Validação da escala de utilização das tecnologias digitais na gestão escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v23i3.8657850

Palavras-chave:

Escala de utilização das tecnologias digitais na gestão escolar, Diretores escolares, Tecnologias digitais na educação, Gestão escolar, Análise fatorial

Resumo

O presente artigo relata o processo de validação de uma escala de frequência na utilização das tecnologias digitais pelos diretores de escolas Portuguesas nas suas práticas profissionais. A escala em causa foi desenvolvida, pelos autores e previamente validada junto de 3 especialistas em gestão e administração escolar, e posteriormente aplicada à amostra constituída por 133 diretores de escolas do ensino básico e secundário português. A qualidade métrica da escala foi avaliada pela análise de três indicadores: (i) a sensibilidade dos itens através do cálculo dos valores da assimetria e da curtose, (ii) a validade recorrendo à análise fatorial exploratória com rotação varimax, e (iii) a consistência interna através do cálculo do alpha de Cronbach. Os resultados são reveladores de boa qualidade métrica da escala, o que poderá permitir a sua utilização com um grau de confiança favorável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Piedade, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Doutor em Educação pela Universidade de Lisboa Instituto da Educação. Professor na Universidade de Lisboa Instituto da Educação, Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências, Escola Superior de Educação de Lisboa, Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Tecnologia e Gestão. 

Nuno Dorotea, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Doutor em Educação na especialidade de Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação pela  Universidade de Lisboa. Professor Auxiliar convidado do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa - Alameda da Universidade. Lisboa, Portugal.

Referências

AINSCOW, Mel; FERREIRA, Windyz. Compreendendo a educação inclusiva: algumas reflexões sobre experiências internacionais. In: RODRIGUES, David (Org.). Perspectivas sobre a inclusão: da educação à sociedade. Porto: Porto Ed., 2003. p. 103-116.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude – SINAJUVE. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12852.htm. Acesso em: 11 ago. 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis n. 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm . Acesso em: 11 ago. 2019.

BERSCH, Rita de Cassia Reckziegel et al. Formação continuada à distância de professores para o atendimento educacional especializado. Deficiência Física. São Paulo: MEC/SEESP, 2007.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: DIFEL, 1989.

CARMO, Michelly Eustáquia do; GUIZARDI, Francini Lube. O conceito de vulnerabilidade e seus sentidos para as políticas públicas de saúde e assistência social. Cad. Saúde Pública, Brasília, v. 34, n. 3, p. 1-14, 2018.

CASTEL, Robert. La dynamique des processos de marginalisation: de la vulnerabilité à la désaffiliation. Cahiers de recherche sociologique, Paris, n. 22, p. 11-27, 1994.

CATÃO, Maria de Fátima. Projeto de vida em construção: na exclusão/inserção social. João Pessoa: UFPB Universitária, 2001.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN. Pedro Alcino. Metodologia científica: para uso dos estudantes universitários. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1983.

CONTI, Bruno. Brasil enfrenta pior crise já registrada poucos anos após um boom econômico. O Globo, 7 jul. 2017.

Disponível em: https://g1.globo.com/economia/noticia/br asil-enfrenta-pior-crise-ja-registrada-poucos-anos-apos-um-boom-economico.ghtml. Acesso em: 25 jul. 2019.

CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues. Identidades culturais juvenis e escolas: arenas de conflitos e possibilidades. In: MOREIRA, Antônio Flávio; CANDAU, Vera Maria (Org). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2013. p.182-211.

CORREIA, Luís de Miranda. Necessidades educativas especiais na sala de aula. Porto: Porto Editora, 1999.

DAYRELL, Juarez. A escola faz as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil, Revista Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 28, n.100, p. 1105-1128, out. 2007. Edição Especial.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DUARTE, Francisco Ednardo. As representações sociais de universitários de sexualidades LGBT sobre seus processos de escolarização e as implicações em seus projetos de vida. 2015. Tese (Doutorado em Educação) – Instituto de Ciências da Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2015.

FARIAS, Degiane da Silva. Juventude, escolarização e projeto de vida: representações sociais dos jovens de Bragança/Amazônia Paraense. 2018. Tese (Doutorado em Educação) – Instituto de Ciências da Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.

FUNDAÇÃO DORINA NOWILL PARA CEGOS. Estatísticas da deficiência visual no Brasil, 2014. Disponível em: https://www.fundacaodorina.org.br/a-fundacao/deficiencia-visual/estatisticas-da-deficiencia-visual/about:blank&gt. Acesso em: 28 out. 2019.

GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM, 1991.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico, 2010. Características gerais da população, pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico, 2012. Características gerais da população, pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

JODELET, Denise. Representação Sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, Denise. As representações sociais. Tradução de Lilian Ulup. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001. p. 17-44.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

MENDES, Fátima Aparecida Gonçalves. A constituição de sujeitos com cegueira adquirida e a aprendizagem da leitura e escrita braille. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2014.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA (MEC). O encaminhamento do deficiente visual ao mercado de trabalho, 2016. Instituto Benjamin Constant. Disponível em: http://www.ibc.gov.br . Acesso em: 9 nov. 2019.

MOREIRA, Daniel Augusto. O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson, 2002.

MOSCOVICI, Serge. A representação social da realidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

NASCIMENTO, Ivany Pinto. As Representações Sociais dos Projetos de Vida dos jovens: um estudo psicossocial. 2002. Tese (Doutorado em Psicologia da Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2002.

NASCIMENTO, Ivany Pinto; RODRIGUES, Sônia Eli Cabral. Os jovens na Pós-Modernidade: caleidoscópio de seus projetos de futuro. Revista Educere, Cascavel, v. 13, n. 28, p. 1-26, maio/ago. 2018.

OLIVEIRA, Lorena Maria Mourão de; HAGE, Salomão Antônio Mufarrej. Socioterritorialidade da Amazônia e as políticas de educação do campo. Revista Ver a Educação, Belém, v. 12, n. 1, p. 141-158, jan./jun. 2011.

OLIVEIRA, Leonardo Augusto Cardoso de; REILY, Lucia Helena. Relatos de músicos cegos: subsídios para o ensino de música para alunos com deficiência visual. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 20, n. 3, jul./set. 2014.

PERALVA, Angelina. O jovem como modelo cultural. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 5/6, p. 15-24, maio/ dez. 1997.

RAITZ, Tânia Regina; PETTERS, Luciane Carmem Figueiredo. Novos desafios dos jovens na atualidade: trabalho, educação e família. Revista Psicologia & Sociedade-UFMG, Belo Horizonte, v.20, n.3, p.408-416,.2008.

SPINK, Mary Jane. O estudo empírico das representações sociais. In: SPINK, M. J. (Org.) O conhecimento no cotidiano. As representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 1993. p. 234-265.

Downloads

Publicado

2021-08-12

Como Citar

PIEDADE, J.; DOROTEA, N. Validação da escala de utilização das tecnologias digitais na gestão escolar. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 23, n. 3, p. 757–775, 2021. DOI: 10.20396/etd.v23i3.8657850. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8657850. Acesso em: 25 out. 2021.