Jovens cegos tateando os seus projetos de vida um estudo sobre suas representações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v23i3.8657625

Palavras-chave:

Juventude, Diversidade, Representações

Resumo

 O artigo objetiva apresentar os resultados parciais do estudo desenvolvido no período de 2017 a 2018, com os seguintes questionamentos: como os jovens com cegueira que moram na Amazônia paraense, região Norte do País, compartilham conhecimentos sobre seus Projetos de Vida e qual a importância que atribuem à escola para a realização desses projetos? Trata de uma pesquisa de abordagem processual, do campo teórico e metodológico das Representações Sociais. O instrumento utilizado foi a entrevista com roteiro preestabelecido em forma de temáticas sobre o projeto de vida. Os sujeitos entrevistados foram 10 jovens cegos estudantes, distribuídos igualmente entre jovens do sexo feminino e jovens do sexo masculino na faixa etária entre 15 a 29 anos, vinculados a Unidade Técnica Educacional Especializada José Álvares de Azevedo (UTES JAA). A Análise de Conteúdo de Bardin (1997) foi utilizada para identificar o pensamento consensual de jovens cegos sobre seus projetos de vida. Os resultados parciais apontam o seguinte:  que as representações sociais refletem as imagens e os significados sobre o projeto de vida que transitam entre Educação, Trabalho; que a escola, sem ressignificar a racionalidade com a qual materializa o processo de ensino-aprendizagem, passa a representar um obstáculo tanto na inclusão escolar quanto na realização de seus projetos de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivany Pinto Nascimento, Universidade Federal do Pará

Doutora e Pós Doutora em Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Docente e Pesquisadora do Instituto de Educação e da Pós Graduação em Educação da Universidade Federal do Pará (UFPA).  Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Juventude, Representações Sociais e Educação. Bolsista Produtividade CNPq. 

Lourival Nascimento, Universidade Federal do Pará

Mestre em Planejamento do Desenvolvimento Sustentável e doutorando no programa de pós-graduação pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Professor da Secretaria de Estado da Educação (SEDUC). Assessora pedagógica em educação inclusiva da Secretaria Municipal de Educação de Belém.

Referências

AINSCOW, Mel; FERREIRA, Windyz. Compreendendo a educação inclusiva: algumas reflexões sobre experiências internacionais. In: RODRIGUES, David (Org.). Perspectivas sobre a inclusão: da educação à sociedade. Porto: Porto Ed., 2003. p. 103-116.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude – SINAJUVE. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12852.htm. Acesso em: 11 ago. 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis n. 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm . Acesso em: 11 ago. 2019.

BERSCH, Rita de Cassia Reckziegel et al. Formação continuada à distância de professores para o atendimento educacional especializado. Deficiência Física. São Paulo: MEC/SEESP, 2007.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: DIFEL, 1989.

CARMO, Michelly Eustáquia do; GUIZARDI, Francini Lube. O conceito de vulnerabilidade e seus sentidos para as políticas públicas de saúde e assistência social. Cad. Saúde Pública, Brasília, v. 34, n. 3, p. 1-14, 2018.

CASTEL, Robert. La dynamique des processos de marginalisation: de la vulnerabilité à la désaffiliation. Cahiers de recherche sociologique, Paris, n. 22, p. 11-27, 1994.

CATÃO, Maria de Fátima. Projeto de vida em construção: na exclusão/inserção social. João Pessoa: UFPB Universitária, 2001.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN. Pedro Alcino. Metodologia científica: para uso dos estudantes universitários. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1983.

CONTI, Bruno. Brasil enfrenta pior crise já registrada poucos anos após um boom econômico. O Globo, 7 jul. 2017.

Disponível em: https://g1.globo.com/economia/noticia/br asil-enfrenta-pior-crise-ja-registrada-poucos-anos-apos-um-boom-economico.ghtml. Acesso em: 25 jul. 2019.

CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues. Identidades culturais juvenis e escolas: arenas de conflitos e possibilidades. In: MOREIRA, Antônio Flávio; CANDAU, Vera Maria (Org). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2013. p.182-211.

CORREIA, Luís de Miranda. Necessidades educativas especiais na sala de aula. Porto: Porto Editora, 1999.

DAYRELL, Juarez. A escola faz as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil, Revista Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 28, n.100, p. 1105-1128, out. 2007. Edição Especial.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DUARTE, Francisco Ednardo. As representações sociais de universitários de sexualidades LGBT sobre seus processos de escolarização e as implicações em seus projetos de vida. 2015. Tese (Doutorado em Educação) – Instituto de Ciências da Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2015.

FARIAS, Degiane da Silva. Juventude, escolarização e projeto de vida: representações sociais dos jovens de Bragança/Amazônia Paraense. 2018. Tese (Doutorado em Educação) – Instituto de Ciências da Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.

FUNDAÇÃO DORINA NOWILL PARA CEGOS. Estatísticas da deficiência visual no Brasil, 2014. Disponível em: https://www.fundacaodorina.org.br/a-fundacao/deficiencia-visual/estatisticas-da-deficiencia-visual/about:blank&gt . Acesso em: 28 out. 2019.

GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM, 1991.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico, 2010. Características gerais da população, pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico, 2012. Características gerais da população, pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

JODELET, Denise. Representação Sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, Denise. As representações sociais. Tradução de Lilian Ulup. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001. p. 17-44.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

MENDES, Fátima Aparecida Gonçalves. A constituição de sujeitos com cegueira adquirida e a aprendizagem da leitura e escrita braille. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2014.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA (MEC). O encaminhamento do deficiente visual ao mercado de trabalho, 2016. Instituto Benjamin Constant. Disponível em: http://www.ibc.gov.br . Acesso em: 9 nov. 2019.

MOREIRA, Daniel Augusto. O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson, 2002.

MOSCOVICI, Serge. A representação social da realidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

NASCIMENTO, Ivany Pinto. As Representações Sociais dos Projetos de Vida dos jovens: um estudo psicossocial. 2002. Tese (Doutorado em Psicologia da Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2002.

NASCIMENTO, Ivany Pinto; RODRIGUES, Sônia Eli Cabral. Os jovens na Pós-Modernidade: caleidoscópio de seus projetos de futuro. Revista Educere, Cascavel, v. 13, n. 28, p. 1-26, maio/ago. 2018.

OLIVEIRA, Lorena Maria Mourão de; HAGE, Salomão Antônio Mufarrej. Socioterritorialidade da Amazônia e as políticas de educação do campo. Revista Ver a Educação, Belém, v. 12, n. 1, p. 141-158, jan./jun. 2011.

OLIVEIRA, Leonardo Augusto Cardoso de; REILY, Lucia Helena. Relatos de músicos cegos: subsídios para o ensino de música para alunos com deficiência visual. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 20, n. 3, jul./set. 2014.

PERALVA, Angelina. O jovem como modelo cultural. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 5/6, p. 15-24, maio/ dez. 1997.

RAITZ, Tânia Regina; PETTERS, Luciane Carmem Figueiredo. Novos desafios dos jovens na atualidade: trabalho, educação e família. Revista Psicologia & Sociedade-UFMG, Belo Horizonte, v.20, n.3, p.408-416,.2008.

SPINK, Mary Jane. O estudo empírico das representações sociais. In: SPINK, M. J. (Org.) O conhecimento no cotidiano. As representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 1993. p. 234-265.

Downloads

Publicado

2021-08-12

Como Citar

NASCIMENTO, . I. P.; NASCIMENTO, L. Jovens cegos tateando os seus projetos de vida um estudo sobre suas representações. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 23, n. 3, p. 716–738, 2021. DOI: 10.20396/etd.v23i3.8657625. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8657625. Acesso em: 28 out. 2021.