O processo de Bolonha no espaço europeu e a reforma universitária brasileira

Autores

  • Carmen Célia Barradas Correia Bastos Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v9in.esp..729

Palavras-chave:

Processo de Bolonha. Reforma universitária. Educação superior.

Resumo

Este artigo aborda questões que envolvem o movimento de reformas educacionais na educação superior, a partir do final do Século XX, como a Declaração de Bolonha assinada em 1999, por ministros da Educação europeus, e que promove, atualmente, a reforma chamada Processo de Bolonha. Outros documentos como a Declaração Mundial sobre Educação Superior, 1998, representam marco referencial das reformas a que se refere este texto. Em sua essência, os documentos europeus vinculam o movimento reformista da educação superior às necessidades contextualizadas pelo padrão de globalização da economia. São articulações que têm como base o incentivo à competitividade, mobilidade discente, adaptação ao mercado de trabalho. No Brasil, em que sentido é possível situar os reflexos desse movimento? Na busca desse entendimento, focalizamos o movimento empreendido pelo Ministério da Educação para discutir a reforma universitária para o país, em especial destacamos o Seminário Internacional Universidade XXI e a Declaração de Brasília. Resguardadas as especificidades de cada situação, vislumbramos refletir sobre possíveis intersecções dos movimentos reformistas na educação superior contemporânea. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carmen Célia Barradas Correia Bastos, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Professora Doutora da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel – Paraná.

Referências

BRASIL. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

BUARQUE, C. A universidade numa encruzilhada. Trabalho apresentado na Conferência Mundial de Educação Superior + 5, UNESCO, Paris, 23 -25 de junho de 2003.

CALAME, P. A universidade no século XXI: por um novo contrato com a sociedade. Conferência de abertura da 8a consulta coletiva Unesco/ONG sobre o ensino superior, Paris 13 a 15 de janeiro, 2003.

CALVINO, I. Seis propostas para o próximo milênio: lições americanas. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CANÁRIO, R. Inovação e projeto educativo de escola. Lisboa: Educa, 1992.

CARVALHO, A. Projeto educativo. 3. ed. Porto: Afrontamento, 1999.

CATANI, A.; OLIVEIRA, J. Educação superior no Brasil: reestruturação e metamorfose das universidades públicas. Petrópolis: Vozes, 2002.

CATANI, A. et al. Política educacional, mudanças no mundo do trabalho e reforma curricular dos cursos de graduação. Educação & Sociedade, Campinas, Centro de Estudos Educação e Sociedade (CEDES), n. 75, p. 67-83, 2001.

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA. Documento divulgado no endereço eletrônico do Ministério da Educação e Cultura. Acesso em: dez. 2003.

DECLARAÇÃO MUNDIAL SOBRE EDUCAÇÃO SUPERIOR NO SÉCULO XXI. São Gonçalo: Universo, 1999.

DELORS, J. Educação, um tesouro a descobrir. 2. ed. São Paulo/Brasília: Cortez/Ministério da Educação (MEC)/Organização Educacional, Científica e Cultural das Nações Unidas (UNESCO), 1999.

FÁVERO, M. L. Universidade do Brasil: das origens à construção. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2000.

FLEXA, R. et al. As novas desigualdades educativas. In: CASTELLS, M. Novas perspectivas críticas em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996, p. 33-42.

GRANDE DICIONÁRIO Larousse Cultural. São Paulo: Nova Cultural, 1990.

HORTALE, V.; MORA, J.G. Tendências das reformas da educação superior na Europa no contexto do Processo de Bolonha. Educação e Sociedade, São Paulo, v. 25 n. 88 Número Especial – 2004.

IANNI, O. A era do globalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR – Processo de Bolonha disponível em: mces@mces.gov.pt. Acesso em: 2004.

PEREIRA, A. C. Visão e ação: a universidade no século XXI. Rio de Janeiro. Editora da UERJ, 1999.

RIBEIRO, M. Políticas para a educação superior no cone sul: do autoritarismo ao neoliberalismo. Pro-Posições, Campinas, Faculdade de Educação da UNICAMP, v. 11, n. 03(33), p. 55-94, 2000.

SACRISTÁN, J. G. Reformas educacionais: utopia, retórica e prática. In: SILVA, T.; GENTILI, P. Escola S.A. quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília: Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), 1996. p. 50-74.

SACRISTÁN, J. G. A educação que temos, a educação que queremos. In: IMBERNÓN, F. A educação no século XXI. Porto Alegre: Artmed, 2000, p. 37-63.

SAVIANI, D. A nova lei da educação: trajetórias, limites e perspectivas. Campinas: Autores Associados, 1997.

Downloads

Publicado

2008-11-17

Como Citar

BASTOS, C. C. B. C. O processo de Bolonha no espaço europeu e a reforma universitária brasileira. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 9, p. 95-106, 2008. DOI: 10.20396/etd.v9in.esp.729. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/729. Acesso em: 31 out. 2020.