Processos educativos e organização de formas cooperativas de produção em assentamentos rurais do MST

  • Maria Antônia de Souza Universidade Estadual de Ponta Grossa
Palavras-chave: Organização. Cooperativismo e associativismo.

Resumo

Este artigo tem por objetivos caracterizar as formas de cooperação agrícola desenvolvidas nos assentamentos organizados pelo MST tendo como fonte relatórios produzidos pelo movimento e, a partir destes dados, destacar suas estratégias e suas dimensões educacionais. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Antônia de Souza, Universidade Estadual de Ponta Grossa
Doutora em Educação e professora no Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino, Universidade Estadual de Ponta Grossa/PR

Referências

BENEVIDES, Maria Victoria de Mesquita. A cidadania ativa: referendo, plebiscito e iniciativa popular. SP: Ática,1991.

BERGAMASCO, Sonia M.P.P. Assentamentos rurais: reorganização do espaço produtivo e processos de socialização. In: Assentamentos rurais: uma visão multidisciplinar. Medeiros, Barbosa, Franco, Esterci e Leite (orgs.). SP, Ed. UNESP, 1994.

CALDART, Roseli Salete. Movimentos sociais e a luta pela escola do (sonho) possível. Porto Alegre, 1995. (Mimeogr.).

CHAUÍ, Marilena. Conformismo e resistência: aspectos da cultura popular no Brasil. SP: Brasiliense, 1986.

CONCRAB - MST. Cooperativas de Produção. Caderno de formação no 21. 2. Edição. São Paulo, abril de 1996.

CONCRAB - MST. Perspectivas da cooperação agrícola nos assentamentos. Caderno de Cooperação Agrícola, nº 4. São Paulo, dezembro de 1995.

CONCRAB. Quatro anos organizando a Cooperação. CONCRAB, 1996.

CONCRAB. Sistema Cooperativista dos Assentados. Caderno de cooperação agrícola, no5. São Paulo, 1997.

D’INCAO, M.C. ; ROY, G. Nós cidadãos. SP: Paz e Terra. 1995.

D ́AQUINO, Terezinha. A casa, os sítios e as agrovilas: uma poética do tempo e do espaço nos assentamentos das terras de Promissão/SP. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 20., 1986, Caxambu. [Anais...]. Caxambu: [s.n.], 1996. (Mimeogr.)

D ́AQUINO, Terezinha. O “Laboratório de Campo” e os bairros rurais no assentamento das terras de Promissão-SP: os sujeitos, o Movimento dos Sem Terra e a construção de um novo modo de vida. In: ENCONTRO NACIONAL DO PROJETO DE INTERCÂMBIO EM PESQUISA SOCIAL E AGRICULTURA, 17., 1994, Porto Alegre. [Anais...]. Porto Alegre: [s.n.], 1994.

FERNANDES, Bernardo Mançano. MST: formação e territorialização. São Paulo: Hucitec, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17ed. Rio de Janeiro:Paz e Terra, 1987.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos Sociais e Educação. SP:Cortez, 1992a.

GOHN, Maria da Glória. Educação Não-Formal no Brasil: anos 90. Cidadania/Textos, n.10, outubro de 1997. Gemdec, Faculdade de Educação, Unicamp. Campinas.

GRZYBOWSKI, Candido. Caminhos e descaminhos dos movimentos sociais no campo. Petrópolis: Vozes, 1991.

HABERMAS, Jurgen. Consciência moral e agir comunicativo. RJ: Biblioteca Tempo Brasileiro, 1989.

MORAIS, Clodomir Santos de. Plano do Laboratório Experimental ou Organizacional de Capacitação massiva para expansão do emprego e incremento de renda familiar. S/D, (Mimeogr.)

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Elementos sobre a teoria da organização no campo. São Paulo. MST. Caderno de Formação, nº 11, 1986.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Memória. 1º Laboratório organizacional de campo. Assentamento Santo Rei. Nova Cantu, PR. 1989.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Linhas básicas da proposta de educação do MST para as escolas de acampamentos e assentamentos (documento para discussão). Setor de Educação, São Paulo, 1990. Manuscrito.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Documento Básico do MST. Piracicaba, 1991.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Memória do FIP. Pitanga, 1992.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Recuperando as definições políticas adotadas para a construção do SCA. Mimeo, 1996.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. II Seminário Nacional: perspectivas da cooperação no MST. Caçador, 1996. (Mimeogr.)

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Síntese do Seminário Nacional do SCA: perspectiva da cooperação agrícola no MST. S/D. (Mimeogr.)

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Princípios da educação no MST. Caderno de Educação, n. 8. 2.ed. SP, 1997.

NAVARRO, Zander. Democracia, cidadania e representação: os movimentos sociais rurais no estado do Rio Grande do Sul, Brasil, 1978-1990. In: NAVARRO, Zander(org.). Política, protesto e cidadania no campo: as lutas sociais dos colonos e dos trabalhadores rurais no Rio Grande do Sul. RGS: Editora da UFRGS. 1996.

NAVARRO, Zander. Ideologia e economia: formatos organizacionais e desempenho produtivo em assentamentos rurais - o caso do assentamento nova Ramada/RS. Relatório Final de Pesquisa. Porto Alegre, 1995. (Mimeogr.)

OLIVEIRA, Juraci P. de. A massificação da cooperação nos assentamentos. Mimeo,1 1996.

SOBRADO, Miguel. Apuentes para um manual sobre el laboratorio de organizacion. Instituto Nacional Agrário. Honduras, 1992. (Mimeogr.)

SOUZA, Maria Antonia de. A formação da identidade coletiva: um estudo das lideranças de assentamentos rurais no Pontal do Paranapanema. 1994. Dissertação (Mestrado em Educação) Faculdade de Educação, UNICAMP, SP.

SOUZA, Maria Antonia de. Educação Não-formal e a formação de lideranças do MST. In: Cidadania/Textos, no10, outubro de 1997. Gemdec, Faculdade de Educação, Unicamp, Campinas.

STÉDILE, J.P(org.). A Reforma Agrária Hoje. Porto Alegre:UFRGS, 1994.

STÉDILE, J.P. Assentamentos: a resposta econômica da Reforma Agrária. Petrópolis:Vozes, 1991.

STÉDILE, J.P (org.). A Reforma Agrária e a luta do MST. Petrópolis: Vozes,1997.

Publicado
2008-12-05
Como Citar
Souza, M. A. de. (2008). Processos educativos e organização de formas cooperativas de produção em assentamentos rurais do MST. ETD - Educação Temática Digital, 4(1), 78-96. https://doi.org/10.20396/etd.v4i1.614