A saúde na escola: da medicalização à perspectiva da psicologia histórico-cultural

Autores

  • Maria de Lourdes Spazziani Centro Universitário Moura Lacerda

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v3i1.680

Palavras-chave:

Medicalização. Práticas pedagógicas. Propostas curriculares. Psicologia histórico-cultural. Conceitos científicos e cotidianos.

Resumo

Este trabalho analisa os fundamentos das práticas pedagógicas da saúde na escola por meio do discurso do processo de medicalização da sociedade apresentado por Foucault, a partir da instauração da medicina moderna. A análise dos programas curriculares apresentados na literatura, no decorrer do século XX revelam que os pressupostos medicalizantes ecoam nas inúmeras propostas curriculares, quer seja àquelas relacionadas ao escolanovismo, à teoria da privação cultural, às propostas democráticas da década de 80, ou àquelas recentemente apresentadas nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). O estudo conclui pela necessidade de rever os fundamentos das práticas pedagógicas da saúde a partir dos pressupostos da psicologia histórico-cultural para o desenvolvimento do aprendizado, que mais do que reorganizar os conteúdos do ensino, propõe os saberes escolares como um processo que requer uma elaboração que envolva a transformação dos modos de conceituar do aluno no sentido do conhecimento sistematizado, através das relações interpessoais, das trocas dialógicas sobre objetos ou fenômenos em que o conhecimento sistematizado está intimamente inter-relacionado ao conhecimento do cotidiano. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Lourdes Spazziani, Centro Universitário Moura Lacerda

Professora Doutora do Programa de Mestrado em Educação Centro Universitário Moura Lacerda / Ribeirão Preto/SP.

Referências

ALVARENGA, A T. Reflexões acerca da abordagem sociológica do crescimento e do desenvolvimento da criança no campo da saúde pública: aspectos teóricos-metodológicos In: CDH - Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano: v.1, n.2, São Paulo, jul./dez. 1991.

ARYÈS, P. História social da infância e da família. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

BAGNATO, M.H.S. A contribuição educativa dos programas de saúde na 5ª série do 1º grau. São Carlos: SP, UFSCAR, 1987 (Dissertação de Mestrado)

BRASIL, Conselho Federal de Educação (CFE). Parecer n. 2264. Documenta, 165,1974.

BRASIL, Congresso Nacional. Lei n. 5692/71. Diário Oficial, 12 de agosto de 1971.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Introdução. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRUZZO,C., 1989. Em nome da saúde... da ordem e do progresso. Discurso e prática dos médicos do Serviço Sanitário paulista no final do século XIX. Campinas, SP: Faculdade de Educação da UNICAMP. (Dissertação de Mestrado).

BUSQUETS, M.D. et.al. Los Temas Transversales: Claves de la formacíon integral. España: Santillana, 1993.162p.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária,1995. 307p.

CARVALHO, Olgamir F. A escola como mercado de trabalho: uma contribuição ao debate sobre a formação do educador. IN: Educação e Sociedade, São Paulo, n.32, p.58-72, 1989.

CHAUÍ, M. O que é ideologia. São Paulo: Brasiliense, 1980, 126p.

COLLARES, C.A L. Influência da merenda escolar no rendimento em alfabetização: um estudo experimental. São Paulo: Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, 1982. (Tese de doutorado)

COLLARES,C.A.L. e MOYSÉS, M.A.A A transformação do espaço pedagógico em espaço clínico. Cultura e Saúde na escola. São Paulo: FDE, p. 25-3l, 1994. (Série Idéias, 23).

COLLARES,C.A.L. A história não contada dos distúrbios de aprendizagem. Cadernos CEDES. Campinas: Papirus/Cedes, n. 28, p.31-48,1992.

CONNEL, R. W. Pobreza e Educação. In: GENTILI, P. (Org.). Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

COSTA, N. R. Estado, educação e saúde: a higiene da vida cotidiana. Cadernos CEDES, n. 4, p.5-27, 1984.

DELEUZE, G. Foucault. Tradução de José Carlos Rodrigues. Lisboa: Veja, [s.d.].

DONNANGELO, M.C.F. e PEREIRA, L. Saúde e Sociedade. São Paulo: Duas Cidades, 1979.

ESPOSITO, Y. L. Desnutrição e cognição. In: Cadernos de Pesquisa, 14. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, p.87-96, 1975.

FOUCAULT,M. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1994. 241p.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GATTI, B. A, et al. A reprodução na 1ª série do 1º grau: um estudo de caso. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, nº 38, p 3-13, 1981

GERALDI, C.M.G. Algumas condições de produção dos Parâmetros Curriculares Nacionais, [s.d.]. (Mimeogr.).

GHIRALDELLI JR, P. Educação e movimento operário na Primeira República. Leitura: Teoria e Prática. Campinas, SP, n.6, p.3-9, 1985.

MOREIRA, A . F.B. Os parâmetros curriculares nacionais mais uma vez em questão. Apresentado no IV Congresso Estadual Paulista sobre a Formação do Educador. Águas de S. Pedro, maio,1996 (Mimeogr.).

KRAMER, S. Propostas pedagógicas ou curriculares: Subsídios para uma leitura crítica. Educação & Sociedade, 60, 1997, p.15-35.

KRAWCZYK, N. A gestão escolar: um campo minado... Análise das propostas de 11 municípios brasileiros.In: Educação & Sociedade, 67.Campinas, SP, 1999.p.112-150.

MELO, J. A. C. de. Educação sanitária: uma visão crítica. Cadernos CEDES, n. 4, p.28-43, 1984.

MOYSÉS, M.A A e LIMA, G.Z. Desnutrição e fracasso escolar: uma relação tão simples? Revista ANDE, 1(5), p.57-

MOYSÉS, M. A A . A institucionalização invisível: crianças que não-aprendem na escola. Campinas, SP: Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP, 1998. 393p. (Tese de Livre Docência) 61,1982.

NICÁCIO, M. C. A saúde dimensionada por uma concepção de mundo: um estudo das representações do professor. São Paulo: UFSCAR, 1983. (Dissertação de Mestrado)

NOVAES, H.M.D. A puericultura em questão. São Paulo: USP,1979. (Dissertação de mestrado) 148p.

OAB/SP. Sentença Brasil 1999: 27ª sessão do Tribunal Permanente dos Povos. Projeto NOX. [online] Brasil: São Paulo, 1999 (19 de março)19p. Disponível na Internet.URL: http:/www/oab-sp.com.br/tribunaldosprovos/mam1.asp?pg-1.10.13.

ORLANDI, E.P. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas, SP: Pontes, 1996.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: T. A . Queiroz, 1993. 385p.

POLACK, J.C. La medicine du capital. Paris: Maspero, 1971.

RIVORÊDO, C. R. S. F. Por uma história de uma dor: mentalidades médicas, neonatologistas e a dor em recém-nascidos. Campinas, SP: Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP, 1996. (Tese, Doutorado em Pediatria)

SAVIANI, D. Tendências e correntes da educação brasileira. In: MENDES, D.T.(Coord.) Filosofia da educação brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p.19-49, 1983. 239p.

SAVIANI, D. A nova lei da educação: LDB Trajetória, limites e perspectivas. Campinas: Editores Associados, 1997. 242p.

SILVA, L.L.C. A saúde escolar em Campo Grande/MS: seu discurso, suas promessas. Campinas, SP. Faculdade de Educação da UNICAMP, 1999. (Tese de Doutorado)

SILVEIRA, G. T. O ensino em saúde no sistema estadual de ensino: do discurso legal à prática. São Paulo: USP, 1994. (Dissertação de Mestrado)

SPAZZIANI, M.L. O ensino da saúde na escola de 1º. grau: proposta para uma abordagem interdisciplinar. Rio de Janeiro: UFRJ, 1990. (Dissertação de Mestrado)

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1989a.

VYGOTSKY, L.S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1989b.

WERTSCH, J. V. Voces de la mente. Un enfoque sociocultural para el estúdio de la acción mediad. Aprendizaje: Visor, 1993.185p.

Downloads

Publicado

2008-11-27

Como Citar

Spazziani, M. de L. (2008). A saúde na escola: da medicalização à perspectiva da psicologia histórico-cultural. ETD - Educação Temática Digital, 3(1), 41–62. https://doi.org/10.20396/etd.v3i1.680