Banner Portal
Os marcadores de tempos indígenas e a etnomatemática
PDF

Palavras-chave

Etnomatemática
Marcadores de tempos
Saber ambiental
Tempos indígenas

Como Citar

FILHO, João Severino; JANUÁRIO, Elias R. da Silva. Os marcadores de tempos indígenas e a etnomatemática: a pluralidade epistemológica da ciência. Zetetike, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. 37–70, 2011. DOI: 10.20396/zet.v19i35.8646645. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646645. Acesso em: 19 jun. 2024.

Resumo

Este trabalho tratou o fenômeno dos marcadores de tempos indígenas enquanto uma manifestação sociocultural, a partir do olhar dos professores de diferentes etnias indígenas do estado do Mato Grosso, acadêmicos da Faculdade Indígena Intercultural da Unemat. Esse fenômeno revela-se como um exemplo de extraordinário conhecimento que as sociedades indígenas têm de si e dos territórios que habitam, numa relação recíproca entre as pessoas e destas com o ambiente, o que traz a possibilidade de uma produção científica impregnada e legitimada por eles, que tenha como fim e como condição para validá-la o bem-estar ambiental e social. O tempo, caracterizado como resultante da construção e da expressão dos modos de vida de uma sociedade, é concebido a partir do “saber matemático” e das respostas às necessidades de transcendência espiritual e teórica dos seres humanos. O saber matemático, na perspectiva do Programa Etnomatemática, de D’Ambrosio, perpassa toda essa dinâmica de relações e acomoda em seus fundamentos a compreensão de que ambiente e sociedade fazem parte de um único e indissociável corpo de pesquisa sobre os saberes produzidos por grupos culturalmente distintos, bem como sobre o processo dinâmico de produção, organização intelectual e social e disseminação desse conhecimento, além dos processos de adaptação e reelaboração que a acompanham.

https://doi.org/10.20396/zet.v19i35.8646645
PDF

Referências

BRANDÃO, C. R. Somos as águas. Campinas, SP: Papirus, 1994.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática. Arte ou técnica de explicar e conhecer. São Paulo: Ática, 1990.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: um programa. Educação Matemática em Revista – SBEM, Blumenau, n. 1, p. 5-11, 1993.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática – elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

ELIAS, N. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

FERREIRA, M. K. L. (Org.). Ideias matemáticas de povos culturalmente distintos. São Paulo: Global, 2002.

GEERTZ, C. O saber local. Trad. Vera Mello Joscelyne. Petrópolis: Vozes, 1998. GOUREVITCH, A. Y. O tempo como problema de história cultural. In: RICOEUR, P. (Org.). As culturas e o tempo. São Paulo: EDUSP, 1975.

JANUÁRIO, E. Formação de professores indígenas em serviço: a etapa de estudos cooperados de ensino e pesquisa – intermediária. Cadernos de Educação Escolar Indígena. — Projeto de Formação de Professores Indígenas/ 3º Grau Indígena, UNEMAT, Barra do Bugres, MT, v. 2, n. 1, p. 56-65, 2003.

KNIJNIK, G. Exclusão e resistência. Educação Matemática e legitimidade cultural. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

LEFF, E. Saber ambiental. Sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes; PNUMA, 2002.

LIMA, S. Mosaico de interculturalidade no Programa de Educação Superior Indígena Intercultural: aspectos sobre o direito. Dissertação (Mestrado) — Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, Universidade do Estado do Mato Grosso, Cáceres, MT, 2009.

LINHART, J. Universidades indígenas - programas de Educação Indígena Superior na América Latina: a caminho de uma ciência intercultural? Dissertação (Mestrado) — Universidade de Munique, Munique, Alemanha, 2007. 230p.

MELO, E. A. S. Povos indígenas, identidade e escrita: constituição de uma autoria acadêmica. Tese (Doutorado) — Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas, 2009. 164p.

SANTOS, B. de S. (Org.). Semear outras soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SANTOS, B. de S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n.78, p.3-46, out. 2007.

SCANDIUZZI, P. P. Educação matemática indígena: a constituição do ser entre os saberes e fazeres. In: BICUDO, M. A. V.; BORBA, M. de C. (Org.). Educação matemática pesquisa em movimento. São Paulo, SP: Cortez, 2004.

SEBASTIANI FERREIRA, E. Por uma teoria de Etnomatemática. Bolema, Rio Claro, n. 7, p. 30-35, 1991.

SEVERINO FILHO, J. Marcadores de tempo indígenas: educação ambiental e etnomatemática. Dissertação (Mestrado) — Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, Universidade Estado do Mato Grosso, Cáceres, 2010. 160p.

SILVA, L. P. da. Arqueologia e Ensino Superior indígena: uma experiência na Universidade do Estado de Mato Grosso, Campus de Barra do Bugres. Dissertação (Mestrado) — Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2007. 290p.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.