O desenho e suas relações com a linguagem escrita em alunos portadores de deficiência mental

Autores

  • Wanda Pereira Patrocinio Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v2i2.1077

Palavras-chave:

Linguagem escrita.

Resumo

O presente trabalho nasceu de uma pesquisa de sondagem sobre a aprendizagem da linguagem escrita em deficientes mentais, na qual verificou-se que essas crianças, em alguns momentos, desenhavam ao invés de escrever. Essa investigação vem, também, preencher uma lacuna, pois notamos a escassez de trabalhos sobre o desenho de crianças deficientes. Para Vygotsky, o desenho deve ser interpretado como um estágio preliminar do desenvolvimento da linguagem escrita, estágio este entendido mais do que como uma simples antecedência temporal. Mesmo que nossa pesquisa esteja voltada para crianças “deficientes mentais”, é relevante percebermos como a deficiência é enfocada; não se pode considerar o deficiente mental como uma pessoa apenas receptora mecânica de conhecimento que os outros possuem, sem nunca ter participado da construção de qualquer saber. É preciso considerar este aluno como um ser que age, decide e pensa por seus próprios meios, principalmente ao trabalharmos na perspectiva da teoria histórico – cultural, que considera que o indivíduo (normal ou deficiente) é constituído pela/na trama de relações sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wanda Pereira Patrocinio, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Educação (Universidade Estadual de Campinas). Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Campinas e mestrado em Gerontologia pela Universidade Estadual de Campinas. Idealizadora e diretora da empresa GeroVida - Arte, Educação e Vida Plena, que presta serviços e desenvolve projetos na área de arte, educação e envelhecimento saudável.

Referências

AZENHA, Ma da G. (1995) Imagens e letras: Ferreiro e Luria duas teorias psicogenéticas. São Paulo: Editora Ática S.A.

LUQUET, Georges – Henri (1969) O desenho infantil. Barcelos: Companhia Editora do Minho. (original: 1927) Tradução: Maria Teresa Gonçalves de Azevedo.

MEREDIEU, Florence de (1974) O desenho infantil. São Paulo: Editora Cultrix. p. 01-66.

REILY, Lúcia H. (1986) Atividades de artes plásticas na escola: hoje é meu dia, dona aula de artes? São Paulo: Pioneira. p. 01-36

REILY, Lúcia H. (1990). Nós já somos artistas: estudo longitudinal da produção artística de pré - escolares portadores de paralisia cerebral. Dissertação de Mestrado. São Paulo: USP - IP.

REILY, Lúcia H. (1994) Armazém de imagens: estudo de caso de jovem artista portador de deficiência múltipla. São Paulo: USP Tese de Doutorado (IP).

SILVA, Silvia M. C. (1993). Condições sociais da constituição do desenho infantil. Dissertação de Mestrado. Campinas: UNICAMP.

VYGOTSKY, Lev. S. (1987) Imaginación y el arte en la infancia. México: Hispanicas. (editado em 1930)

VYGOTSKY, Lev. S. (1993) Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes. p. 13-21. Tradução: Jefferson Luiz Camargo.

WIDLÖCHER, Daniel. (1971) Interpretação dos desenho infantis. Rio de janeiro: Vozes p. 07-115 (Original: 1965)

WIDLÖCHER, Daniel. In: WALLON, PH.; CAMBIER, A. & ENGELHART, D. (1995) El dibujo del niño. México: Siglo veintiuno editores. Prefácio: p. 07-11. (edição original, 1990).

Downloads

Publicado

2009-01-08

Como Citar

PATROCINIO, W. P. O desenho e suas relações com a linguagem escrita em alunos portadores de deficiência mental. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 2, n. 2, p. 149–160, 2009. DOI: 10.20396/etd.v2i2.1077. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/1077. Acesso em: 27 jan. 2021.