com.br/efgoiaz/brasilia.htm. Acesso em: 27 ago. 2017.

FACCIO, Ana Júlia (2016). Infraestrutura ferroviária e privatização. O caso do trecho ferroviário Passo-Fundo Marcelino Ramos, na região do Alto Uruguai - RS. In: UCZAI, Pedro Francisco (Org). Ferrovia e desenvolvimento brasileiro: esse é o caminho. 2ª edição. Brasília: 2016. 420 p.

FREIRE, M. E., CAVALCANTI, F., BESSONI, G., & FREITAS (2012). Patrimônio ferroviário: memória ou esquecimento? Abordagem conceitual no processo de valoração do patrimônio ferroviário em Pernambuco. VI Colóquio Latino-Americano sobre Recuperação e Preservação do Patrimônio Industrial. 21p.

GUEDES, Maria Tarcila Ferreira; MAIO, Luciana Mourão (2016). Bem cultural. In: GRIECO, Bettina; TEIXEIRA, Luciano; THOMPSON, Analucia (Orgs.). Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural. 2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro, Brasília: IPHAN/DAF/Copedoc, 2016. (verbete).

KÜHL, Beatriz Mugayar (1998). Arquitetura do ferro e arquitetura ferroviária em São Paulo: Reflexos sobre a sua preservação. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 436 p.

__________ (2009). Preservação do Patrimônio Arquitetônico da Industrialização: problemas teóricos de restauro. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 325 p.

MATOS, Lucina Ferreira (2015). Memória Ferroviária: da mobilização social à política pública de patrimônio. 200 f. Tese de Doutorado - Fundação Getúlio Vargas Escola de Ciências Sociais/ CPDOC. Rio de Janeiro..

MESQUITA, Leony (1969). Quarenta meses. Revista Brasília, Rio de Janeiro, maio de 1962 a setembro de 1963, p. 39.

NORA, Pierre (1993). Entre memória e história: a problemática dos lugares. Tradução de Yara Aun Khoury.

Pátio de Brasília será o maior (1970). REFESA, nov.-dez.

Patrimônio Ferroviário (2017). IPHAN. Disponível em:

http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/127. Acesso em: 27 ago. 2017.

POLLACK, Michael (1989). Memória, Esquecimento, Silêncio. Tradução de Dora Rocha Flaksman. Estudos Históricos. Rio de Janeiro. Volume 2, n. 3. 1989, p. 3-15.

PROCHNOW, Lucas Neves (2014). O Iphan e o patrimônio ferroviário: a memória ferroviária como instrumento de preservação. 177 f. Dissertação de Mestrado - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Rio de Janeiro..

__________. Memória ferroviária. In: REZENDE, Maria Beatriz; GRIECO, Bettina; TEIXEIRA, Luciano; THOMPSON, Analucia (Orgs.). Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural. 1. ed. Rio de Janeiro, Brasília: IPHAN/DAF/Copedoc, 2015. (verbete). ISBN 978-85-7334-279-6

NETO, José Rodrigues; CARNEIRO, Fernanda Gilbertoni; GIANNECCHINI, Ana Clara (2011). Avanços e desafios na preservação do patrimônio ferroviário pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. In: VI Colóquio Latino Americano sobre Recuperação e Preservação do Patrimônio Industrial.

SILVEIRA, Márcio Rogério (2007). Estradas de ferro no Brasil: das primeiras construções às parcerias público- privadas. Rio de Janeiro, RJ: Interticiência, 204 p.

SIQUEIRA, Ingrid (2015). Intervenção em Patrimônio Cultural. O caso da Estação Bernardo Sayão. Trabalho Final de Graduação. Orientadora: Profa. Dra. Maria Cecília Gabriele. Brasília: FAU/UnB. 48f.

UCZAI, Pedro Francisco (2016). Ferrovia e desenvolvimento brasileiro: esse é o caminho. 2ª edição. Brasília: s/ed. 420 p.

WITTMANN, Agelina (2016). Por que “apagaram” a ferrovia no Vale do Itajaí - SC e no Brasil?. In: UCZAI, Pedro Francisco (Org). Ferrovia e desenvolvimento brasileiro: esse é o caminho. 2ª edição. Brasília.

Publicado
2019-02-23
Como Citar
Ribeiro, F. R., & Medeiros, A. E. de A. (2019). Memórias ferroviárias de Brasília. URBANA: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 10(3), 498-526. https://doi.org/10.20396/urbana.v10i3.8651995