Folhetos de cordel, uma prática educativa que motiva diálogos interculturais

Autores

  • Patrícia Cristina de Aragão Araújo Universidade Estadual da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v9i33.8639560

Palavras-chave:

Educação. Cordel. Interculturalidade. Cotidiano. Cultura

Resumo

Neste artigo objetivamos mostrar o cordel como construtor de visões de mundo e decultura, que tem um potencial educativo, visto que, além do papel social e cultural queexerce, através dele, aprende-se e se ensina. Através do cordel, é possível educar. Dessaforma, como educação e cultura se constituem elementos fundantes e essenciais para oentendimento da sociedade, o cordel participa desse processo, educando e contribuindopara a construção de conhecimentos a partir de diálogos interculturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Cristina de Aragão Araújo, Universidade Estadual da Paraíba

Doutora em Educação.

Referências

COULON, A. Etnometodologia e educação. Petrópolis: Vozes, 1995.

FORNET-BETANCOURT, R. Interculturalidade: críticas, diálogo e perspectivas. São Leopoldo: Nova Harmonia, 2004.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa 16. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 41. ed. São Paulo: Vozes, 2005.

GUINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das letras, 1990.

GUINZBURG, C. O queijo e os vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

GUINZBURG, C. Olhos de Madeira: nove reflexões sobre a distância. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

Downloads

Como Citar

ARAÚJO, P. C. de A. Folhetos de cordel, uma prática educativa que motiva diálogos interculturais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 9, n. 33, p. 159–168, 2012. DOI: 10.20396/rho.v9i33.8639560. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639560. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)