“Os homens que odiavam as mulheres”: relações de gênero em jogos internos de uma universidade pública

Palavras-chave: Corpo. Gênero. Cultura. Mulher. Violência.

Resumo

As relações de gênero estão presentes em diferentes espaços sociais e muitas vezes expressam posturas preconceituosas. Este texto pretende analisar a relação presente entre o gênero feminino e a cultura em um evento esportivo e cultural na cidade de Goiânia a partir de um regulamento sexista amplamente divulgado nas mídias regionais. Método: Foi feita uma análise documental com o “ranking” disponibilizado por mídias sociais e, nele foram analisados dezenove itens discriminados nos critérios de interesse relacional heterossexual durante os jogos realizados no evento de uma universidade pública do estado de Goiás, interior do Brasil. Resultados: Os dados demonstram um movimento na qual a relação de subalternidade de alguns grupos foi evidenciado, a virilidade masculina protagonizou o evento, de forma que se estabeleceram relações desiguais entre homens e mulheres, na qual os corpos femininos foram colocados sob extrema avaliação e constrangimento. Conclusão: A conclusão aponta para uma série de preconceitos quanto aos comportamentos sexistas, misóginos, heteronormativos e étnico-raciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kelly Cristiny Martins Evangelista, Universidade Estadual de Goiás

Mestra em Educação - Universidade Federal de Goiás (UFG)  Professora de Educação Física - Secretaria Municipal de Educação - Escola Especial Helena Antipoff; Docente na Universidade Estadual de Goiás.

Daiana Rodrigues de Lima Braga, Prefeitura de Goiânia

Mestra em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás. Coordenadora pedagógica - Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (SEDUCE, GO); Professora efetiva - Secretaria Municipal de Educação de Goiânia Goiás (SMEE/GO)

 
Pâmella Gomes de Brito, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação em Educação Física - Licenciatura, pela Universidade Federal de Goiás (2013). 

Adelson da Costa Ribeiro, Instituto Federal do Mato Grosso

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Goiás (2017). Atualmente é professor DE no Instituto Federal do Mato Grosso (IFMT), junto ao DACC no campus Cuiabá - Octayde Jorge da Silva.

Tadeu João Ribeiro Baptista, Universidade Federal de Goiás

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Goiás. Professor Adjunto da Universidade Federal de Goiás, onde atua como Docente no curso de graduação em Educação Física e no Programa de Pós-Graduação em Educação. 

Referências

ADORNO, Theodor W. Teoria estética. Lisboa: Edições 70, 1970.

ADORNO, Theodor W. Estudios sobre la personalidade autoritária. In: ADORNO, Theodor W. Escritos sociológicos II, v. 1. Madri: Akal, 2009. p. 147-525.

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

AGRICOLA, Nestor Persio A. Da mercadorização do corpo feminino: um estudo sobre a imagem fotográfica da mulher nua. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 163-171, jan./jun. 2011.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura história da cultura. 7. ed. 11. reimp. São Paulo: Brasiliense, 2011. (Obras Escolhidas, v. 1).

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BRASIL. Estatuto da Juventude. Lei n.º 12.852/13, 5 de agosto de 2013. Brasília, DF: UNFPA, 2013. Disponível em: http://www.unfpa.org.br/Arquivos/estatutodajuventude.pdf Acesso em: 29 maio 2018.

COSTA, Dhyovaine Nascimento; SOUZA, Cínthia Ferreira de. Questões de gênero na propaganda de cerveja Schin. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. In: CONGRESSO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NA REGIÃO SUDESTE, 16., São Paulo - SP – 12 a 14 de maio de 2011. Anais eletrônicos... São Paulo: Intercom, 2011. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sudeste2011/resumos/R24-0347-1.pdf. Acesso em: 2 dez. 2016.

COSTA, Maria Regina. Gênero e Sexualidade. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 18., CONGRESSO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 5: Identidade da Educação Física e Ciências do Esporte em Tempos de Megaeventos, Brasília, DF, 2 a 7 ago. 2013. Anais... Brasília, DF: CBCE, 2013. p.1-9.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Tradução de Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

DINIZ, Augusto. Disputa machista que pontua mulheres por beleza e cor da pele no Inter UFG gera revolta. Jornal Opção. Disponível em: http://www.jornalopcao.com.br/ultimas-noticias/disputa-machista-que-pontua-mulheres-por-beleza-e-cor-da-pele-no-inter-ufg-gera-revolta-66941/ Acesso em: 2 ago. 2016.

FREITAS, Maria do Carmo Soares. Mulher Light: Corpo, Dieta e Repressão. In: FERREIRA, Sílvia Lúcia; NASCIMENTO, Enilda Rosendo do (Org.). Imagens da Mulher na Cultura Contemporânea. Salvador: NEIM/ UFBA, 2002. p. 23-34. (Coleção Bahianas; 7).

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 11. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

GOELLNER, S.V. Bela, maternal e feminina: imagens da mulher na Revista Educação Physica. Ijuí: Editora Unijuí, 2003.

GOELLNER, Silvana V. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades. Revista de Educação e Esporte. São Paulo, v. 19, n. 2, p. 143-151, 2005.

GOELLNER, Silvana V. A Produção de corpos hígidos: atividade física, saúde e nacionalismo no Brasil no início do século XX. In: GRANDO, B. S. (Org.). Corpo, educação e cultura: práticas sociais e maneiras de ser. Ijuí: Editora Unijuí, 2009. p. 75-92.

GROPPO, Luís Antonio. Juventude: ensaios sobre sociologia e história das juventudes modernas. Rio de Janeiro: Dipel, 2000. (Coleção Enfoques. Sociologia)

HASSE, Manuela. Branca, limpa e alinhada: a ressignificação da natureza no processo de transformação do corpo feminino (1938-1972). In: GRANDO, B. S. (Org.). Corpo, educação e cultura: práticas sociais e maneiras de ser. Ijuí: Editora Unijuí, 2009. p. 53-73.

LAHNI, Cláudia Regina; AFONSO, Juliana Neves. Publicidade e relações de gênero: nos 40 anos do Ano Internacional da Mulher, reflexões a partir de anúncio da Heineken. Revista Estudos da Comunicação, Curitiba, v. 17, n. 42, p. 71-85, jan./abr. 2016. Disponível em: file:///D:/Dados%20dos%20Usu%C3%A1rios/Tadeu/Downloads/comunicacao-16165.pdf. Acesso em: 2 dez. 2016.

LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

LOURO, Guacira Lopes. Heteronormatividade e homofobia. In: JUNQUEIRA, Rogério Luís. Diversidade Sexual na Educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília, DF: MEC/Secad, Unesco, 2009. p. 85-95.

LUKÁCS, Georg. História e consciência de classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

MATTHEWS-GRIECO, Sara F. Corpo e Sexualidade na Europa do Antigo Regime. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jaques; VIGARELLO, Georges. História do corpo: da Renascença às luzes. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. p. 217-301. v. 1.

ORAES, Eliane R.; LAPEIZ, Sandra M. O que é pornografia. São Paulo: Brasiliense, 1985.

OREIRA, Herivelto; CALEFFE, Luiz Gonzaga. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

MOTA-RIBEIRO, S. Corpos visuais: imagens do feminino na publicidade. In: MACEDO, A.; GROSSEGESSE, O. (Ed.). Re-presentações do Corpo. Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho, 2003. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/5309 . Acesso em: 11 ago. 2016.

NOGUEIRA, Regina. Mulher negra e obesidade. In: WERNECK, J. et al (Org.). O Livro da Saúde das Mulheres Negras: nossos passos vêm de longe. Rio de Janeiro: Pallas: Criola, 2000. p. 199-201.

NOGUEIRA, Conceição. Um novo olhar sobre as relações sociais de gênero: feminismo e perspectivas críticas na psicologia social. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

NOGUEIRA, Gilmaro; COLLING, Leandro. Homofobia, heterossexismo, heterossexualidade compulsória, heteronormatividade. In: COLLING, Ana Maria; TEDESCHI, Losandro Antonio. Dicionário Crítico de Gênero. Dourados: Ed. UFGD, 2015. p. 353-358.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Revista Sociedade e Cultura. Goiânia: UFG. v. 11, n. 2, jul./dez. 2008. p. 263-274. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fchf/article/viewFile/5247/4295. Acesso em: 13 jul. 2016.

POCAHY, Fernando Altair. Botando corpo, (des)fazendo gênero. Uma ferramenta para a pesquisa-intervenção na educação. Revista Reflexão e Ação. Santa Cruz do Sul, v. 24, n. 1, p. 289-308, jan./abr. 2016. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/6923/pdf. Acesso em: 20 maio 2017.

POCAHY, Fernando Altair. Entre vapores e dublagens: dissidências homo/eróticas das tramas do envelhecimento. 2011. 167f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011a.

POCAHY, Fernando Altair. Interseccionalidade e educação: cartografias de uma prática-conceito feminista. Revista Textura. Canoas, n. 23, p. 18-30, jan./jun. 2011b. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/txra/article/view/984/766. Acesso em: 13 jul. 2016.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

SILVA, Beto. Polícia Civil e UFG investigam ranking da ‘pegação’ dos estudantes. Diário da Manhã. Disponível em: http://www.dm.com.br/cotidiano/2016/05/policia-civil-e-ufg-investigam-ranking-da-pegacao.html. Acesso em: 2 ago. 2016.

TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

WEEKS, Jeffrey. O corpo e a sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Revista Estudos Feministas. v. 9 n. 2, 2001. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2001000200008. Acesso em: 5 set. 2016.

Publicado
2019-01-08
Como Citar
Evangelista, K. C. M., Braga, D. R. de L., Brito, P. G. de, Ribeiro, A. da C., & Baptista, T. J. R. (2019). “Os homens que odiavam as mulheres”: relações de gênero em jogos internos de uma universidade pública. ETD - Educação Temática Digital, 21(1), 3-22. https://doi.org/10.20396/etd.v21i1.8648406