Banner Portal
A cultura surda e os intérpretes de língua de sinais (ILS)
PDF

Palavras-chave

Cultura. Intérprete de língua de sinais/português. Surdos. Identidade.

Como Citar

PERLIN, Gladis. A cultura surda e os intérpretes de língua de sinais (ILS). ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 7, n. 2, p. 136–147, 2008. DOI: 10.20396/etd.v7i2.798. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/798. Acesso em: 17 abr. 2024.

Resumo

Enfatizando algumas posições e enunciações sobre a cultura surda o artigo pretende discorrer sobre a identidade e o território do interprete de língua de sinais/português. Aborda certas situações, porém não tanto a globalidade da questão. Salienta que o interprete não se realiza no simples ato da tradução, mas que envolve uma gama dimensional de significantes e significados que denunciam a complexidade de seu papel, as dimensões e a profundidade de sua atuação. Os intérpretes são para a tradução da cultura, da língua, da história, dos movimentos, das políticas da identidade e da subjetividade surda, e apresentam suas próprias particularidades, identidade e orbitalidade. 

https://doi.org/10.20396/etd.v7i2.798
PDF

Referências

BAUDRILLARD, J.; GUILLAUME, M. La huella del otro. México: Taurus, 2000.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

CARBONELLI I CORTÉS, O. Traducir al otro: Traducción, exotismo, poscolonialismo. Cuenca: Ediciones de la Universidad de Castilla - La Mancha, 1999.

FRIEDMAN J. Ser no mundo: globalizacão e localizacão. In. FEATHEROSTONE (Org.) Cultura global. Nacionalismo, globalização e modernidade. Petrópolis: Vozes, 1994.

GABILONDO, A.. La vuelta del Outro. Diferença, identidad, alteridad. Madrid: Editorial Trotta, 2001.

GILROY, P.. Los estudios culturales británicos y las trampas de la identidad. In CURRAN, J.; MORLEY, D.; e WALKERDINE, V. Estudios culturales y comunicación. Paidós, Buenos Aires,1998.

HALL, S. A questão multicultural. In: SOVIK, L. (Org.) Da diáspora identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG/UNESCO, 2003.

LACERDA, C. O interprete de íngua de sinais no contexto de uma sala de alunos ouvintes. In: LACERDA, C., GÓES, M. C. R. (Orgs.) Surdez - Processos educativos e subjetividade. S. Paulo: Lovise, ps. 51-84, 2000.

LÓPEZ, A. Ser ou não ser Triqui: Entre o narrativo e o político. In LARROSA, J. & SKLIAR, C. Habitantes de Babel. Política e poética da diferença. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2001.

PADDEN, C. H. Deaf in America - voices from a culture. London: Harvard University Press, 1988.

PERLIN, G. Identidades Surdas. In: SKLIAR (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998.

QUADROS, R. Situando as diferenças implicadas na educação de surdos: inclusão/exclusão. Revista Ponto de Vista, UFSC, n. 5, 2004.

SANTOS, S. A constituição da identidade de ILS que atuam no ensino superior. Proposta de qualificação de Mestrado. PPGE/UFSC, 2005.

SILVA T. T. da (Org.) Identidade e Diferença. A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

SKLIAR, C. B. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse lá? Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

SOUZA, R. M. Práticas alfabetizadoras e subjetividade. In: In: LACERDA, C., GÓES, M. C. R. (Orgs.) Surdez - Processos educativos e subjetividade. S. Paulo: Lovise, 2000.

THOMPSON, K. Estudos Culturais e educação no mundo contemporâneo. In SILVEIRA, R. M.. (Org.) Cultura, poder e educação. Um debate sobre Estudos Culturais em Educação. Canoas: ULBRA, 2005.

WRIGLEY. O. The politics of deafness. Washingnton: Gallaudet University Press, 1996

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.