O surgimento tardio da universidade brasileira

Autores

  • Paulino José Orso Universidade do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v3i1.676

Palavras-chave:

Universidade. Centralização. Liberdade.

Resumo

Este artigo procura explicitar os motivos pelos quais, segundo a ótica de Roque Spencer Maciel de Barros, a instituição universitária foi criada tão tardiamente no Brasil. A partir da perspectiva liberal, procura explicar porque passamos pela colônia e pelo Império sem universidade, que só viria a ser criada 45 anos após à proclamação da República, quando no Peru, por exemplo, a Universidade de São Marcos, foi criada já no século XVI, em 1551. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulino José Orso, Universidade do Oeste do Paraná

Possui graduação em Filosofia pelo Centro Universitário La Salle, mestrado e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Atualmente é professor adjunto da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, onde atua na graduação e na pós-graduação lato sensu e strito sensu (mestrado). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em História e Filosofia da Educação. É líder do Grupo de Pesquisa HISTEDOPR e integra a equipe de avaliadores de cursos de graduação pelo INEP.

Referências

BARROS, R.S.M. de. A Ilustração Brasileira e a Idéia de Universidade. São Paulo: Convívio / Edusp, 1986. 440 p.

BARROS, R.S.M. de. Roque Spencer e a história das idéias no Brasil. Jornal da Tarde. 11/04/87.

Idem. p. 55. Roque Spencer escreve este texto em 1963.

BARROS, R.S.M. de. A ilustração brasileira revisitada. In: BARROS, R.S.M. de. Estudos Brasileiros. Londrina: Ed. UEL, 1997. p. 59-70.

BARROS, R.S.M. de. O desenvolvimento da idéia de Universidade no Brasil. In: BARROS, R.S.M. de. Estudos Brasileiros. Londrina: Ed. UEL, 1997. p.49-58.

BARROS, R.S.M. de. O germanismo nos fins do Império. In: BARROS, R.S.M. de. Estudos Brasileiros. Londrina: Ed. UEL, 1997. p. 221-230.

BARROS, R.S.M. de. As faculdades do Império e a renovação intelectual. In: BARROS, R.S.M. de. Estudos Brasileiros. Londrina: editora da UEL, 1997. p. 231-236.

BARROS, R.S.M. de. Júlio de Mesquita Filho e o pensamento liberal. In: BARROS, Roque S. M. de. Estudos Liberais. Londrina: Editora da UEL, 1997. p. 125-134.

MESQUITA FILHO, J. de. A crise nacional. São Paulo: Seção de Obras de O Estado de S. Paulo, 1925. 92p.

Downloads

Publicado

2008-11-27

Como Citar

ORSO, P. J. O surgimento tardio da universidade brasileira. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 1–13, 2008. DOI: 10.20396/etd.v3i1.676. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/676. Acesso em: 5 dez. 2021.