A cidade enquanto obra de arte e a arte enquanto revelação do sujeito

além da técnica e da estética, um olhar para a subjetividade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v11i3.8656273

Palavras-chave:

Arte, Cidade, Sujeito, Lugar, Latência

Resumo

O seguinte artigo analisa a necessidade de reunião dos conceitos de cidade e lugar, a saber de Argan e Santos respectivamente, partindo das mudanças na concepção da arte contemporânea, quando proposto que é na relação entre o sujeito e a obra que brota o objeto artístico. Para tanto utiliza três objetos de arte, e suas relações com o espaço vivido, lançando mão de metodologias típicas da antropologia, e construindo reflexões dialéticas que surgem a partir da exploração conceitual. Conclui, afirmando que a cidade enquanto obra de arte se mantém em estado de latência, até que a relação entre o sujeito e o espaço à determina de fato como objeto desta natureza portanto, é a medida em que a cidade se torna um lugar que esta passa a ser percebida como arte, tendo assim a técnica e forma, elementos necessários, mas não suficientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Silva Nascimento, Universidade do Estado da Bahia

Graduando em Urbanismo pela Universidade do Estado da Bahia, Campus I, lotado no Departamento de Ciências Exatas e da Terra.

Beatriz Santos Alves Lopes Boaventura, Universidade do Estado da Bahia

Graduação em andamento em Urbanismo pela Universidade do Estado da Bahia.

Isaura Oliveira Figueiredo, Univesidade do Estado da Bahia

Graduanda em Urbanismo, pela Universidade do Estado da Bahia. Membro do Grupo de Pesquisa Territórios (Rede e Ação Política) da Universidade do Estado da Bahia.

Referências

ARGAN, Giulio Carlo. História da arte como história da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BAUDRY, Patrick. O pornô como experiência urbana. Cadernos PPGAU/FAUFBA, v. 7, p. 55-65, 2008.

BENJAMIM, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BOURDIEU, Pierre. A distinção. São Paulo: Edusp, 2007.

CARDOSO FILHO, Carlos Antônio. A subjetividade, o Fora e a cidade: repensando o sujeito, o espaço e a materialidade. Fractal: Revista de Psicologia, v. 28, n. 2, p. 242-251, 2016.

CARDOSO, Wilson Benes de Oliveira; VALADARES, Jorge de Campos. O ritmo das transformações, a exclusão, a legislação urbana e a condição humana na cidade. Ciência & Saúde Coletiva, v. 7, p. 313-323, 2002.

CARTAXO, Zalinda. Arte nos espaços públicos: a cidade como realidade. O Percevejo Online, v. 1, n. 1, 2009.

ECO, Umberto. 1968. A estrutura ausente, 1976.

EWALD, Ariane Patrícia; GONÇALVES, Rafael Ramos; BRAVO, Camila Fernandes. O espaço enquanto lugar da Subjetividade. Revista Mal-Estar e Subjetividade, v. 8, n. 3, p. 755-777, 2008.

FERRARA, Lucrécia DAlessio. As mediações da paisagem. Líbero, São Paulo, v. 29, n. 15, p. 43-50, 2012.

FISCHER, Ernst. A necessidade da arte: uma interpretação marxista. Zahar, 1967.

FREITAS, S. Arte, Cidade e Espaço Público: perspectivas estéticas e sociais. Artigo científico apresentado no I Enecult - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, Facom-UFBA, 2005.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. LeBooks Editora, 2019.

GARCÍA CANCLINI, Néstor et al. O patrimônio cultural e a construção imaginária do nacional. Revista de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, v. 2, p. 95-115, 1994.

GOMBRICH, Ernest Hans: TORROELLA, Rafael Santos; SETÓ, Javier. Historia del arte. Nueva York: Phaidon, 1997.

GUSMÃO, Roney. Requalificação pela desqualificação: o discurso da reurbanização no “novo” Rio Vermelho. GEOUSP: Espaço E Tempo (Online), v. 21, n. 2, p. 531-549, 2017.

KERTÉSZ, Eliana. Perfil & Opinião com Eliana Kertész [jan. 2014]. Entrevistadora: Denny Fingergut. Salvador: IRDEB, 2014. Entrevista concedida ao Programa Perfil & Opinião da TVE Bahia. Disponível em: < http://www.irdeb.ba.gov.br/tve/catalogo/ media/view/5467>. Acesso em: 10 jan. 2020.

LYNCH, Kevin; CAMARGO, Jefferson Luiz. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

MOASSAB, Andréia; REBOUÇAS, Renato. Arte e cidade: construindo territorialidades. Seminário arte e cidade, v. 1, 2006.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Revista estudos históricos, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos, v. 5, n. 10, p. 200-215, 1992.

SANTOS, Carlos Nelson Ferreira dos. Preservar não é tombar, renovar não é pôr tudo abaixo. Revista Projeto, v. 86, p. 59-63, 1986.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. Edusp, 2002.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do Espaço Habitado. São Paulo: Editora Hucitec,1988.

SANTOS, Milton. O Lugar: encontrando o futuro. Revista de urbanismo e arquitetura, v. 4, n. 1, 1996.

TEIXEIRA, Arq Marina Coêlho; SANTOS, Mg Arq Jacileda Cerqueira. Leituras possíveis: a paisagem do Largo da Mariquita. Arquisur Revista, v. 5, n. 7, p. 96-111, 2015.

VELAME, Fábio Macêdo. Orixás nos espaços públicos de Salvador: um processo de dessacralização–estetização–espetacularização do patrimônio afro-brasileiro. 2009.

ZORZO, Francisco Antônio. A visualidade urbana contemporânea como campo de estudos interdisciplinares. A Cor das Letras, v. 13, n. 1, p. 61-78, 2017.

Downloads

Publicado

2020-05-07

Como Citar

SILVA, A. C. S. e .; NASCIMENTO, M. S.; BOAVENTURA, B. S. A. L.; FIGUEIREDO, I. O. . A cidade enquanto obra de arte e a arte enquanto revelação do sujeito: além da técnica e da estética, um olhar para a subjetividade. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 11, n. 3, p. 191–231, 2020. DOI: 10.20396/urbana.v11i3.8656273. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8656273. Acesso em: 3 dez. 2022.