Cenário de festas de largo em Salvador

da expressão cultural à padronização

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/urbana.v11i3.8656274

Palavras-chave:

Cenário de festa de largo, Estruturas efêmeras, Barracas de comida e bebida, Levantamento sistemático de literatura, Sistemas dinâmicos instáveis

Resumo

Este trabalho apresenta uma narrativa histórica sobre as intervenções municipais que regulamentam as festas populares em Salvador - Bahia, especialmente no que diz respeito às suas barracas de comida e bebida. Para tal, foi realizado um levantamento sistemático de literatura no acervo on-line das Leis do município que identificou 15 marcos regulatórios no período entre 1989 e 2018. Analisando estes marcos, foi possível perceber como o poder público foi padronizando as barracas das festas e reduzindo as possibilidades de personalização e de produção cultural nestes objetos urbanos efêmeros que marcam a paisagem durante os festejos. Esta pesquisa entende as Festas de Largo como sistemas dinâmicos instáveis. Ao analisar sua história, é possível propor mudanças no sentido de resgatar valores culturais que foram se perdendo ao longo dos anos. Este trabalho é parte inicial de uma pesquisa de doutorado que objetiva potencializar o resgate da produção cultural e artística das barracas de venda de comida e bebida em Festas de Largo, utilizando novas tecnologias de fabricação digital, especialmente o conceito de personalização em massa. Sua maior contribuição se dá pela sistematização e análise da história das barracas, entendendo e ressaltando a importância dos marcos legais no desenvolvimento destes artefatos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Emília Regina, Universidade Federal da Bahia

Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Pernambuco. Mestre em Conservação e Restauração (MP - CECRE) pela Universidade Federal da Bahia. Professora Assistente do Departamento II - Expressão Gráfica e Tridimensional da Escola de Belas Artes (EBA) da Universidade Federal da Bahia.

Erica de Sousa Checcucci, Universidade Federal da Bahia

Mestre em Arquitetura, Critica e Projeto pela Universidad Politecnica de Cataluña, validado pela Universidade Federal da Bahia e doutorado em Difusão do Conhecimento pela Universidade Federal da Bahia. Professora adjunta da Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia.

Referências

BRANDÃO, C. R. A cultura na rua. Campinas, SP: Papirus, 1989.

CAMPBELL, B. Arte para uma cidade sensível / Art for a sensitive city. São Paulo: Invisíveis Produções, 2015.

CASTRO JUNIOR, L. V. Festa e corpo: as expressões artísticas e culturais nas festas populares baianas. Salvador: EDUFBA, 2014.

CARVALHO, R. F. Temporalidade e historicidade em Ilya Prigogine. Goiânia: Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de História, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2012. Disponível em: https://pos.historia.ufg.br/up/113/o/RODRIGO_FRAN%C3%87A_CARVALHO.pdf. Acesso em: 19 dez. 2019.

CARVALHO, M. J. A Cidade efêmera do carnaval. Salvador: Editora da UFBA, 2016.

MORET, M. A.;PEREIRA, H. B. B.; Galeão, A.C. ; Monteiro, S.L. Evolution of species from Darwin theory: A simple model. Physica. A (Print) v. 391, p. 2803-2806, 2012.

NUSSENZVEIOG, M. Complexidade e caos. Rio de Janeiro: Ed UFRJ/ COPEA, 2003.

PRIGOGINE, I. As Leis do caos. São Paulo: UNESP, 2002.

SALVADOR. Portal da cidade. Disponível em: https://www.salvadordabahia.com/eventos/festas-populares-e-ensaios-de-verao/. Acesso em: 7 jan. 2020.

SANT’ANNA, M. Fala de Márcia Sant’Anna, Diretora de Patrimônio Imaterial do Iphan, na Inauguração de imóvel restaurado da 7ª etapa do CHS, 2007. Disponível em: http://www.ipac.ba.gov.br/wp-content/uploads/2011/11/chs.pdf. Acesso em: 04/08/2014.

Downloads

Publicado

2020-05-07

Como Citar

REGINA, M. E.; CHECCUCCI, E. de S. . Cenário de festas de largo em Salvador: da expressão cultural à padronização. URBANA: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, Campinas, SP, v. 11, n. 3, p. 232–258, 2020. DOI: 10.20396/urbana.v11i3.8656274. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/urbana/article/view/8656274. Acesso em: 6 out. 2022.