Por um novo modelo de professor: os livros publicados pela Cades

Palavras-chave: Campanha de aperfeiçoamento e difusão do ensino secundário. Formação de professores. Ensino secundário. Livros de didática.

Resumo

O presente artigo, inscrito no campo da História da Educação Matemática, apresenta um estudo sobre as obras publicadas pela Campanha de Aperfeiçoamento e Difusão do Ensino Secundário (Cades), de modo especial aquelas voltadas ao ensino de Matemática. Defendemos que tais obras – junto a outras ações implementadas pela Campanha – foram uma tática da Cades para criar um novo modelo de professor secundário no Brasil, nas décadas de 1950 e 1960, quando tanto o mercado quanto o contexto político e social exigiam alterações fundamentais na escola e nas práticas pedagógicas de seus professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Camila Both Miranda, Universidade Estadual Paulista
Doutora em Educação Matemática pela Unesp - Rio Claro.
Antonio Vicente Marafioti Garnica, Universidade Estadual Paulista
Docente da Unesp – Bauru (SP) e dos Programas de Pós-Graduação em Educação Matemática da Unesp, Rio Claro (SP), e Educação para a Ciência da Unesp, Bauru (SP).

Referências

A Cades publica todos os programas de Exames de Suficiência para 1958. (1957, dezembro 14). Imprensa Popular. Rio de Janeiro, p.4.

A Nossa Revista. (1957). Escola Secundária, (1), 5-9.

Albuquerque Jr., D. M. (2007). História: a arte de inventar o passado. Bauru, SP: Edusc.

Almeida Filho, O. J. de. (2008). A Estratégia da produção e circulação católica do projeto editorial das coleções de Theobaldo Miranda Santos: (1945-1971). Tese de Doutorado em Educação. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Almeida Filho, O. J. de. (2009). Pedagogia Católica na Estratégia Editorial das Coleções de Theobaldo Miranda Santos. Anais do II Seminário Brasileiro Livro e História Editorial – LIHED (pp.1-16). Rio de Janeiro.

Armando Hildebrand passa o cargo para Gildásio Amado. (1956, abril 5). Diário Carioca. Rio de Janeiro, p.3.

Baraldi, I. M., & Gaertner, R. (2010). Contribuições da Cades para a Educação (Matemática) Secundária no Brasil: uma descrição da produção bibliográfica (1953-1971). Bolema, 23(35A), 159-183.

Baraldi, I. M.; Gaertner, R. (2013). Textos e contextos: um esboço da Cades na História da Educação (Matemática). Blumenau, SC: Edifurb.

Cades – Hildebrand, A. et al. (195-?). Como ensinar matemática no curso ginasial: manual para orientação do candidato a professor de curso ginasial no interior do país. Rio de Janeiro: MEC/Cades.

Chaves, J. G. (1960). Didática da matemática. Rio de Janeiro: Cades.

Congresso Brasileiro de Ensino da Matemática. (1960). Anais do 3º Congresso Brasileiro de Ensino da Matemática. Rio de Janeiro: Cades.

Didática das disciplinas do curso médio. (1959, janeiro 30). Correio da Manhã. Rio de Janeiro, p.5, 2º caderno.

Ebert, A. (195-?). O Professor de nível Secundário. In CADES – Z. de Menezes, et al. (Org.). Noções de didática geral e seus fundamentos (pp. 161-163). Rio de Janeiro: Cades.

Estudo de didática especial ao magistério. (1959, janeiro 29). Tribuna da Imprensa. Rio de Janeiro, p.4.

Garcia, T. M. F. B., & Nascimento, F. E. do. (2009). A Didática e os manuais para ensinar a ensinar Física. Anais do IX Congresso Nacional de Educação e III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia (pp.8.634-8.645). Curitiba.

Hallewell, L. (1985). O Livro no Brasil: sua história. São Paulo, SP: T. A. Queiroz: Editora da Universidade de São Paulo. Tradução de Maria da Penha Villalobos e Lólio Lourenço de Oliveira.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP). (1980). Escolinha de Artes do Brasil. Brasília: MEC/Inep. Série Estudos e Pesquisas – 6.

Lopes, M. H. S. (2015). “Como Ensinar matemática no curso ginasial”: um manual da Cades e suas propostas para a formação de professores de matemática. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Campo Grande: Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Mestres aprendem organizar bibliotecas. (1960, maio 5). Correio da Manhã. Rio de Janeiro, p.12, 1º caderno.

Moraes, D. D. C. D. de. (2010). Visualidade do livro didático no Brasil: o design de capas e sua renovação nas décadas de 1970 e 1980. Dissertação de Mestrado em Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Morais, M. B. (2012). Peças de uma história: formação de professores de matemática na região de Mossoró (RN). Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista.

Não terá caráter obrigatório a nomenclatura gramatical do MEC. (1959, janeiro 21). Diário de Notícias. Rio de Janeiro, p.4, 2ª seção.

Oliveira, M. C. A. de, & Silva, M. C. L. da. (2006). Uma Análise comparativa da formação inicial de professores de Matemática e as capacitações para a implementação da Matemática Moderna em escolas paulistas nas décadas de 50 e 60. Anais do VI Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação – Colubhe (pp. 6.312–6.321). Uberlândia.

Pontes, H. (1988). Retratos do Brasil: um estudo dos editores, das editoras e das “Coleções Brasilianas”, nas décadas de 1930, 40 e 50. BIB (Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais), Rio de Janeiro, (26), 56-89.

Presença da Cades também no interior. (1960, agosto 20). Jornal do Commercio. Rio de Janeiro, p.2, 1º caderno.

Professôres marcam encontro para fazer escola mais viva. (1959, abril 10). Tribuna da Imprensa. Rio de Janeiro, p.7.

Publicações didáticas visando o aperfeiçoamento do ensino. (1960, setembro 20). Correio da Manhã. Rio de Janeiro, p.10, 2º caderno.

Rocco, C. M. K. (2010). Práticas e discursos: análise histórica dos materiais didáticos no ensino de Geometria. Dissertação de Mestrado em Educação Científica e Tecnológica. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

Schmidt, M. A. B. (2006). Estado e construção do código disciplinar da Didática da História. Perspectiva, Florianópolis, 24(2), 709-729.

Silva, G. B. (1959). Introdução à crítica do Ensino Secundário. Rio de Janeiro: Cades.

Silva, M. E. de A. J. da. (1960). A Didática da matemática no Ensino Secundário. Rio de Janeiro: Cades.

Silva, V. B. da. (2003). Uma história das leituras para professores: análise da produção e circulação de saberes especializados nos manuais pedagógicos (1930-1971). Revista Brasileira de História da Educação, (6), 29-57.

Silva, V. B. da. (2005). Saberes em viagem nos manuais pedagógicos: construções da escola em Portugal e no Brasil (1870-1970). Tese de Doutorado em Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Siqueira, C. R. (195-?). Função e objetivos da Escola Secundária brasileira. In CADES – A. Hildebrand, et al. (Org.). Como ensinar matemática no curso ginasial: manual para orientação do candidato a professor de curso ginasial no interior do país (pp.9-21). Rio de Janeiro: MEC/Cades.

Últimas publicações da Cades. (1962, abril 1). Diário de Notícias. Rio de Janeiro, p.4, 5ª seção.

Valdemarin, V. T. A. (2010). Construção do objeto de pesquisa. In Silva, M., & Valdemarin, V. T. (Org.). Pesquisa em educação: métodos e modos de fazer (pp.47-66). São Paulo, SP: Cultura Acadêmica.

Valdemarin, V. T., & Campos, D. G. do S. (2007). Concepções pedagógicas e método de ensino: o manual didático Processologia na Escola Primária. Paidéia (online), 17(38), 343-356.

Valente, W. R. (2007). História da Educação Matemática: interrogações metodológicas. Revemat – Revista Eletrônica de Educação Matemática: UFSC, 2(1), 28-49.

Publicado
2019-03-31
Como Citar
Miranda, B. C. B., & Garnica, A. V. M. (2019). Por um novo modelo de professor: os livros publicados pela Cades. Zetetike, 27, e019002. https://doi.org/10.20396/zet.v27i0.8654273
Seção
Dossiê - Impressos para o ensino ou textos de referência e História da Educação Matemática: leituras e interpretações