Platão e a educação da alma

Autores

  • Wilson Correia Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v9i1.741

Palavras-chave:

Antiguidade. História. Educação.

Resumo

O presente trabalho investiga as concepções platônicas sobre educação e indaga: a tese sobre a educação na Alegoria da Caverna contempla a formação do homem como ser integralmente concebido? Este trabalho assume a contribuição que instiga os pesquisadores da filosofia ao filosofar próprio e objetiva evidenciar que, na Alegoria da Caverna, Platão estabelece um conceito de educação da alma como libertação de si. A metodologia é bibliográfico-documental, pela apreensão e análise do dito do filósofo estudado. Conclui que uma concep-ção de educação que não siga o idealismo platônico pode adotar uma posição teórico-metodológica que valorizasse o homem inserido no mundo e que nele se lança para dar conta da existência concreta e presente. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilson Correia, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Educação no PPGE/FAE/UNICAMP e membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Filosofia da Educação PAIDÉIA, na área de História, Filosofia e Educação. Linha de Pesquisa em Ética, Política e Educação, onde desenvolve o projeto de pesquisa Ensino de filosofia: o problema do endereçamento curricular de ética nos PCN.

Referências

ANDERY, M. A. P. A. et al. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. 8. ed. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo/São Paulo: EDUC, 1999.

ARMIJOS PALÁCIOS, G. A filosofia como dissidência. Disponível em: http://vestibularfilosofia.blogspot.com/2007/03/filosofia-como-dissidncia-gonalo.html. Acesso em: 31 ago. 2007.

ARMIJOS PALÁCIOS, G. De como fazer filosofia sem ser grego, estar morto ou ser gênio. 3. ed. Goiânia: Ed. da UFG, 2002.

ARMIJOS PALÁCIOS, G. Filosofia, impossível defini-la. Revista Filósofos, Goiânia, v. 1, n. 1, p. 33-51, jan./jun. 1996. (Universidade Federal de Goiás).

BRANDÃO, C. R. et al. O educador: vida e morte. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

CHÂTELET, F. A filosofia pagã. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

CORREIA, W. F. Ethos, educação e currículo: a ética como saber escolar. 2002. 168f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Uberlândia, 2002 Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior.

CORREIA, W. F. Dissidência. Uberlândia, 2002. (Inédito).

FEITOSA, Z. M. L. Dialética retórica em Platão. Boletim do CPA, Campinas, n. 4, p. 223-232, jul./dez. 1977.

MONDIN, B. Introdução à filosofia: problemas, sistemas, autores, obras. 9. ed.. São Paulo: Paulus, 1981.

PINTO, P. R. M. Nietzsche, a filosofia e a retórica. Kriterion, Belo Horizonte, n. 89, jan./jul. 1994.

PLATÃO. A República. Lisboa: FCG, 1987.

PLATÃO. Diálogos: Protágoras, Górgias, o banquete, Fedão. Trad. Carlos Alberto Nunes. Belém: Ed. da UFPA, 1980.

QUINTANA, M. Sítio Pensador. Disponível em: http://www.pensador.info/p/amor_ mario_quintana/1. Acesso em: 30 ago. 2007.

SOUZA, C. Alegoria da caverna, de Platão. Disponível em: www.pucrs.campus2.br/~csouza/docs/plataomito.doc. Acesso em: 31 jun. 2002.

ULHÔA, J. P. Filosofia: para que serve? Revista Fragmentos de Cultura, Goiânia, v. 12. n. esp., out. 2002.

Downloads

Publicado

2008-11-14

Como Citar

CORREIA, W. Platão e a educação da alma. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 99-114, 2008. DOI: 10.20396/etd.v9i1.741. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/741. Acesso em: 31 out. 2020.