Banner Portal
A empregabilidade nos Parâmetros Curriculares Nacionais: implicações e limites a formação humana
PDF

Palavras-chave

Empregabilidade. Crise estrutural. Cidadania. Mercado consumidor. Formação humana.

Como Citar

MOREIRA, Luciano Accioly Lemos. A empregabilidade nos Parâmetros Curriculares Nacionais: implicações e limites a formação humana. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 124–135, 2008. DOI: 10.20396/etd.v9i1.743. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/743. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

O presente trabalho analisa, à luz da ontologia marxiana, a formação voltada para a empregabilidade contida nos Parâmetros Curriculares Nacionais (1998/1999), nos Temas Transversais (1998) e nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Ensino Médio (1999). A análise desta problemática, com base nos fundamentos da perspectiva ontológico-marxiana, permitiu constatar que a formação na perspectiva da empregabilidade articula-se com as categorias da cidadania e do consumidor. A empregabilidade cumpre o papel de adequação dos indivíduos a um mercado de trabalho cada vez mais instável e em crise estrutural, tendo o campo da cidadania e do mercado consumidor como lugares naturais nas disputas e conquistas dos sujeitos sociais. A abordagem defendida pelos Parâmetros Curriculares Nacionais apresenta a sociabilidade do capital como algo insuperável e intocável, cabendo apenas transformar a consciência dos homens, capacitando-os para o enfretamento dos desafios de um mundo tecnologicamente desenvolvido e economicamente mundializado. A critica realizada por nossa análise, pauta-se na explicitação das implicações e limites dessa proposta para a formação humana, compreendendo que a proposta dos documentos analisados mantém os efeitos do trabalho alienado sobre o trabalhador, legitimando e naturalizando a desumanização inerente às relações sociais da sociabilidade capitalista. Quanto à vida coletiva, os Parâmetros Curriculares Nacionais e os Temas Transversais sugerem a cidadania e o mercado consumidor. Entendemos que essa vida coletiva tem uma existência abstrata e vazia de sentido, pois restringe-se ao espaço da política e do mercado, controlados e necessários à reprodução desse sistema. E por fim, tentamos demonstrar as possibilidades de uma atividade educativa que vislumbre uma formação para além do capital. 

https://doi.org/10.20396/etd.v9i1.743
PDF

Referências

AZEVEDO, J. C.; GENTILI, P.; KRUG, A.; SIMON, C. (Org.). Utopia e democracia na educação cidadã. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS/ Secretaria Municipal de Educação, 2000.

BRASIL, “Lei no 9.394, de 20.12.96, Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional”, 1996.

BRASIL, Referenciais para a Formação de Professores / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, 1999.

BRASIL, MEC, Parecer no 009/2001, Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, 2001.

BRASIL, MEC/SEF. Parâmetros Curriculares Nacionais: História e Geografia. Brasília, 1997.

BRASIL, MEC/SEF. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental. Brasília, 1998.

BRASIL, MEC/SEF. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio. Brasília, 1999.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

FIGUEIREDO, F. F.; MENEZES, A. M. D. (Org.). Trabalho, sociabilidade e educação: uma crítica à ordem do capital. Fortaleza: Editora UFC, 2003.

FRIGOTTO, G.; GENTILI, P. (Org.). A cidadania negada: políticas de exclusão na educação e no trabalho. São Paulo: Cortez, 2002.

GENTILI, P. (Org.). Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.