O espaço europeu de ensino superior para uma nova ordem educacional?

Autores

  • Fátima Antunes Universidade do Minho Portugal

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v9in.esp..725

Palavras-chave:

Processo de Bolonha. Espaço europeu de ensino superior. Regulação do ensino superior. Governação da educação.

Resumo

O Processo de Bolonha constitui um método de acção política em direcção ao Espaço Europeu do Ensino Superior que representa uma nova ordem das relações sociais em educação. A governação multi-escalar, a acção transnacional, a agenda globalmente estruturada para a educação e modelo(s) educativo(s) de ambição mundial perfilam o terreno em que se confrontam programas e protagonistas em torno da constitucionalização do projecto neoliberal e da construção da educação como direito humano ou mercadoria. Neste contexto, o Processo de Bolonha está a configurar um novo quadro regulatório para o ensino superior na Europa em que o mercado ou o cosmopolitismo são sentidos possíveis da mudança com desiguais probabilidades de desenhar o futuro. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fátima Antunes, Universidade do Minho Portugal

Instituto de Educação e Psicologia Universidade do Minho Portugal.

Referências

AFONSO, Almerindo J. Políticas educativas e avaliação educacional. Braga: Universidade do Minho, 1998.

AGLIETTA, M. Régulation et crises du capitalisme. Paris: Éditions Odile Jacob, 1997.

AMARAL, A. À conversa com o Prof Dr. Alberto Amaral. Bolonha: o que está em jogo? (entrevista), Ensino Superior, n. 45, Suplemento ao Jornal da Fenprof no 175, Janeiro de 2002(a), p. 8-12.

AMARAL, A. O viagra dos ministros fracos. DNE Ensino, edição do Diário de Notícias de 5 de Julho de 2002(b), p. 92-93.

AMARAL, A. Conferência apresentada na Faculdade de Economia da Universidade do Porto em 22 de Novembro de 2004. (Texto policopiado).

AMARAL, A.; MAGALHÃES, A. Epidemiology and the Bolonha saga. Higher Education, 2004, n. 48, p.79-100.

ANTUNES, F. Os locais das escolas profissionais: novos papéis para o Estado e a europeização das políticas educativas. In: STOER, S. R.; CORTESÃO, L.; CORREIA, J. A. (Org.). Transnacionalização da educação. Da crise da educação à “educação” da crise. Porto: Afrontamento, 2001, pp. 163-208.

ANTUNES, F. A europeização das políticas educativas: a nova arquitetura e o novo elenco no campo da educação. A Página da Educação, n. 130, p. 7, jan. 2004a.

ANTUNES, F. A europeização das políticas educativas II: políticas intergovernamentais e realidades nacionais. A Página da Educação, n. 133, p. 34, 2004b.

ANTUNES, F. Globalização e europeização das políticas educativas: percursos, processos e metamorfoses. Sociologia. Problemas e Práticas, n.47, p. 125-143. 2005a,

ANTUNES, F. Regulação supranacional e governação da educação: dimensões européias. Administração Educacional, no 5, pp. 7-20, 2005b.

BARROSO, J. Les mutations de «l'État éducateur»: de la raison visible de l'État à la 'main invisible' du marche. Conferência apresentada ao Séminaire Printemps. Porto/Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, 3 e 4 de Abril de 2003 (texto policopiado).

BOYER, R. La théorie de la régulation: une analyse critique. Paris: La Découverte, 1987.

CATANI, A. M.; OLIVEIRA, J. F. A reestruturação da educação superior no debate internacional: a padronização das políticas de diversificação e diferenciação. Revista Portuguesa de Educação, v.13, n. 2, p. 29-52, 2000.

CABRAL, M. S. Vigília de protesto contra o Processo de Bolonha. Vale a pena lutar! Jornal Mundo Académico, edição de 27 de Março de 2006, p. 3.

DALE, R. The State and the governance of education: an analysis of the restructuring of the State-education relationship. In: HALSEY, A. H. et al. (Org.). Education – culture, economy and society. Nova Iorque: Oxford University Press, 1997, p. 273-282.

DALE, R. A globalização e a reavaliação da governação educacional. Um caso de ectopia sociológica. In: TEODORO, A.; TORRES, C. A. (Org.). Educação crítica e utopia. perspectivas para o século XXI. Porto: Afrontamento, 2005, p. 53-69.

FENPROF. Posição da FenProf a propósito do anteprojecto de decreto-lei dos graus acadêmicos e diplomas do ensino superior. Sup/Jornal da FenProf, n. 56, suplemento ao Jornal da FenProf no 207, edição de Fevereiro de 2006, p. 4-5.

FERNANDES, J. M.; ABECASSIS, R. Os programas escolares deveriam centrar-se nos grandes objetivos e não nos detalhes. Jornal Público, edição de 28 de Outubro de 2007, p. 12-13.

FIELD, J. Lifelong learning and the new educational order. Stoke on Trent: Trentham Books, 2000.

INVÊNCIO, S. Estudantes da Beira Interior questionam aplicação de Bolonha. Jornal Público, edição de 9 de Novembro de 2005, p. 28.

LAVAL, C.; WEBER, L. Le nouvel rrdre éducatif mondial. OMC, Banque Mondial, OCDE, Commission Européenne. Paris: Nouveaux Regards/Syllepse, 2002.

LIMA, T. UM prepara-se para o Processo de Bolonha. Críticas ao Ministério. Jornal umjornal, edição de 2 de Julho de 2004, p. 7.

LIMA, L. C. Bolonha à portuguesa? A Página da Educação, n. 160, p. 9. edição de Outubro de 2006.

MAJONE, G. Deregulation or regulation? Regulatory reform in Europe and the United States. Londres: Pinter, 1990.

MALAINHO, R.; OSÓRIO, T. V. Bolonha: o reino das dúvidas e da desinformação. Jornal Académico, n. 20, edição de 8 de Março de 2006, p. 3.

NÓVOA, A. Les états de la politique dans l'espace européen de l'éducation. In: LAWN, M.; NOVOA, A. (Coord.). L'Europe réinventée. Regards critiques sur l'Espace Européen de l'Éducation. Paris: L'Harmattan, 2005, p. 197-224.

OECD. Knowledge and skills for life: First results from PISA 2000. Paris: OECD, 2001.

PEIXOTO, P. Bolonha: o que falta fazer?. Jornal Público, edição de 12 de Março de 2006, p.11.

PIERSON, P.; LEIBFRIED, S. Multitiered institutions and the making of social policy. In: LEIBFRIED, S.; PIERSON, P. (Org.). European Social Policy. Between Fragmentation and Integration. Washington D. C.: The Brookings Institution, 1995, p. 1-40.

ROSA, R. N.O ensino superior e o processo de Bolonha. A Página da Educação, n. 120, p. 13, 2003.

SANTOS, B. S. Toward a new common sense: law, science and politics in the paradigmatic transition. Londres: Routledge, 1995.

SANTOS, B. S. Reinventar a democracia. Lisboa: Fundação Mário Soares/ Gradiva, 1998.

SILVA JÚNIOR, J. R.; SGUISSARDI, V. Reforma da educação superior no Brasil: renúncia do Estado e privatização do público. Revista Portuguesa de Educação, v.13, n.2, p. 81-110. 2000.

SHIROMA, E. O. ; MORAES, M. C. M.; EVANGELISTA, O. Ensino superior em tempos de adesão pragmática. In: MORAES, M. C. M. et al. (Org.). Iluminismo às avessas. Produção de conhecimento e políticas de formação docente. Rio de Janeiro: DP&A/CNPQ, 2003, p. 129-149.

STOER, S. R.; MAGALHÃES, A. A diferença somos nós. A gestão da mudança social e as políticas educativas e sociais. Porto: Afrontamento, 2005.

VICENTE, L. Sorbonne, Bolonha, Praga...Notas para uma leitura crítica. Vértice, n. 112, p. 72-92, 2003.

WONG, B. Ministério do Ensino Superior quer legislar Bolonha até Março. Jornal Público, edição de 24 de Janeiro de 2006(a), p. 22.

WONG, B. Bolonha? ‘A minha mãe é que anda mais a par disso’. Jornal Público, edição de 24 de Março de 2006(b), p. 26.

WONG, B. Ensino superior. Harmonização a nível europeu já está em marcha. O que mudou na vida das escolas um ano depois de Bolonha. Jornal Público, edição de 24 de Março de 2007.

WONG, B. Instituições entregam dossiers de Bolonha sem conhecer regras. Jornal Público, edição de 31 de Março de 2006, p. 26.

Downloads

Publicado

2008-11-17

Como Citar

ANTUNES, F. O espaço europeu de ensino superior para uma nova ordem educacional?. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 9, p. 1-28, 2008. DOI: 10.20396/etd.v9in.esp.725. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/725. Acesso em: 31 out. 2020.